A procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, en­ca­mi­nhou nes­ta sexta-​feira (21) uma ma­ni­fes­ta­ção ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) na qual pe­de pe­lo in­de­fe­ri­men­to do pe­di­do de anu­la­ção de ação pe­nal que con­de­nou o ex-​presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va a 9 anos e seis me­ses de pri­são pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Dodge: material do The Intercept não foi analisado e muito menos teve autenticidade confirmada

O no­vo pe­di­do da de­fe­sa do ex-​presidente ocor­re após a di­vul­ga­ção de su­pos­tas men­sa­gens di­vul­ga­das pe­lo si­te The In­ter­cept Bra­sil no dia 9 de ju­nho que ale­gam que o en­tão juiz fe­de­ral e atu­al Mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Sér­gio Mo­ro, te­ria se co­mu­ni­ca­do com o Pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca e co­or­de­na­dor da Ope­ra­ção La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, Del­tan Dal­lag­nol, por men­sa­gens de tex­to.

Pa­ra a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR), não exis­te em­ba­sa­men­to que jus­ti­fi­que o pe­di­do de sus­pei­ção (au­sên­cia de im­par­ci­a­li­da­de) de Mo­ro uma vez que a ale­ga­ção da de­fe­sa tem ba­se em fa­tos so­bre os quais há dú­vi­das ju­rí­di­cas. “É que o ma­te­ri­al pu­bli­ca­do pe­lo si­te The In­ter­cept Bra­sil, a que se re­fe­re a pe­ti­ção fei­ta pe­la de­fe­sa do pa­ci­en­te, ain­da não foi apre­sen­ta­do às au­to­ri­da­des pú­bli­cas pa­ra que sua in­te­gri­da­de se­ja afe­ri­da. Di­an­te dis­so, a sua au­ten­ti­ci­da­de não foi ana­li­sa­da e mui­to me­nos con­fir­ma­da”, des­ta­cou a pro­cu­ra­do­ria em do­cu­men­to.

A ma­ni­fes­ta­ção tam­bém men­ci­o­na o fa­to de não ter si­do ave­ri­gua­da se as men­sa­gens fo­ram “cor­rom­pi­das, adul­te­ra­das ou se pro­ce­dem em sua in­tei­re­za, de co­mu­ni­ca­ções en­tre os in­ter­lo­cu­to­res”. Nes­se ca­so, se­gun­do a PGR, as men­sa­gens pos­su­em um “ele­va­do grau de in­cer­te­za”, o que im­pe­de que se­jam usa­das co­mo evi­dên­cia da sus­pei­ção.

No do­cu­men­to, a procuradora-​geral tam­bém se mos­trou pre­o­cu­pa­da de que as su­pos­tas men­sa­gens te­nham si­do ob­ti­das de ma­nei­ra cri­mi­no­sa. Nes­se ca­so, elas po­de­ri­am fe­rir a ga­ran­tia à pri­va­ci­da­de das co­mu­ni­ca­ções de au­to­ri­da­des co­mo pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca, juí­zes e mem­bros do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (CNMP). “Trata-​se de gra­ve e cri­mi­no­so aten­ta­do con­tra o Es­ta­do e su­as ins­ti­tui­ções que es­tá sob a de­vi­da apu­ra­ção pe­los ór­gãos com­pe­ten­tes”, diz a ma­ni­fes­ta­ção.

A de­fe­sa de Lu­la afir­mou, em no­ta, que o pe­di­do de sus­pei­ção de Mo­ro não es­tá am­pa­ra­do nas re­por­ta­gens do In­ter­cept, mas sim em vá­ri­as ou­tras me­di­das to­ma­das pe­lo en­tão juiz fe­de­ral du­ran­te a La­va Ja­to.

* Com in­for­ma­ções da Agên­cia Bra­sil

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,