A de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la pe­diu ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) nes­ta segunda-​feira (24) que re­con­si­de­re sua de­ci­são de in­ver­ter a pau­ta da Se­gun­da Tur­ma nes­ta terça-​feira (25). A pre­si­den­te da Tur­ma, Cár­men Lú­cia, re­ti­rou da pau­ta um ha­be­as cor­pus (HC) em que os ad­vo­ga­dos do ex-​presidente pe­dem que se­ja de­cla­ra­da a sus­pei­ção do en­tão juiz Ser­gio Mo­ro no jul­ga­men­to do ca­so do tri­plex no Gua­ru­já (SP). Na prá­ti­ca, a mu­dan­ça na or­dem de aná­li­se dos pro­ces­sos po­de em­pur­rar pa­ra agos­to a apre­ci­a­ção do pe­di­do do pe­tis­ta, já que a ses­são des­ta ter­ça de­ve ser a úl­ti­ma an­tes do re­ces­so de ju­lho do Ju­di­ciá­rio.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Inversão de pauta pode resultar no adiamento de apreciação de habeas corpus do ex-presidente para agosto

No an­da­men­to do pro­ces­so, não foi pu­bli­ca­do o mo­ti­vo do adi­a­men­to, so­men­te a se­guin­te de­ci­são: “De or­dem, cer­ti­fi­ca­mos que o pro­ces­so foi re­ti­ra­do do ca­len­dá­rio de jul­ga­men­to do dia 25.6.2019”.

O pro­ces­so co­me­çou a ser jul­ga­do na Se­gun­da Tur­ma em de­zem­bro de 2018, quan­do o re­la­tor, mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, e a mi­nis­tra Cár­men Lú­cia vo­ta­ram con­tra o pe­di­do de sus­pei­ção. O jul­ga­men­to foi sus­pen­so por um pe­di­do de vis­ta do mi­nis­tro Gil­mar Men­des, que de­vol­veu o HC pa­ra ser jul­ga­do nes­ta ter­ça. Com­põem o co­le­gi­a­do ain­da os mi­nis­tros Ri­car­do Lewan­dows­ki e Cel­so de Mel­lo.

No iní­cio da tar­de, a de­fe­sa de Lu­la pe­diu ao STF que a da­ta do jul­ga­men­to se­ja man­ti­da. A de­fe­sa ar­gu­men­tou que o ha­be­as cor­pus foi pro­to­co­la­do em no­vem­bro de 2018 pa­ra que se­ja re­co­nhe­ci­da a sus­pei­ção do en­tão juiz Ser­gio Mo­ro pa­ra pro­ces­sar e jul­gar o ex-​presidente e, con­se­quen­te­men­te, re­co­nhe­ci­men­to da nu­li­da­de de to­dos os atos pra­ti­ca­dos por ele na ação pe­nal do trí­plex, além de sol­tu­ra do ex-​presidente.

De acor­do com Cris­ti­a­no Za­nin, ad­vo­ga­do do ex-​presidente, Lu­la es­tá pre­so há 443 di­as e os pro­ces­sos en­vol­ven­do réus pre­sos têm pri­o­ri­da­de de jul­ga­men­to.

“As­sim, di­an­te de re­por­ta­gens jor­na­lís­ti­cas pu­bli­ca­das nes­ta da­ta so­bre even­tu­al adi­a­men­to, requer-​se se­jam ob­ser­va­das as dis­po­si­ções le­gais e re­gi­men­tais aci­ma re­fe­ri­das, de mo­do a as­se­gu­rar que o jul­ga­men­to do ha­be­as cor­pus em ques­tão se­ja re­to­ma­do ama­nhã, 25/​6 - úl­ti­ma ses­são do pri­mei­ro se­mes­tre -, co­mo me­di­da de Di­rei­to e de Jus­ti­ça”, pe­diu a de­fe­sa.

Antes da Vaza Jato

O ar­gu­men­to cen­tral da de­fe­sa é o fa­to de Mo­ro ter acei­ta­do o con­vi­te pa­ra o car­go de mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro. Quan­do foi im­pe­tra­do no ano pas­sa­do, e não tra­zia em seus ar­gu­men­tos as su­pos­tas tro­cas de men­sa­gens en­tre o en­tão juiz e o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da força-​tarefa da La­va Ja­to, no Pa­ra­ná, di­vul­ga­das pe­lo si­te The In­ter­cept Bra­sil. Na se­ma­na pas­sa­da, os ad­vo­ga­dos pe­di­ram que os “fa­tos pú­bli­cos e no­tó­ri­os” se­jam le­va­dos em con­ta pe­lo STF.

Des­de a pu­bli­ca­ção das su­pos­tas men­sa­gens, o mi­nis­tro Ser­gio Mo­ro não re­co­nhe­ce a au­ten­ti­ci­da­de dos diá­lo­gos e diz que as men­sa­gens po­dem ter si­do “edi­ta­das e ma­ni­pu­la­das” por meio de ata­ques de hac­kers. Mes­mo as­sim, diz não ver gra­vi­da­de no con­teú­do di­vul­ga­do.

Lu­la es­tá pre­so des­de 7 de abril do ano pas­sa­do na Su­pe­rin­ten­dên­cia da Po­lí­cia Fe­de­ral em Cu­ri­ti­ba, após ter sua con­de­na­ção con­fir­ma­da pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral 4ª Re­gião (TRF4), que impôs pe­na de 12 anos e um mês de pri­são pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro no ca­so do trí­plex do Gua­ru­já (SP).

Com in­for­ma­ções da Agên­cia Bra­sil

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,