O em­prei­tei­ro que in­cri­mi­nou o ex-​presidente Lu­la no ca­so que o le­vou à pri­são foi tra­ta­do com des­con­fi­an­ça pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to du­ran­te qua­se to­do o tem­po em que se dispôs a co­la­bo­rar com as in­ves­ti­ga­ções, apon­ta re­por­ta­gem con­jun­ta da Fo­lha de S.Paulo e do In­ter­cept Bra­sil. É o que in­di­ca a tro­ca de men­sa­gens pri­va­das tro­ca­das en­tre pro­cu­ra­do­res en­vol­vi­dos nas ne­go­ci­a­ções re­pro­du­zi­da na edi­ção des­te do­min­go (30) do jor­nal.

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Léo Pinheiro em depoimento à CPI da Petrobras no Congresso

Se­gun­do a re­por­ta­gem, o em­pre­sá­rio Leo Pi­nhei­ro, da OAS, só apre­sen­tou a ver­são que in­cri­mi­nou Lu­la em abril de 2017, mais de um ano de­pois do iní­cio das ne­go­ci­a­ções com a La­va Ja­to, quan­do foi in­ter­ro­ga­do pe­lo en­tão juiz Ser­gio Mo­ro no pro­ces­so do tri­plex. Na oca­sião, ele dis­se que a re­for­ma do imó­vel era par­te dos acer­tos que fi­ze­ra com o PT pa­ra ga­ran­tir con­tra­tos da OAS com a Pe­tro­bras. Es­sa co­ne­xão fun­da­men­tal pa­ra que o pro­ces­so fi­cas­se nas mãos de Mo­ro.

“So­bre o Lu­la eles não que­ri­am tra­zer nem o apt. Gua­ru­ja”, es­cre­veu o pro­mo­tor Sér­gio Bru­no Ca­bral Fer­nan­des a ou­tros in­te­gran­tes da equi­pe que ne­go­ci­ou com os ad­vo­ga­dos da OAS em agos­to de 2016, nu­ma dis­cus­são so­bre a de­la­ção no apli­ca­ti­vo Te­le­gram. “Di­zi­am q não ti­nha cri­me.” An­tes da de­cla­ra­ção en­vol­ven­do Lu­la, os pro­cu­ra­do­res ha­vi­am re­jei­ta­do a pro­pos­ta de acor­do da em­prei­tei­ra. As ne­go­ci­a­ções, en­tão, fo­ram re­to­ma­das, mas até ho­je ain­da não fo­ram con­cluí­das no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

Quan­do foi ou­vi­do por Mo­ro, Leo Pi­nhei­ro já ha­via si­do con­de­na­do pe­lo en­tão juiz por ter pa­go pro­pi­na a di­ri­gen­tes da Pe­tro­bras e re­cor­ria em li­ber­da­de, mas te­mia ser pre­so se a ape­la­ção fos­se re­jei­ta­da pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião, on­de os pro­ces­sos de Cu­ri­ti­ba são re­vis­tos. Na épo­ca, ha­via in­dí­ci­os de que a OAS e a Ode­bre­cht ti­nham fei­to obras no sí­tio de Ati­baia (SP), tam­bém atri­buí­do ao pre­si­den­te, co­mo for­ma de com­pen­sa­ção por con­tra­tos.

O de­se­jo de Leo Pi­nhei­ro em co­la­bo­rar foi re­ce­bi­do com ce­ti­cis­mo des­de o iní­cio. “A pri­mei­ra no­tí­cia de ver­são do LP [Léo Pi­nhei­ro] so­bre o sí­tio já é bem con­trá­ria ao que apu­ra­mos aqui”, dis­se um dos pro­cu­ra­do­res, Pau­lo Ro­ber­to Gal­vão, no iní­cio de mar­ço. “Es­ta­mos aber­tos a ou­vir a pro­pos­ta da em­pre­sa mas não nos com­pro­me­te­mos com na­da.”

De presente a propina

De acor­do com a Fo­lha, uma pes­soa que acom­pa­nhou as con­ver­sas da OAS com a La­va Ja­to na épo­ca dis­se que, ini­ci­al­men­te, o em­prei­tei­ro des­cre­veu o tri­plex co­mo um pre­sen­te que ofe­re­ce­ra a Lu­la sem pe­dir na­da em tro­ca. Se­gun­do es­sa pes­soa, a in­sa­tis­fa­ção dos pro­cu­ra­do­res o le­vou a mu­dar sua ver­são pe­lo me­nos du­as ve­zes até che­gar àque­la ado­ta­da em 2017.

Con­for­me a re­por­ta­gem, as men­sa­gens ana­li­sa­das mos­tram que os re­la­tos apre­sen­ta­dos pe­la em­prei­tei­ra so­fre­ram vá­ri­as al­te­ra­ções até que os pro­cu­ra­do­res acei­tas­sem as­si­nar um ter­mo de con­fi­den­ci­a­li­da­de com os ad­vo­ga­dos, pas­so es­sen­ci­al pa­ra que as ne­go­ci­a­ções avan­ças­sem.

Mas os ajus­tes fei­tos pe­la OAS pa­re­ci­am sem­pre in­su­fi­ci­en­tes. “Na úl­ti­ma reu­nião dis­se­mos que eles pre­ci­sa­ri­am melhor[ar] con­si­de­ra­vel­men­te os ane­xos”, dis­se o pro­cu­ra­dor Ro­ber­son Poz­zo­bon aos co­le­gas em ju­lho, quan­do se pre­pa­ra­vam pa­ra um no­vo en­con­tro com os re­pre­sen­tan­tes da em­pre­sa.

Em­bo­ra apon­tas­sem vá­ri­as omis­sões nos re­la­tos en­tre­gues pe­la em­prei­tei­ra, os pro­cu­ra­do­res acha­vam que con­se­gui­ri­am mais in­for­ma­ções quan­do pu­des­sem en­tre­vis­tar seus exe­cu­ti­vos.

Mas ha­via mui­ta es­pe­cu­la­ção so­bre a de­la­ção da OAS na im­pren­sa e os va­za­men­tos in­co­mo­da­vam os ne­go­ci­a­do­res, que os atri­buíam a uma es­tra­té­gia dos ad­vo­ga­dos pa­ra des­per­tar in­te­res­se pe­la pro­pos­ta e torná-​la ir­re­cu­sá­vel pa­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. En­tre eles, um re­la­to que ten­ta­va en­vol­ver o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, Di­as Tof­fo­li, co­mo be­ne­fi­ciá­rio de fa­vo­res da em­prei­tei­ra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,