O vice-​líder do PSL na Câ­ma­ra Fi­li­pe Bar­ros (PR) en­trou com man­da­do de se­gu­ran­ça nes­ta quarta-​feira (3) no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pa­ra im­pe­dir a ins­ta­la­ção da CPI mis­ta das Fa­ke News, de­ter­mi­na­da na úl­ti­ma tar­de pe­lo pre­si­den­te do Con­gres­so, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP). O pe­di­do de cri­a­ção da CPI foi apoi­a­do por par­la­men­ta­res de vá­ri­os par­ti­dos, do PT ao pró­prio PSL, por mo­ti­vos di­fe­ren­tes.

Cleia Viana/​Agência Câ­ma­ra


Para deputado, CPI não tem foco definido e pode atingir usuários mais ativos das redes sociais

De acor­do com o re­que­ri­men­to, a co­mis­são de­ve apu­rar a uti­li­za­ção de per­fis fal­sos pa­ra in­flu­en­ci­ar os re­sul­ta­dos das elei­ções de 2018, a prá­ti­ca de cy­ber­bullying so­bre os usuá­ri­os “mais vul­ne­rá­veis da re­de de com­pu­ta­do­res, bem co­mo so­bre agen­tes pú­bli­cos”, e o ali­ci­a­men­to de cri­an­ças pa­ra o co­me­ti­men­to de cri­mes de ódio e sui­cí­dio.

Pa­ra Fi­li­pe Bar­ros, a CPI não tem um ob­je­to “mi­ni­ma­men­te de­fi­ni­do” que per­mi­ta o con­tro­le le­gal de su­as ati­vi­da­des in­ves­ti­ga­tó­ri­as. Sem ob­je­to de­fi­ni­do, ale­ga o vice-​líder do PSL, po­de in­ves­ti­gar tan­to um “ci­da­dão mais ati­vo nas re­des so­ci­ais que ma­ni­fes­ta su­as opi­niões e re­pli­ca ou­tras em tom crí­ti­co” aos três po­de­res, quan­to “cri­mi­no­sos que se uti­li­zam do ano­ni­ma­to pa­ra fo­men­tar a prá­ti­ca de cri­mes”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,