Após mui­tos ques­ti­o­na­men­tos e crí­ti­cas ao pa­re­cer da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, fi­cou pa­ra es­ta quinta-​feira (4) a vo­ta­ção do texto-​base da Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 6/​2019. O adi­a­men­to foi con­fir­ma­do de­pois que to­dos os re­que­ri­men­tos que pe­di­am que a vo­ta­ção fos­se pos­ter­ga­da fo­ram apre­ci­a­dos e re­jei­ta­dos pe­la co­mis­são es­pe­ci­al em uma ses­são tu­mul­tu­a­da que se es­ten­deu até a ma­dru­ga­da. O co­le­gi­a­do de­ve vol­tar a se reu­nir a par­tir das 9h. A ex­pec­ta­ti­va dos go­ver­nis­tas é que tam­bém ho­je se­jam vo­ta­dos os des­ta­ques. Com is­so, a pro­pos­ta es­ta­ria pron­ta pa­ra ser vo­ta­da em ple­ná­rio na pró­xi­ma se­ma­na.

Pa­blo Valadares/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Comissão especial da reforma da Previdência

“Que­ro fa­zer uma su­ges­tão. Quan­to me­nos tar­de ter­mi­nar­mos aqui, mais tem­po te­re­mos pa­ra di­a­lo­gar com o re­la­tor e a aná­li­se de as­ses­so­ria. Vo­ta­mos os cin­co re­que­ri­men­tos e ama­nhã vol­ta­mos pa­ra vo­tar o re­la­tó­rio e as emen­das”, che­gou a su­ge­rir o pre­si­den­te da co­mis­são es­pe­ci­al, de­pu­ta­do Mar­ce­lo Ra­mos (PL-​AM), por vol­ta das 22h.

O ape­lo, po­rém, não sur­tiu mui­to efei­to, pois os lí­de­res fi­ze­ram ques­tão de usar o di­rei­to de fa­la pa­ra co­men­tar os pon­tos e os efei­tos da re­for­ma du­ran­te a vo­ta­ção dos cin­co re­que­ri­men­tos que pe­di­am o adi­a­men­to da vo­ta­ção. De um la­do, os de­fen­so­res da re­for­ma pe­di­am a apro­va­ção da ma­té­ria em prol da re­cu­pe­ra­ção fis­cal e econô­mi­ca bra­si­lei­ra; do ou­tro, a opo­si­ção pe­dia mais tem­po pa­ra ana­li­sar a com­ple­men­ta­ção de vo­to do re­la­tor Sa­mu­el Mo­rei­ra (PSDB-​SP) e cri­ti­ca­vam os ter­mos da pro­pos­ta.

Até o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), es­te­ve na ses­são pa­ra acal­mar os âni­mos dos par­la­men­ta­res. Na saí­da, Maia dis­se que ain­da é pos­sí­vel le­var o tex­to pa­ra ple­ná­rio nes­te mês, an­tes do re­ces­so par­la­men­tar. Ele afir­mou tam­bém que há vo­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra apro­var a ma­té­ria no ple­ná­rio. “Um pou­co mais” que a mar­gem mí­ni­ma de 325 vo­tos que su­ge­riu an­te­ri­or­men­te. “Quan­do se for­ma uma mai­o­ria e es­sa mai­o­ria quer vo­tar, a gen­te vo­ta”, co­men­tou, di­zen­do que, não fos­se o es­for­ço dos de­pu­ta­dos em avan­çar com o as­sun­to, “es­sa re­for­ma se­ria apro­va­da em 2060”.

A ex­pec­ta­ti­va é, por­tan­to, que o texto-​base e a emen­das se­jam apre­ci­a­das na reu­nião mar­ca­da pa­ra es­ta quinta-​feira na co­mis­são es­pe­ci­al, pa­ra que si­gam pa­ra o ple­ná­rio da Câ­ma­ra na pró­xi­ma se­ma­na.

Terceira versão

A ter­cei­ra ver­são do re­la­tó­rio da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, apre­sen­ta­do na noi­te des­sa quarta-​feira, trou­xe qua­tro al­te­ra­ções ao tex­to an­te­ri­or. O re­la­tor Sa­mu­el Mo­rei­ra (PSDB-​SP) ce­deu a ape­los do cen­trão e re­ti­rou do pro­je­to a co­bran­ça de alí­quo­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as dos ser­vi­do­res es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais, dei­xan­do es­sa pos­si­bi­li­da­de ape­nas pa­ra a União.

Tam­bém saí­ram do tex­to as fin­te­chs e as se­gu­ra­do­ras, pa­ra que a am­pli­a­ção da alí­quo­ta da Con­ti­bui­ção So­ci­al so­bre Lu­cro Lí­qui­do (CSLL) de 15% pa­ra 20% fi­cas­se ape­nas pa­ra os ban­cos. Ou­tra mu­dan­ça diz res­pei­to ao Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC), que pas­sa a per­mi­tir cri­té­ri­os de vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al. Já os pro­ces­sos pre­vi­den­ciá­ri­os se­guem na com­pe­tên­cia ex­clu­si­va da Jus­ti­ça Fe­de­ral.

Al­vo de ques­ti­o­na­men­tos da ban­ca­da da ba­la e do pró­prio go­ver­no, as re­gras pa­ra po­li­ci­ais fe­de­rais e po­li­ci­ais ro­do­viá­ri­os fe­de­rais não fo­ram al­te­ra­das: con­ti­nu­a­ram os 55 anos de ida­de mí­ni­ma sem pe­dá­gio. Afi­nal, o go­ver­no Bol­so­na­ro fra­cas­sou ao ten­tar fa­zer um acor­do com os po­li­ci­ais, que re­jei­ta­ram a re­du­ção da ida­de mí­ni­ma pro­pos­ta pe­lo pre­si­den­te pa­ra con­ti­nu­ar bri­gan­do por uma re­gra de tran­si­ção se­me­lhan­te à dos po­li­ci­ais mi­li­ta­res, de 17%. A ques­tão fi­cou, en­tão, pa­ra ser dis­cu­ti­da atra­vés de emen­das.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,