A vo­ta­ção de um re­que­ri­men­to apre­sen­ta­do pe­la opo­si­ção, pa­ra re­ti­ra­da da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia da pau­ta da Câ­ma­ra, ofe­re­ceu uma boa in­di­ca­ção so­bre a cor­re­la­ção de for­ças ho­je exis­ten­te em re­la­ção ao te­ma. Com 450 de­pu­ta­dos pre­sen­tes, 331 vo­ta­ram con­tra o re­que­ri­men­to (a fa­vor do go­ver­no, por­tan­to), 117 a fa­vor e dois se abs­ti­ve­ram. “É um bom si­nal”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co o lí­der do go­ver­no, Ma­jor Vi­tor Hu­go (PSL-​GO).

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Deputados rejeitaram requerimento de retirada de pauta

Ele re­co­nhe­ceu, po­rém, que se­rá di­fí­cil vo­tar o texto-​base da re­for­ma na ses­são ain­da em an­da­men­to. Nes­te mo­men­to, a opo­si­ção con­ti­nua ten­tan­do obs­truir a vo­ta­ção (cli­que no ví­deo pa­ra acom­pa­nhar ao vi­vo). “Es­tão dei­xan­do a vo­ta­ção pa­ra quar­ta por­que ou não têm ain­da os vo­tos que pre­ci­sam ou por­que não têm se­gu­ran­ça quan­to a es­ses vo­tos”, re­a­giu Or­lan­do Sil­va (PCdoB-​SP).

Com 505 de­pu­ta­dos pre­sen­tes, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), abriu, pou­co an­tes das 21h, a ses­são con­vo­ca­da pa­ra vo­tar a pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 06/​2019, que al­te­ra o sis­te­ma de Pre­vi­dên­cia bra­si­lei­ro.

Ape­sar da ex­pec­ta­ti­va ini­ci­al de uma ses­são que se alon­ga­ria pe­la ma­dru­ga­da aden­tro, mui­tos lí­de­res já co­me­çam a pre­ver que a vo­ta­ção do mé­ri­to co­me­ça­rá so­men­te na tar­de de quarta-​feira (10). In­cluin­do o exa­me dos des­ta­ques, a vo­ta­ção em pri­mei­ro tur­no po­de ir até sá­ba­do, fi­can­do a vo­ta­ção em se­gun­do tur­no pa­ra a se­ma­na que vem..

Mais ce­do, Maia pra­ti­ca­men­te des­car­tou a rein­clu­são de es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia que se­rá vo­ta­da pe­los de­pu­ta­dos. Ele de­fen­de mu­dan­ças nas re­gras do sis­te­ma de apo­sen­ta­do­ria de ou­tros en­tes da fe­de­ra­ção, mas ad­mi­te que a rein­ser­ção “con­ta­mi­na” a vo­ta­ção no ple­ná­rio, on­de é ne­ces­sá­rio um quó­rum ele­va­do: no mí­ni­mo, 308 vo­tos (três quin­tos) dos 513 de­pu­ta­dos.

O quó­rum de aber­tu­ra da ses­são su­pe­rou as ex­pec­ta­ti­vas do pre­si­den­te da Câ­ma­ra. “Que­re­mos um quó­rum de 490 de­pu­ta­dos pa­ra não ter ris­co de per­der a vo­ta­ção. Ini­cia a vo­ta­ção do tex­to prin­ci­pal na noi­te des­ta terça-​feira, e vo­ta­mos os des­ta­ques na ma­dru­ga­da”, dis­se ele no iní­cio da noi­te.

Na cor­ri­da pe­la apro­va­ção da pro­pos­ta, o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, dis­se acre­di­tar que o go­ver­no tem pe­lo me­nos 350 vo­tos. Já a opo­si­ção ale­ga ter, no mí­ni­mo, 132 vo­tos se­gu­ros con­trá­ri­os à pro­pos­ta.

Nes­sa que­da de bra­ço, o go­ver­no en­ten­de que o cha­ma­do Cen­trão, gru­po in­for­mal ca­pi­ta­ne­a­do por PP, PRB, PSD, So­li­da­ri­e­da­de e PL, se­rá o fi­el da ba­lan­ça, mo­ti­vo pe­lo qual cor­reu pa­ra li­be­rar R$ 2,5 bi­lhões em emen­das par­la­men­ta­res nos úl­ti­mos cin­co di­as. So­men­te no Diá­rio Ofi­ci­al da União de segunda-​feira (8), foi li­be­ra­do mais de R$ 1 bi­lhão, o que le­vou o PT a anun­ci­ar uma re­pre­sen­ta­ção por im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va con­tra o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Ou­tra ba­ta­lha im­por­tan­te te­ve o ob­je­ti­vo de con­ter sua ba­se mais le­al, li­ga­da à ban­ca­da da ba­la. O ob­je­ti­vo é que ela não di­fi­cul­te a apro­va­ção empenhando-​se pa­ra me­lho­rar o tra­ta­men­to da­do a po­li­ci­ais, bom­bei­ros e agen­tes de se­gu­ran­ça.

De­ter­mi­na­do a eli­mi­nar ris­cos, o go­ver­no exo­ne­rou to­dos os de­pu­ta­dos li­cen­ci­a­dos pa­ra exer­cer o car­go de mi­nis­tros. Após vo­tar sim na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, eles re­as­su­mi­rão os seus car­gos.

Abaixo, veja o passo a passo da votação da reforma no plenário da Câmara:

Pri­mei­ro tur­no

Dis­cus­são

- A opo­si­ção po­de pe­dir a re­ti­ra­da de pau­ta do pro­je­to e adi­a­men­to da dis­cus­são por até dez ses­sões. A apro­va­ção ou re­jei­ção pre­ci­sa de mai­o­ria sim­ples: mai­o­ria de vo­tos, des­de que pre­sen­te a mai­o­ria ab­so­lu­ta, 257 de­pu­ta­dos.

- O go­ver­no po­de se an­te­ci­par à opo­si­ção e pro­por a re­ti­ra­da de pau­ta pa­ra re­jei­tar o pró­prio pe­di­do. Com a me­di­da, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra con­si­de­ra pre­ju­di­ca­dos os re­que­ri­men­tos da opo­si­ção sem nem mes­mo votá-​los.

- Não há li­mi­te pa­ra dis­cus­são do tex­to. Ca­da de­pu­ta­do po­de dis­cur­sar por cin­co mi­nu­tos. No en­tan­to, o go­ver­no po­de pro­por o en­cer­ra­men­to da dis­cus­são an­tes do fim da lis­ta de ora­do­res, após qua­tro de­pu­ta­dos (dois a fa­vor e dois con­tra) dis­cu­ti­rem o as­sun­to. O re­que­ri­men­to é apro­va­do por mai­o­ria sim­ples.

- Os des­ta­ques po­dem ser apre­sen­ta­dos até o fim da dis­cus­são.

Vo­ta­ção

- Com o fim do de­ba­te, inicia-​se a vo­ta­ção pro­pri­a­men­te di­ta. Nes­te mo­men­to, os de­pu­ta­dos não po­dem mais apre­sen­tar des­ta­ques, in­di­vi­du­ais ou de ban­ca­da. Vota-​se a ad­mis­si­bi­li­da­de dos des­ta­ques sim­ples, em blo­co. Ten­dên­cia: to­dos se­rem re­jei­ta­dos.

- Passa-​se en­tão à vo­ta­ção do tex­to prin­ci­pal, res­sal­va­dos os des­ta­ques de ban­ca­da. O tex­to pre­ci­sa de 308 vo­tos fa­vo­rá­veis em vo­ta­ção no­mi­nal pe­lo sis­te­ma ele­trô­ni­co.

- Com a apro­va­ção, passa-​se à vo­ta­ção dos des­ta­ques de ban­ca­da, con­ce­di­dos aos par­ti­dos ou blo­cos em nú­me­ro pro­por­ci­o­nal ao ta­ma­nho das ban­ca­das. O go­ver­no cos­tu­ra um acor­do pa­ra que a mai­o­ria não apre­sen­te ne­nhum de­les.

- Pe­la atu­al com­po­si­ção da Câ­ma­ra, são pos­sí­veis 34 des­ta­ques, que pre­ci­sam de 308 vo­tos pa­ra apro­va­ção, to­dos em vo­ta­ção pe­lo sis­te­ma ele­trô­ni­co.

- Ven­ci­da es­sa eta­pa, os de­pu­ta­dos con­clu­em o pri­mei­ro tur­no.

In­ter­va­lo, o cha­ma­do in­ters­tí­cio

O in­ter­va­lo en­tre a con­clu­são do pri­mei­ro tur­no e o iní­cio do se­gun­do é de cin­co ses­sões. Es­se pra­zo po­de ser su­pri­mi­do com apro­va­ção pe­di­do de que­bra de in­ters­tí­cio, por mai­o­ria sim­ples.

Se­gun­do tur­no

Dis­cus­são

- Aber­ta a dis­cus­são, es­ta po­de ser en­cer­ra­da pe­lo tér­mi­no da lis­ta ou me­di­an­te a apro­va­ção de re­que­ri­men­to com es­sa fi­na­li­da­de, ha­ven­do a ma­té­ria si­do dis­cu­ti­da por, no mí­ni­mo, qua­tro ora­do­res (dois con­tra e dois a fa­vor).

Vo­ta­ção

- En­cer­ra­da a dis­cus­são, passa-​se à vo­ta­ção.

- Vota-​se ape­nas a re­da­ção do se­gun­do tur­no, res­sal­va­dos os des­ta­ques.

- Em se­gui­da, se apro­va­do no­va­men­te o tex­to prin­ci­pal, procede-​se à vo­ta­ção dos des­ta­ques de ban­ca­da.

- O re­gi­men­to da Câ­ma­ra só per­mi­te, no se­gun­do tur­no, a apre­sen­ta­ção de des­ta­ques su­pres­si­vos, que re­ti­ram par­tes do tex­to.

- Con­si­de­ra­do de vo­ta­ção mais rá­pi­da, o se­gun­do tur­no che­ga ao fim.

Re­da­ção fi­nal

A con­clu­são ocor­re após a apro­va­ção da re­da­ção fi­nal, ge­ral­men­te em vo­ta­ção sim­bó­li­ca. Es­se se­rá o tex­to en­ca­mi­nha­do ao Se­na­do Fe­de­ral, on­de a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pas­sa­rá pe­lo mes­mo pro­ces­so de dis­cus­são e aná­li­se. Nes­ta eta­pa, não há pos­si­bi­li­da­de de al­te­ra­ção de mé­ri­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,