Nes­ta quarta-​feira, dia 10 de ju­lho, acon­te­ceu a 8ª Ro­da­da de Ne­go­ci­a­ções da Cam­pa­nha Sa­la­ri­al do se­tor de Co­zi­nha In­dus­tri­al na se­de do SINESP (Sin­di­ca­to dos Nu­tri­ci­o­nis­tas), em São Pau­lo.

Após vá­ri­as dis­cus­sões, as em­pre­sas apre­sen­ta­ram uma pro­pos­ta de re­a­jus­te sa­la­ri­al:
- 4,78% (qua­tro, vír­gu­la se­ten­ta e oi­to por cen­to) de re­a­jus­te pa­ra os pi­sos, ou se­ja, aju­dan­te de co­zi­nha, co­zi­nhei­ro e co­pei­ro;
- Pa­ra os tra­ba­lha­do­res que ga­nham aci­ma do pi­so até o va­lor de dois pi­sos, o re­a­jus­te se­ria de 3,6% (três vír­gu­la seis por cen­to);
- Pa­ra quem re­ce­be aci­ma de dois pi­sos até qua­tro pi­sos, o re­a­jus­te se­ria de 3,1% (três vír­gu­la um) por cen­to;
- E pa­ra quem ga­nha aci­ma de qua­tro pi­sos, o re­a­jus­te se­ria de R$ 154,62 (Cen­to e Cin­quen­ta e Qua­tro Re­ais e Ses­sen­ta e Dois Cen­ta­vos).
- O va­le com­pras ou a ces­ta de ali­men­tos pas­sa­ria pa­ra R$ 147,74.

O gru­po de sin­di­ca­tos que re­pre­sen­ta os tra­ba­lha­do­res não acei­tou a pro­pos­ta ab­sur­da apre­sen­ta­da pe­lo pa­tro­nal. Não foi agen­da­da no­va reu­nião.

Os sin­di­ca­tos que par­ti­ci­pam das ne­go­ci­a­ções irão le­var es­sa pro­pos­ta pa­ra apre­ci­a­ção dos tra­ba­lha­do­res na ba­se e ver o que eles acham des­sa pou­ca ver­go­nha. Es­ta­mos ne­go­ci­an­do com o sin­di­ca­to das em­pre­sas (SINDERC) des­de o dia 25 de mar­ço, com mui­tas idas e vin­das a São Pau­lo, e, de­pois de qua­se dois me­ses de atra­so no re­a­jus­te sa­la­ri­al, te­mos es­se re­sul­ta­do de­sas­tro­so e di­fí­cil de acei­tar.

A pro­pos­ta apre­sen­ta­da pe­lo pa­tro­nal é ape­nas a re­po­si­ção da in­fla­ção acu­mu­la­da no ano e nós te­mos um his­tó­ri­co de ga­nho re­al aci­ma da in­fla­ção.

Os tra­ba­lha­do­res pre­ci­sam de re­a­jus­te e não de es­mo­la. Che­ga de per­das! Va­mos a lu­ta!