A Câ­ma­ra apro­vou por 379 vo­tos a 131, nes­ta quarta-​feira (10), o texto-​base da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, após dois di­as de de­ba­tes no ple­ná­rio. É a prin­ci­pal vi­tó­ria do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro no Con­gres­so Na­ci­o­nal. O go­ver­no apos­ta nas mu­dan­ças nas re­gras de apo­sen­ta­do­ria pa­ra me­lho­rar o ce­ná­rio econô­mi­co, cu­ja con­sequên­cia é o al­to ín­di­ce de de­sem­pre­go: 13,4 mi­lhões de bra­si­lei­ros fo­ra do mer­ca­do for­mal de tra­ba­lho.

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Votação dividiu os senadores no plenário

Por se tra­tar de uma Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC 06/​2019), eram ne­ces­sá­ri­os os vo­tos de 308 dos 513 de­pu­ta­dos fe­de­rais. Na sequên­cia, o ple­ná­rio ana­li­sa des­ta­ques que su­ge­rem al­te­ra­ções no tex­to apro­va­do. Após a con­clu­são, a re­for­ma se­rá sub­me­ti­da a uma se­gun­da vo­ta­ção na Câ­ma­ra, an­tes de se­guir pa­ra o Se­na­do Fe­de­ral, on­de pre­ci­sa­rá de 49 vo­tos em dois tur­nos.

O tex­to apro­va­do cria uma ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria: 62 anos pa­ra mu­lhe­res e 65 pa­ra ho­mens. O tem­po mí­ni­mo de con­tri­bui­ção se­rá de 20 anos pa­ra ho­mens e de 15 anos pa­ra mu­lhe­res. Pa­ra os ser­vi­do­res, o tem­po de con­tri­bui­ção se­rá de 25 anos.

A apo­sen­ta­do­ria se­rá cal­cu­la­da com ba­se na mé­dia do his­tó­ri­co de con­tri­bui­ções do tra­ba­lha­dor, sem des­car­tar as 20% mais bai­xas, co­mo acon­te­ce atu­al­men­te. Pas­sa­dos 20 anos de con­tri­bui­ção, pa­ra o re­gi­me ge­ral, o tra­ba­lha­dor pri­va­do te­rá di­rei­to a 60% do va­lor do be­ne­fí­cio in­te­gral. Ha­ve­rá acrés­ci­mo de 2 pon­tos per­cen­tu­ais pa­ra ca­da ano a mais de con­tri­bui­ção. As­sim, o em­pre­ga­do te­rá 100% do be­ne­fí­cio com 40 anos de con­tri­bui­ção. Quem se apo­sen­tar pe­las re­gras de tran­si­ção, te­rá o te­to de 100%.

Quem se apo­sen­tar já pe­la re­gra per­ma­nen­te não te­rá o te­to, po­den­do re­ce­ber mais de 100% do be­ne­fí­cio in­te­gral, se con­tri­buir por mais de 40 anos. O va­lor, no en­tan­to, não po­de­rá ser su­pe­ri­or ao te­to (ho­je em R$ 5.839,45), nem in­fe­ri­or a um sa­lá­rio mí­ni­mo. Pro­fes­so­res, po­li­ci­ais fe­de­rais, agen­tes pe­ni­ten­ciá­ri­os e edu­ca­ti­vos te­rão re­gras di­fe­ren­ci­a­das.

A vo­ta­ção na Câ­ma­ra foi mar­ca­da por po­lê­mi­cas en­tre a opo­si­ção e go­ver­no e ma­ni­fes­ta­ções con­trá­ri­as ao tex­to apro­va­do.

Na bus­ca por vo­tos, o go­ver­no afa­gou o cha­ma­do cen­trão, gru­po in­for­mal ca­pi­ta­ne­a­do por PP, PRB, PSD, So­li­da­ri­e­da­de e PL, mo­ti­vo pe­lo qual cor­reu pa­ra li­be­rar R$ 2,5 bi­lhões em emen­das par­la­men­ta­res nos úl­ti­mos cin­co di­as. So­men­te no Diá­rio Ofi­ci­al da União de segunda-​feira (8), foi li­be­ra­do mais de R$ 1 bi­lhão, o que le­vou o PT a anun­ci­ar uma re­pre­sen­ta­ção por im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va con­tra o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. Além dis­so, exo­ne­rou to­dos os de­pu­ta­dos li­cen­ci­a­dos pa­ra exer­cer o car­go de mi­nis­tros. Após vo­tar sim na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, eles re­as­su­mi­rão os seus car­gos.

Ape­sar de ter quó­rum e apoio dos de­pu­ta­dos pa­ra vo­tar os des­ta­ques apre­sen­ta­dos ao tex­to ain­da nes­ta quarta-​feira (10), Ro­dri­go Maia pre­fe­riu en­cer­rar a ses­são lo­go após a vo­ta­ção do pri­mei­ro des­ta­que, que man­te­ve os pro­fes­so­res na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. As ou­tras pro­pos­tas de mu­dan­ça ao tex­to se­rão vo­ta­das, en­tão, nes­ta quinta-​feira (11).

Veja como ficaram os pontos principais da reforma:

Estados ficam de fora da reforma

Um dos pon­tos mais po­lê­mi­cos, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os fo­ram ex­cluí­dos do re­la­tó­rio do de­pu­ta­do Sa­mu­el Mo­rei­ra (PSDB-​SP). Os go­ver­na­do­res ten­ta­rão in­cluir as re­gras da re­for­ma du­ran­te a dis­cus­são no Se­na­do Fe­de­ral.

Regras brandas para policiais

Nes­te mo­men­to, a Câ­ma­ra vo­ta­rá os des­ta­ques. O mais im­por­tan­te de­les é uma con­quis­ta da ban­ca­da da ba­la, que con­se­guiu cons­truir um acor­do com lí­de­res par­ti­dá­ri­os e go­ver­no pa­ra que po­li­ci­ais fe­de­rais, po­li­ci­ais ro­do­viá­ri­os fe­de­rais e po­li­ci­ais le­gis­la­ti­vos te­nham re­gras mais bran­das na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Pa­ra quem já es­tá na car­rei­ra, a ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria de­ve ser de 53 anos, ho­mem, e 52 anos, mu­lher, além da pre­vi­são de um pe­dá­gio de 100%. Des­sa for­ma, se fal­tam dois anos pa­ra a apo­sen­ta­do­ria, o po­li­ci­al te­ria que tra­ba­lhar mais qua­tro anos. Ho­je, o po­li­ci­al pre­ci­sa con­tri­buir 30 anos, ho­mem, e 25 anos, mu­lher, mas sem a exi­gên­cia de ida­de mí­ni­ma.

Aposentadoria dos professores

No ca­so dos pro­fes­so­res, as mu­lhe­res se apo­sen­ta­rão com 57 anos de ida­de e 25 anos de con­tri­bui­ção, en­quan­to os ho­mens com 60 de ida­de e 25 anos de con­tri­bui­ção. Na re­de pú­bli­ca, as re­gras são idên­ti­cas, acres­ci­das da exi­gên­cia de ao me­nos 10 anos de ser­vi­ço pú­bli­co e 5 no car­go.

Pensão por morte

O va­lor da pen­são por mor­te fi­ca­rá me­nor pa­ra tra­ba­lha­do­res do se­tor pri­va­do e pú­bli­co: o be­ne­fí­cio fa­mi­li­ar se­rá de 50% do va­lor mais 10% por de­pen­den­te, até o li­mi­te de 100% pa­ra cin­co ou mais de­pen­den­tes. O tex­to ga­ran­te pen­são de pe­lo me­nos 1 sa­lá­rio mí­ni­mo nos ca­sos em que o be­ne­fi­ciá­rio não te­nha ou­tra fon­te de ren­da. Aque­le que já re­ce­be pen­são por mor­te não te­rá o be­ne­fí­cio al­te­ra­do. De­pen­den­tes de ser­vi­do­res que en­tra­rem an­tes da cri­a­ção da pre­vi­dên­cia com­ple­men­tar te­rão o va­lor cal­cu­la­do obe­de­cen­do o li­mi­te do te­to do INSS.

Abono salarial

Pa­ga­men­to de abo­no sa­la­ri­al do PIS/​Pasep. Ho­je, o be­ne­fí­cio é pa­go pa­ra tra­ba­lha­do­res que ga­nham até dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos (R$ 1.996 em 2019) por mês. Com a re­for­ma, o va­lor se­rá pa­go a quem re­ce­be, no má­xi­mo, R$ 1.364,43.

Aposentadoria por incapacidade

O be­ne­fí­cio pas­sa a ser de 60% mais 2% por ano de con­tri­bui­ção que ex­ce­der 20 anos. Em ca­so de in­va­li­dez de­cor­ren­te de aci­den­te de tra­ba­lho, do­en­ças pro­fis­si­o­nais ou do tra­ba­lho, o cál­cu­lo não mu­da. Ho­je, o va­lor é de 100% da mé­dia dos sa­lá­ri­os.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,