Mes­mo com o ple­ná­rio cheio e dis­pos­to a con­ti­nu­ar vo­tan­do a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia na noi­te des­ta quarta-​feira (10), o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), pre­fe­riu en­cer­rar a ses­são e dei­xar a apre­ci­a­ção dos des­ta­ques apre­sen­ta­dos ao tex­to pa­ra es­ta quinta-​feira (11). Na saí­da do ple­ná­rio, ele ex­pli­cou que pre­ci­sa­va ori­en­tar os lí­de­res so­bre os des­ta­ques e ad­mi­tiu que, por con­ta dis­so, a vo­ta­ção do se­gun­do tur­no po­de se es­ten­der até a ma­nhã de sá­ba­do (13).

Luis Macedo/​Agência Câ­ma­ra


O projeto ainda poderá ser modificado porque os deputados votarão os destaques

Ao ser ques­ti­o­na­do so­bre o cro­no­gra­ma de vo­ta­ção da Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 6/​2019, Maia re­for­çou que é pos­sí­vel apro­var os dois tur­nos da pro­pos­ta ain­da nes­ta se­ma­na. “A gen­te re­to­ma ama­nhã de ma­nhã. O ple­ná­rio es­tá com mai­o­ria en­tão a gen­te to­ca” afir­mou o pre­si­den­te da Câ­ma­ra. Quan­do foi ques­ti­o­na­do so­bre quan­to a vo­ta­ção che­ga­ria ao fim, ele acres­cen­tou: “ter­mi­na sex­ta à noi­te ou sá­ba­do de ma­nhã”.

An­tes da re­to­ma­da das vo­ta­ções, con­tu­do, Maia vai re­a­li­zar uma no­va reu­nião de lí­de­res. A ideia é ga­ran­tir que os des­ta­ques se­jam apre­ci­a­dos de for­ma fa­vo­rá­vel à re­for­ma e, de pre­fe­rên­cia, com am­pla mar­gem, co­mo acon­te­ceu com o texto-​base.

“No pri­mei­ro, en­ten­di que os de­pu­ta­dos es­ta­vam con­fu­sos em re­la­ção ao mé­ri­to dos des­ta­ques. Se con­cen­trou mui­to no mé­ri­to do tex­to prin­ci­pal da PEC e não se or­ga­ni­zou os vo­tos dos par­la­men­ta­res. O for­ma­to de o go­ver­no não ter uma ar­ti­cu­la­ção mai­or aca­ba de­sor­ga­ni­zan­do as in­for­ma­ções”, al­fi­ne­tou Maia. Di­an­te dis­so, ele en­cer­rou a ses­são da noi­te des­ta quar­ta após a apro­va­ção de um úni­co des­ta­que, o que man­tém os pro­fes­so­res na re­for­ma. “Ti­nha de­pu­ta­do vo­tan­do de um jei­to que vai im­pac­tar de ou­tro jei­to. As pes­so­as es­ta­vam mal in­for­ma­das e ha­via ou­tras ma­té­ri­as que o im­pac­to era mui­to gran­de”, jus­ti­fi­cou.

A opo­si­ção, por sua vez, con­tes­tou es­sa de­cla­ra­ção e afir­mou que Maia en­cer­rou a ses­são por­que sen­tiu que a opo­si­ção po­de­ria le­var a me­lhor na vo­ta­ção dos des­ta­ques. “Fal­ta­vam 58 de­pu­ta­dos pa­ra vo­tar. Pre­ci­sá­va­mos de 43 vo­tos pa­ra apro­var a mu­dan­ça no tex­to que da­ria apo­sen­ta­do­ria mais jus­ta aos pro­fes­so­res. O pre­si­den­te Ro­dri­go Maia en­cer­rou a ses­são an­tes que to­dos os de­pu­ta­dos vo­tas­sem pa­ra evi­tar que ven­cês­se­mos. Ina­cei­tá­vel”, re­cla­mou o lí­der da opo­si­ção na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ales­san­dro Mo­lon (PSB-​RJ).

Uma ses­são de­li­be­ra­ti­va es­tá con­vo­ca­da pa­ra as 9h des­ta quinta-​feira (11) pa­ra a apre­ci­a­ção dos des­ta­ques que po­dem al­te­rar o texto-​base da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Ou­tras ses­sões es­tão pre­vis­tas pa­ra as 14h e as 19h.

Discurso

An­tes de anun­ci­ar o re­sul­ta­do da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, Ro­dri­go Maia foi à tri­bu­na da Câ­ma­ra, a pe­di­do dos par­la­men­ta­res, pa­ra co­men­tar o pro­ces­so de ne­go­ci­a­ção da PEC. Ova­ci­o­na­do, ele dis­se que, mes­mo di­an­te dos dis­cur­sos da opo­si­ção, es­ta­va con­vic­to de que “a po­si­ção de re­for­mar o es­ta­do bra­si­lei­ro é a po­si­ção cor­re­ta” já que as “re­for­mas vêm no sen­ti­do de re­du­zir a de­si­gual­da­de”. “Quan­do cons­truí­mos um tex­to, não cons­truí­mos um so­nho de ca­da um de nós. O meu tex­to não te­ria re­gra de tran­si­ção pa­ra ser­vi­do­res pú­bli­cos e po­li­ci­ais fe­de­rais, mas tem mui­tos re­pre­sen­tan­tes dos ser­vi­do­res aqui e al­gu­mas re­gras fo­ram cons­truí­das”, afir­mou.

Mes­mo as­sim, ele agra­de­ceu o apoio e pa­ra­be­ni­zou to­dos os de­pu­ta­dos que aju­da­ram a apro­var a re­for­ma, so­bre­tu­do os do Cen­trão. “Mui­tas ve­zes, os nos­sos lí­de­res são des­res­pei­ta­dos e cri­ti­ca­dos, mas são es­ses lí­de­res que es­tão fa­zen­do a mu­dan­ça do Bra­sil. O Cen­trão es­tá fa­zen­do a re­for­ma”, afir­mou o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, di­zen­do que o Con­gres­so Na­ci­o­nal e o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral têm si­do ata­ca­dos de for­ma exa­ge­ra­da pe­los bra­si­lei­ros.

Por fim, ele pe­diu mais par­ce­ria do go­ver­no. “Va­mos ter que cons­truir da­qui pa­ra fren­te uma re­la­ção di­fe­ren­te, on­de o diá­lo­go e o res­pei­to pre­va­le­çam so­bre qual­quer ti­po de ata­que”, afir­mou Maia, ad­mi­tin­do que, com pro­je­tos co­mo o da Pre­vi­dên­cia, quer re­to­mar o pro­ta­go­nis­mo da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos no sis­te­ma de­mo­crá­ti­co bra­si­lei­ro.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,