A au­ten­ti­ci­da­de das men­sa­gens di­vul­ga­das pe­lo si­te The In­ter­cept Bra­sil e a li­ber­da­de de im­pren­sa fo­ram os te­mas mais de­ba­ti­dos du­ran­te au­di­ên­cia pú­bli­ca com o jor­na­lis­ta Glenn Gre­enwald nes­ta quinta-​feira (11) na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça do Se­na­do (CCJ). O jor­na­lis­ta dis­se que não en­tre­ga­rá às au­to­ri­da­des as men­sa­gens tro­ca­das por pro­cu­ra­do­res e pe­lo ex-​juiz e atu­al mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ser­gio Mo­ro, por­que não é uma prá­ti­ca exis­ten­te em de­mo­cra­ci­as.

Wal­de­mir Barreto/​Agência Se­na­do


O jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, e o senador Randolfe Rodrigues, que propôs a audiência

O pe­di­do pa­ra que o jor­na­lis­ta en­tre­gas­se o ma­te­ri­al pa­ra a Po­lí­cia Fe­de­ral bra­si­lei­ra ou pa­ra ins­ti­tui­ções ame­ri­ca­nas par­tiu do se­na­dor Mar­cos do Val (Cidadania-​ES), que dis­se não acre­di­tar na pe­rí­cia fei­ta pe­lo The In­ter­cept.

Gre­enwald afir­mou que es­sa “per­mis­são pa­ra pu­bli­car” não exis­te em de­mo­cra­ci­as, ape­nas em paí­ses au­to­ri­tá­ri­os, e que ne­nhum pro­fis­si­o­nal da im­pren­sa no mun­do en­tre­ga­ria seu ma­te­ri­al pa­ra o FBI ou pa­ra CIA an­tes de pu­bli­car. O edi­tor des­ta­cou que a au­ten­ti­ci­da­de foi ve­ri­fi­ca­da por pe­ri­tos do pró­prio The In­ter­cept e por ou­tros veí­cu­los de im­pren­sa, co­mo o jor­nal Fo­lha de S.Paulo e a re­vis­ta Ve­ja.

“Jor­na­lis­tas na de­mo­cra­cia não en­tre­gam ma­te­ri­al jor­na­lís­ti­co pa­ra a po­lí­cia, pa­ra o go­ver­no ou pa­ra os tri­bu­nais, pa­ra ter per­mis­são pa­ra pu­bli­car. An­tes pu­bli­ca­mos. Te­mos pe­ri­tos na nos­sa equi­pe. Te­nho re­pu­ta­ção. Não pu­bli­ca­ria ma­te­ri­al sem ve­ri­fi­car”, ar­gu­men­tou.

Amnésia

Ao lon­go do de­ba­te, Gre­enwald ga­ran­tiu que as con­ver­sas en­tre o ex-​juiz e atu­al mi­nis­tro da Jus­ti­ça e pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to são re­ais e evi­den­ci­am a in­ter­fe­rên­cia de Ser­gio Mo­ro na ope­ra­ção e no de­ba­te pú­bli­co. Ele tam­bém ar­gu­men­tou que o mi­nis­tro nun­ca ne­gou as no­tí­ci­as que fo­ram di­vul­ga­das e cri­ti­cou Mo­ro por cri­ar um cli­ma de ame­a­ça à im­pren­sa, com pos­sí­veis in­ves­ti­ga­ções so­bre os jor­na­lis­tas en­vol­vi­dos nos va­za­men­tos.

O jor­na­lis­ta dis­se ain­da que o mi­nis­tro, o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol e ou­tros pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to não ne­ga­ram o con­teú­do dos diá­lo­gos.

“Ser­gio Mo­ro nun­ca ale­gou que al­gu­ma coi­sa es­pe­cí­fi­ca que re­por­ta­mos era fal­so. Se es­se ma­te­ri­al não fos­se au­tên­ti­co, por­que Mo­ro e Del­tan não ne­ga­ram is­so? Se al­guém pu­bli­ca al­go so­bre mim adul­te­ra­do, fal­si­fi­ca­do, a pri­mei­ra coi­sa que eu fa­ria se­ria mos­trar meu te­le­fo­ne, meu e-​mail.”

Pa­ra Gre­enwald, Mo­ro “fin­ge que tem am­né­sia”, pois nin­guém es­que­ce­ria con­ver­sas im­por­tan­tes co­mo “não in­ves­ti­gar Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so pa­ra não me­lin­drar” ou “man­dar tro­car a sequên­cia de ope­ra­ções”. De acor­do com o jor­na­lis­ta, Mo­ro só re­cor­da quan­do lhe é con­ve­ni­en­te:

“Ser­gio Mo­ro es­tá fin­gin­do que tem am­né­sia. […]. Eu acho que nin­guém acre­di­ta em Mo­ro quan­do ele diz que não lem­bra na­da, nem uma pa­la­vra. Ele pe­diu des­cul­pas quan­do cha­mou os mem­bros do MBL [Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre] de ton­tos, aí ele lem­brou. Quan­do tem be­ne­fí­cio pa­ra ele, ele lem­bra e se des­cul­pa”, dis­se.

Ameaças

O edi­tor do The In­ter­cept Bra­sil afir­mou que o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca cria um cli­ma de ame­a­ça à im­pren­sa pa­ra evi­tar no­vas re­por­ta­gens. O co­men­tá­rio se re­fe­re a no­tí­ci­as de um su­pos­to pe­di­do de Mo­ro pa­ra que a Po­lí­cia Fe­de­ral e o Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af) in­ves­ti­guem a vi­da e as con­tas de Gre­enwald e de ou­tros jor­na­lis­tas do si­te.

“Ele [Mo­ro] nun­ca ne­gou, quan­do a no­tí­cia saiu e até ho­je, es­sa in­ves­ti­ga­ção”, dis­se.

A Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de aci­o­nou o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pe­din­do pa­ra que a Cor­te sus­pen­da qual­quer pro­ce­di­men­to de in­ves­ti­ga­ção do jor­na­lis­ta ou inqué­ri­to con­tra ele, in­for­mou o se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP), que propôs a au­di­ên­cia na CCJ. Na ADPF (ar­gui­ção de des­cum­pri­men­to de prin­cí­pio fun­da­men­tal), o par­ti­do ar­gu­men­ta que qual­quer in­ves­ti­ga­ção in­jus­ti­fi­ca­da so­bre o jor­na­lis­ta es­ta­ria fe­rin­do o prin­cí­pio da li­ber­da­de de im­pren­sa, con­sa­gra­do pe­la Cons­ti­tui­ção.

Pa­ra Ran­dol­fe, Mo­ro ti­rou a to­ga de juiz e co­lo­cou a far­da par­ti­dá­ria:

“Se tem al­guém ho­je que com­pro­me­te a in­te­gri­da­de da Ope­ra­ção La­va Ja­to, tem si­do o se­nhor Ser­gio Mo­ro com a sua par­ci­a­li­da­de “, dis­se o se­na­dor.

Pa­ra Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL), as re­por­ta­gens do In­ter­cept e de ou­tros veí­cu­los evi­den­ci­am uma ten­ta­ti­va “in­qui­si­to­ri­al de es­ta­be­le­cer uma Jus­ti­ça pa­ra­le­la” e que a atu­a­ção com­bi­na­da en­tre acu­sa­ção e o jul­ga­dor é de uma “pro­mis­cui­da­de re­pug­nan­te”.

“Em vez de nós in­ves­ti­gar­mos o mi­nis­tro da Jus­ti­ça Ser­gio Mo­ro ou in­ves­ti­gar­mos os pro­cu­ra­do­res que são ci­ta­dos, nós es­ta­mos (e o Se­na­do não po­de con­cor­dar com is­so) que­ren­do in­ves­ti­gar o jor­na­lis­ta e pos­si­bi­li­tar es­se hor­ror: a in­ver­são com­ple­ta do pon­to de vis­ta da de­mo­cra­cia e da pró­pria li­ber­da­de de ex­pres­são”, dis­se Re­nan.

Pa­ra o se­na­dor Hum­ber­to Cos­ta (PT-​PE), Mo­ro não tem co­mo ne­gar a ve­ra­ci­da­de das men­sa­gens.

“Eles es­tão atu­an­do nas som­bras pa­ra ten­tar que­brar a cre­di­bi­li­da­de do que es­tá sen­do di­vul­ga­do, mas em mo­men­to ne­nhum vão de­sa­fi­ar es­sa au­ten­ti­ci­da­de”, ava­li­ou.

Novas publicações

Glenn Gre­enwald tam­bém dis­se que não pa­gou à fon­te e que ape­nas re­ce­beu to­do o ma­te­ri­al que es­tá sen­do ana­li­sa­do. Ele afir­mou que o vo­lu­me de ma­te­ri­al ob­ti­do no ca­so da “Va­za Ja­to” (co­mo foi ba­ti­za­da a sé­rie de re­por­ta­gens) su­pe­ra o do es­cân­da­lo en­vol­ven­do o ex-​agente da CIA e da NSA Edward Snow­den, que lhe ren­de­ram o Prê­mio Pu­lit­zer de jor­na­lis­mo. Ques­ti­o­na­do por se­na­do­res so­bre diá­lo­gos que não vi­e­ram à to­na ain­da, ele dis­se que não di­vul­ga­rá en­quan­to o tra­ba­lho de apu­ra­ção não for con­cluí­do.

“Es­ta­mos usan­do es­se pro­ces­so jor­na­lís­ti­co pa­ra pu­bli­car es­se ma­te­ri­al com mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de. Nun­ca va­mos dis­cu­tir ma­te­ri­al até es­tar pron­to pa­ra pu­bli­car. O que pos­so di­zer é que tem mui­to mais ma­te­ri­al de in­te­res­se pú­bli­co”, adi­an­tou o jor­na­lis­ta.

CPI

O se­na­dor Fa­bi­a­no Con­ta­ra­to (Rede-​ES) pe­diu que os se­na­do­res te­nham co­ra­gem pa­ra as­si­nar seu pe­di­do de ins­tau­ra­ção de uma co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to (CPI) pa­ra in­ves­ti­gar o con­teú­do das con­ver­sas da “Va­za Ja­to”.

“Quan­do eu ve­jo que te­mos 81 se­na­do­res e te­nho 13 as­si­na­tu­ras, com res­pei­to, eu fi­co um pou­co en­ver­go­nha­do. Uma CPI é pa­ra apu­rar. Uma CPI não é ca­ça às bru­xas, é pa­ra es­cla­re­cer os fa­tos. Quem não de­ve, não te­me”, afir­mou.

Paulo Henrique Amorim

No iní­cio da reu­nião, a CCJ ho­me­na­ge­ou o jor­na­lis­ta Pau­lo Hen­ri­que Amo­rim com um mi­nu­to de si­lên­cio. Ele mor­reu na quarta-​feira (10), aos 77 anos, ví­ti­ma de um in­far­to. A ho­me­na­gem foi fei­ta após su­ges­tão do se­na­dor Hum­ber­to Cos­ta (PT-​PE).

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,