Se fos­se um es­tu­dan­te, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Wein­traub, se­ria re­pro­va­do pe­los prin­ci­pais lí­de­res do Con­gres­so. Wein­traub re­ce­beu a no­ta mais bai­xa en­tre os 13 mi­nis­tros ava­li­a­dos por par­la­men­ta­res na no­va ro­da­da do Pai­nel do Po­der, pes­qui­sa tri­mes­tral re­a­li­za­da pe­lo Con­gres­so em Fo­co com o ob­je­ti­vo de co­lher as per­cep­ções de quem man­da no Con­gres­so Na­ci­o­nal so­bre di­ver­sos te­mas da con­jun­tu­ra.

Agên­cia Bra­sil


Em uma escala de 1 a 5, ministro da Educação recebeu apenas 1,6. Já a titular da Agricultura ficou com 3,6

Pe­la se­gun­da vez, a li­de­ran­ça do ran­king fi­cou com a mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra, Te­re­za Cris­ti­na (DEM). Con­vi­da­dos a atri­buir uma no­ta de 1 a 5 pa­ra os prin­ci­pais mem­bros do mi­nis­té­rio, os lí­de­res de­ram a ela uma no­ta mé­dia de 3,6 – um au­men­to de 0,3 em re­la­ção à úl­ti­ma pes­qui­sa, fei­ta em mar­ço. O pres­tí­gio de Te­re­za Cris­ti­na, que te­ve ati­va par­ti­ci­pa­ção no re­cen­te acor­do en­tre o Mer­co­sul e a União Eu­ro­peia, po­de ser cre­di­ta­do em par­te ao pe­so no Con­gres­so da ban­ca­da ru­ra­lis­ta, da qual ela é uma das prin­ci­pais li­de­ran­ças. Mas mes­mo par­la­men­ta­res da opo­si­ção, que cri­ti­cam o de­sem­pe­nho da mi­nis­tra em áre­as co­mo a li­be­ra­ção de agro­tó­xi­cos, cos­tu­mam re­co­nhe­cer que ela é uma das pes­so­as mais aces­sí­veis do go­ver­no Bol­so­na­ro.

Os mi­nis­tros da Saú­de, Man­det­ta (DEM), e de In­fra­es­tru­tu­ra, Tar­ci­sio Go­mes, apa­re­cem em­pa­ta­dos com 3,2. Es­sa foi a pri­mei­ra vez que Tar­ci­sio e Wein­traub ti­ve­ram seus no­mes sub­me­ti­dos à ava­li­a­ção dos par­la­men­ta­res. Man­det­ta te­ve me­lho­ra de 0,2 em sua no­ta. O ti­tu­lar da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, com 3,1 (+0,2), foi o quar­to mais bem ava­li­a­do.

No­me mais co­nhe­ci­do do mi­nis­té­rio, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Ser­gio Mo­ro, tem o quin­to me­lhor de­sem­pe­nho, na opi­nião dos prin­ci­pais lí­de­res do Con­gres­so. Mo­ro re­ce­beu no­ta 2,9 – que­da de 0,1 na com­pa­ra­ção com a pes­qui­sa de mar­ço. O da­do su­ge­re que as re­por­ta­gens que su­ge­rem que o ex-​juiz deu ori­en­ta­ções a in­ves­ti­ga­do­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to ti­ve­ram pou­co efei­to na ava­li­a­ção de sua atu­a­ção no go­ver­no. O mi­nis­tro tem apoio os­ten­si­vo apoio da ban­ca­da da ba­la no Par­la­men­to.

Em sua es­treia no Pai­nel, Abraham Wein­traub re­ce­beu no­ta 1,6, na es­ca­la de 1 a 5. Des­de que che­gou ao car­go, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção acu­mu­lou de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas e se­gu­rou re­cur­sos or­ça­men­tá­ri­os pa­ra as uni­ver­si­da­des, de­sen­ca­de­an­do uma cri­se com pro­fes­so­res e es­tu­dan­tes. Na pes­qui­sa an­te­ri­or, fei­ta em mar­ço, a pi­or ava­li­a­ção ha­via si­do Ri­car­do Vé­lez, jus­ta­men­te o an­te­ces­sor de Wein­traub.

Da­ma­res Al­ves (Mu­lher, Fa­mí­lia e Di­rei­tos Hu­ma­nos) re­gis­trou o se­gun­do pi­or de­sem­pe­nho: os­ci­lou pa­ra bai­xo, de 2,2 pa­ra 1,9. A ter­cei­ra pi­or no­ta foi da­da ao mi­nis­tro do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, que fi­cou com 2,1 (-0,2 na com­pa­ra­ção com a pes­qui­sa an­te­ri­or).

Os da­dos mos­tram ain­da que a ava­li­a­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro fi­cou em 2,4 (-0,1), en­quan­to a do vice-​presidente, Ha­mil­ton Mou­rão, per­ma­ne­ceu a mes­ma (2,9).

A no­va ro­da­da do Pai­nel do Po­der, re­a­li­za­da en­tre 13 e 19 de ju­nho, tam­bém re­ve­lou que a mai­or par­te das li­de­ran­ças acre­di­ta na apro­va­ção da re­for­ma tri­bu­tá­ria ain­da em 2019.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,