O lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-​PE), es­pe­ra que a Ca­sa apro­ve a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia com uma mar­gem si­mi­lar à da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, que re­gis­trou 74% de apro­va­ção ao texto-​base da ma­té­ria. Is­so por­que ele acre­di­ta que cer­ca de 60 dos 81 se­na­do­res de­vem apoi­ar o go­ver­no nes­ta vo­ta­ção - mai­o­ria que, se­gun­do o se­na­dor, tam­bém de­ve apro­var a in­di­ca­ção de Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP) à em­bai­xa­da nos Es­ta­dos Uni­dos.

Edil­son Rodrigues/​Agência Se­na­do


"Aqui tem voto", garantiu Fernando Bezerra Coelho, que também acredita que os senadores aprovem indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada

“Nos­sa ex­pec­ta­ti­va é que a gen­te pos­sa con­cluir a vo­ta­ção no Se­na­do Fe­de­ral até apro­xi­ma­da­men­te o dia 20 de se­tem­bro. Eu acre­di­to que o go­ver­no de­ve­rá ter aqui en­tre 54 e 60 vo­tos. […] Aqui tem vo­to”, ga­ran­tiu Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho, ar­gu­men­tan­do que a re­for­ma vai além da ba­se do go­ver­no. “Tem o apoio de mui­tos ou­tros par­ti­dos, que in­clu­si­ve fa­zem opo­si­ção ao go­ver­no”, afir­mou o se­na­dor.

Em en­tre­vis­ta con­ce­di­da nes­ta terça-​feira (16), ele dis­se ain­da que o go­ver­no tra­ba­lha com um pra­zo de 45 di­as a par­tir da che­ga­da da re­for­ma ao Se­na­do, após o se­gun­do tur­no da Câ­ma­ra, mar­ca­do pa­ra co­me­çar em 6 de agos­to. A pre­si­den­te da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Ca­sa, Si­mo­ne Te­bet (MDB-​MS), por sua vez, dis­se nes­sa terça-​feira (15) que a tra­mi­ta­ção da ma­té­ria de­ve le­var mais tem­po e po­de che­gar até ou­tu­bro. E o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), afir­mou es­tar ali­nha­do com os pra­zos es­ti­pu­la­dos por ela.

“Aqui são 81 se­na­do­res. É mais fá­cil. A gen­te já vo­tou PEC aqui em 24 h. En­tão, se o de­ba­te se es­go­ta na CCJ em três o qua­tro se­ma­nas, te­mos a pos­si­bi­li­da­de de em 15 di­as re­sol­ver is­so no Se­na­do”, re­ba­teu Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho, lem­bran­do que, ao con­trá­rio do que acon­te­ceu na Câ­ma­ra, a re­for­ma não pre­ci­sa­rá pas­sar por uma co­mis­são es­pe­ci­al no Se­na­do.

Ou­tra ra­zão pa­ra a es­ti­ma­ti­va do lí­der do go­ver­no é que ele de­fen­de que os es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os en­trem na re­for­ma atra­vés de uma Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) pa­ra­le­la e não na PEC já apro­va­da pe­los de­pu­ta­dos, que, se for mo­di­fi­ca­da pe­los se­na­do­res, te­rá que ser re­a­va­li­a­da na Câ­ma­ra. Ele fri­sou, por sua vez, que apoia o plei­to dos go­ver­na­do­res e pre­fei­tos.

“Creio que é ade­qua­do vi­a­bi­li­zar­mos es­sa re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria, que ela pos­sa va­ler pa­ra a União, mas tam­bém pa­ra os es­ta­dos e pa­ra os mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. São mais de dois mil mu­ni­cí­pi­os com re­gi­me pró­prio de pre­vi­dên­cia. Por­tan­to, o Se­na­do co­mo Ca­sa da Fe­de­ra­ção bra­si­lei­ra, de­ve­rá, sim, in­cluir os es­ta­dos e os mu­ni­cí­pi­os na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia”, afir­mou o lí­der do go­ver­no na Ca­sa.

Embaixada

Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho tam­bém se mos­trou oti­mis­ta ao co­men­tar a in­ten­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro in­di­car o pró­prio fi­lho pa­ra a em­bai­xa­da do Bra­sil nos Es­ta­dos Uni­dos, já que, se for con­fir­ma­da a no­me­a­ção, Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP) te­rá ser sa­ba­ti­na­do pe­lo Se­na­do. “O go­ver­no tem mai­o­ria no Se­na­do. Es­sa mai­o­ria já foi tes­ta­da em du­as oca­siões, quan­do o go­ver­no ob­te­ve 54 vo­tos. Por­tan­to, ape­sar de to­da a po­lê­mi­ca e o de­ba­te em tor­no des­sa in­di­ca­ção, se for for­ma­li­za­da pe­lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o go­ver­no tem vo­tos pa­ra apro­var tan­to na co­mis­são [das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res] quan­to no Ple­ná­rio”, dis­se o se­na­dor.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,