An­tes da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ne­nhum ou­tro pro­je­to de lei ou emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal ha­via reu­ni­do tan­tos par­la­men­ta­res no ple­ná­rio da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. É que ape­nas três de­pu­ta­dos não re­gis­tra­ram vo­to no dia em que o texto-​base da re­for­ma foi apro­va­do no ple­ná­rio - nú­me­ro re­cor­de pa­ra uma vo­ta­ção le­gis­la­ti­va, se­gun­do o pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ).

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Só três dos 513 deputados não votaram o texto-base da reforma

“Des­de 1991, quan­do pas­sa­mos a ter os da­dos de to­das as vo­ta­ções, es­sa foi a vo­ta­ção le­gis­la­ti­va com o mai­or quó­rum da his­tó­ria”, afir­mou nes­ta terça-​feira (17), Ro­dri­go Maia. Ele ex­pli­cou que pes­qui­sas no ban­co de da­dos da Câ­ma­ra re­ve­la­ram que ape­nas al­gu­mas pou­cas ses­sões reu­ni­ram um nú­me­ro de de­pu­ta­dos su­pe­ri­or ao que foi vis­to na vo­ta­ção da re­for­ma. E ne­las não fo­ram apre­ci­a­dos emen­das cons­ti­tu­ci­o­nais ou pro­je­tos de lei. “O quó­rum só per­de pa­ra o im­pe­a­ch­ment, pa­ra a pos­se dos de­pu­ta­dos e pa­ra a elei­ção do pre­si­den­te da Câ­ma­ra. De vo­ta­ção le­gis­la­ti­va, foi o mai­or”, ga­ran­tiu Maia, acres­cen­tan­do: “foi um bom re­sul­ta­do”.

Dos 500 de­pu­ta­dos pre­sen­tes no ple­ná­rio da Câ­ma­ra na noi­te da úl­ti­ma quarta-​feira (10), 379 vo­ta­ram a fa­vor e 131 con­tra a Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) que mu­da as re­gras do sis­te­ma de apo­sen­ta­do­ria bra­si­lei­ro. E Maia quer re­pe­tir es­ta mar­gem, de 74% de apro­va­ção, no se­gun­do tur­no da vo­ta­ção, mar­ca­do pa­ra 6 de agos­to. Por is­so, vol­tou a se reu­nir com lí­de­res par­ti­dá­ri­os nes­ta terça-​feira (16). “Fi­ze­mos uma ra­di­o­gra­fia do re­sul­ta­do dos des­ta­ques pa­ra que pos­sa­mos che­gar ao dia 6 sem ne­nhum ti­po de ris­co”, co­men­tou Maia.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, con­tu­do, fez um ape­lo pa­ra que os par­ti­dos da opo­si­ção e os go­ver­na­do­res apoi­em a PEC pa­ra­le­la que de­ve ser cons­truí­da pe­lo Se­na­do pa­ra ga­ran­tir a in­clu­são de es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os na re­for­ma. “Sou a fa­vor da in­clu­são, mas há um em­ba­te po­lí­ti­co nes­sa ques­tão. Tem mui­to go­ver­na­dor que de­fen­de, mas que o de­pu­ta­do vo­ta con­tra. Is­so ge­rou um con­fli­to na Câ­ma­ra e por is­so a Câ­ma­ra ti­rou [es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os da re­for­ma]. En­tão, é im­por­tan­te que to­dos co­la­bo­rem”, co­men­tou Maia, lem­bran­do que os de­pu­ta­dos te­rão que apre­ci­ar no­va­men­te o tex­to da re­for­ma ca­so ele se­ja al­te­ra­do pe­los se­na­do­res pa­ra con­tem­plar ques­tões co­mo es­sa.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,