As no­vas re­gras pa­ra o cál­cu­lo do fre­te mí­ni­mo de trans­por­te de car­gas que en­tra­ram em vi­gor nes­te sá­ba­do (20) não agra­dam os ca­mi­nho­nei­ros. As al­te­ra­ções, pu­bli­ca­das pu­bli­ca­das pe­la Agên­cia Na­ci­o­nal de Trans­por­tes Ter­res­tres (ANTT) na quinta-​feira (18), de­ter­mi­nam que o cál­cu­lo do fre­te mí­ni­mo pas­sa­rá a con­si­de­rar 11 ca­te­go­ri­as na me­to­do­lo­gia pa­ra os di­fe­ren­tes cál­cu­los dos pi­sos mí­ni­mos e am­plia os itens le­va­dos em con­si­de­ra­ção pa­ra o cál­cu­lo.

Tâ­nia Rego/​Agência Bra­sil

A no­va ma­nei­ra de cal­cu­lar o va­lor do pi­so a ser pa­go pa­ra os trans­por­ta­do­res de car­ga foi ba­se­a­do em es­tu­do fei­to pe­la Esalq Log, gru­po de pes­qui­sa e ex­ten­são em Lo­gís­ti­ca Agroin­dus­tri­al da Es­co­la Su­pe­ri­or de Agri­cul­tu­ra da USP, mas os ca­mi­nho­nei­ros re­cla­mam dos pa­râ­me­tros ado­ta­dos.

“Nós apon­ta­mos nas au­di­ên­ci­as pú­bli­cas que a ve­lo­ci­da­de mé­dia que eles es­ta­vam co­lo­can­do no cál­cu­lo es­ta­va mui­to al­ta, eles co­lo­ca­ram 75km por ho­ra, quan­do que um ca­mi­nhão car­re­ga­do an­da a 75km por ho­ra? A mé­dia nu­ma es­tra­da boa é de 50 Km por ho­ra, e a car­ga ho­rá­ria de 155 ou 160 ho­ras é nor­mal, e não 220 co­mo foi co­lo­ca­do”, ex­pli­ca Wal­la­ce Lan­dim, que pre­si­de a Co­o­pe­ra­ti­va dos Trans­por­ta­do­res Autô­no­mos do Bra­sil.

Os ca­mi­nho­nei­ros re­cla­mam que a no­va ta­be­la re­du­ziu o pi­so a um va­lor abai­xo do cus­to de tra­ba­lho e sem mar­gem pa­ra a re­mu­ne­ra­ção do tra­ba­lha­dor.

Se­gun­do a nor­ma, o cál­cu­lo do pi­so mí­ni­mo de fre­te le­va­rá em con­si­de­ra­ção o ti­po de car­ga; tam­bém se­rão apli­ca­dos dois co­e­fi­ci­en­tes de cus­to: um en­vol­ven­do o cus­to de des­lo­ca­men­to (CCD) e, ou­tro, de car­ga e des­car­ga (CC) que le­va­rá em con­si­de­ra­ção o nú­me­ro de ei­xos car­re­ga­dos. A re­so­lu­ção de­ter­mi­na ain­da que se­rá le­va­da em con­si­de­ra­ção a dis­tân­cia per­cor­ri­da pe­lo ca­mi­nho­nei­ro.

“O es­tu­do tem de ser re­vis­to, o mi­nis­tro [de in­fra­es­tru­tu­ra, Tar­cí­sio de Frei­tas] tem que re­ver com sua equi­pe téc­ni­ca jun­to com a ANTT, tem cha­mar a Esalq e pe­dir uma ex­pli­ca­ção, por­que do jei­to que es­tá não tem con­di­ções, não adi­an­ta a gen­te que­rer fa­lar de pa­ra­li­sa­ção, por­que o pro­je­to sis­te­ma, o es­tu­do, es­tá fa­zen­do a ca­te­go­ria pa­rar, por­que nin­guém vai ter con­di­ções de tra­ba­lhar”, co­men­ta Wal­la­ce Lan­dim.

Em no­ta, a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Trans­por­ta­do­res Autô­no­mos, ou­tra en­ti­da­de que re­pre­sen­ta os ca­mi­nho­nei­ros, tam­bém afir­mou que “já re­ce­beu re­cla­ma­ções das ba­ses afir­man­do que os va­lo­res es­tão mui­to aquém da re­a­li­da­de do mer­ca­do”. Se­gun­do Lan­dim, o mi­nis­tro Tar­cí­sio de Frei­tas tam­bém se dis­se sur­pre­so com a nor­ma ado­ta­da pe­la ANTT du­ran­te con­ver­sa na sexta-​feira.

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro co­men­tou a si­tu­a­ção nes­ta sexta-​feira. Ele dis­se que uma no­va pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros po­de pre­ju­di­car o de­sen­vol­vi­men­to do país. Se­gun­do o pre­si­den­te, o pre­ço do fre­te tem a ver com a gran­de quan­ti­da­de de ca­mi­nho­nei­ros no país.

“Ti­ve­mos um pro­ble­ma lá trás do BNDES [Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al] ofe­re­cer cré­di­to em ex­ces­so pa­ra a com­pra de ca­mi­nhões, cres­ceu a fro­ta de ca­mi­nho­nei­ros as­sus­ta­do­ra­men­te e o trans­por­ta­do per­ma­ne­ceu igual, lei da ofer­ta e da pro­cu­ra, caiu o pre­ço do fre­te, en­tão es­pe­ra­mos que os ca­mi­nho­nei­ros não fa­çam gre­ve por­que atra­pa­lha o Bra­sil co­mo um to­do”, afir­mou Bol­so­na­ro.

A ANTT in­for­mou que um no­vo ci­clo de es­tu­dos pa­ra atu­a­li­zar a ta­be­la de fre­te no pró­xi­mo mês de ja­nei­ro já es­tá em an­da­men­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,