Po­lí­ti­cos de es­quer­da di­vul­ga­ram nes­ta segunda-​feira (29) uma no­ta so­li­ci­tan­do o afas­ta­men­to de su­as fun­ções do mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça, Ser­gio Mo­ro, e do che­fe da For­ça Ta­re­fa da La­va Ja­ta no MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral), Del­tan Dal­lag­nol.

Isa­ac Amorim/​MJSP


Líderes de esquerda pedem que Moro e Dallagnol saiam de seus cargos

O tex­to é as­si­na­do pe­lo ex-​prefeito Fer­nan­do Had­dad (PT-​SP), o ex-​governador Ri­car­do Cou­ti­nho (PSB-​PB), o ex-​senador Ro­ber­to Re­quião (MDB-​PR), o go­ver­na­dor Flá­vio Di­no (PC do B-​MA), o co­or­de­na­dor do MTST (Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Sem Te­to), Gui­lher­me Bou­los (Psol), e a lí­der in­dí­ge­na So­nia Gua­ja­ja­ra (Psol).

Des­de o dia 9 de ju­nho, o si­te In­ter­cept faz uma sé­rie de re­por­ta­gens em que re­ve­la que o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Ser­gio atu­a­va em con­luio com os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to na con­du­ção da ope­ra­ção quan­do era o juiz res­pon­sá­vel por ana­li­sar os ca­sos de 1ª ins­tân­cia em Cu­ri­ti­ba.

Além dos con­teú­dos di­vul­ga­dos pe­lo In­ter­cept, os re­pre­sen­tan­tes da opo­si­ção ao go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro cri­ti­cam Mo­ro pe­la in­ter­fe­rên­cia na in­ves­ti­ga­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral. A PF apu­ra a atu­a­ção de uma qua­dri­lha que hac­kers acu­sa­dos de in­va­dir men­sa­gens de au­to­ri­da­des dos Três Po­de­res.

Na no­ta, tam­bém é ma­ni­fes­ta­da so­li­da­ri­e­da­de a ex-​deputada Ma­nu­e­la D’á­vi­la (PC do B-​RS), que foi vi­ce na cha­pa pre­si­den­ci­al en­ca­be­ça­da por Fer­nan­do Had­dad em 2018. A ex-​deputada foi al­vo de crí­ti­cas de apoi­a­do­res de Bol­so­na­ro nas re­des so­ci­ais após ter seu no­me ci­ta­do por um dos hac­kers in­ves­ti­ga­dos.

Na sexta-​feira (26), o hac­ker Wal­ter De­gat­ti Ne­to de­cla­rou em de­poi­men­to a PF que con­se­guiu o con­ta­to do jor­na­lis­ta do In­ter­cept, Glenn Gre­enwald, por in­ter­mé­dio de Ma­nu­e­la. Em no­ta, a po­lí­ti­ca do PC do B con­fir­mou que com­par­ti­lhou o con­ta­to do jor­na­lis­ta, mas que não sa­bia a iden­ti­da­de da pes­soa que pe­diu o te­le­fo­ne.

Had­dad, Di­no, Bou­los, Gua­ja­ja­ra, Cou­ti­nho e Re­quião tem atu­a­do em con­jun­to des­de o co­me­ço de 2019 e es­cre­ve­ram jun­tos uma sé­rie de ar­ti­gos pa­ra o jor­nal Fo­lha de São de Pau­lo.

Leia a íntegra da nota que pede o afastamento de Moro e Dallagnol:

Em fa­ce dos gra­ves acon­te­ci­men­tos que mar­ca­ram os úl­ti­mos di­as no Bra­sil, vi­mos a pú­bli­co pa­ra:

1. Ma­ni­fes­tar a nos­sa de­fe­sa fir­me e en­fá­ti­ca das li­ber­da­des de im­pren­sa e de ex­pres­são, das quais é con­sec­tá­rio o di­rei­to ao si­gi­lo da fon­te, con­for­me dis­põe a nos­sa Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. As­sim sen­do, são ab­sur­das as ame­a­ças con­tra o jor­na­lis­ta Glenn Gre­enwald, se­ja por pa­la­vras do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ou por atos ile­gais, a exem­plo da Por­ta­ria 666, do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. Do mes­mo mo­do, es­ta­mos so­li­dá­ri­os à jor­na­lis­ta Ma­nu­e­la D’Avila, que não pra­ti­cou ne­nhum ato ile­gal, tan­to é que co­lo­cou seu te­le­fo­ne à dis­po­si­ção pa­ra pe­rí­cia, pois na­da tem a es­con­der.

2. Re­gis­trar que apoi­a­mos to­das as in­ves­ti­ga­ções con­tra atos de in­va­são à pri­va­ci­da­de. Con­tu­do, de­se­ja­mos que to­do es­se es­tra­nho epi­só­dio se­ja elu­ci­da­do tec­ni­ca­men­te e nos ter­mos da lei, sem in­ter­fe­rên­ci­as in­de­vi­das, co­mo a pra­ti­ca­da pe­lo mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro. Es­te agen­te pú­bli­co in­sis­te em acu­mu­lar fun­ções que não lhe per­ten­cem. Em Cu­ri­ti­ba, co­man­da­va acu­sa­ções que ele pró­prio jul­ga­ria em se­gui­da. Ago­ra, no mi­nis­té­rio, em­bo­ra se­ja par­te di­re­ta­men­te in­te­res­sa­da e sus­pei­ta, de­mons­tra ter o co­man­do das in­ves­ti­ga­ções, in­clu­si­ve re­ve­lan­do atos si­gi­lo­sos em te­le­fo­ne­mas a au­to­ri­da­des da Re­pú­bli­ca.

3. Pos­tu­lar que ha­ja o ime­di­a­to afas­ta­men­to do mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro, pe­los mo­ti­vos já in­di­ca­dos. Em qual­quer ou­tro país de­mo­crá­ti­co do mun­do is­so já te­ria ocor­ri­do, pois es­tá evi­den­te que Mo­ro não se com­por­ta de acor­do com a le­ga­li­da­de, in­sis­tin­do em es­pan­to­sos abu­sos de po­der. Do mes­mo mo­do, a La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba não po­de pros­se­guir com a atu­a­ção do pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol, à vis­ta do es­can­da­lo­so acer­vo de atos ilí­ci­tos, a exem­plo do co­mér­cio de pa­les­tras se­cre­tas e do con­luio ile­gal com o en­tão juiz Mo­ro.

4. Sus­ten­tar que é des­ca­bi­da qual­quer “quei­ma de ar­qui­vo” nes­te mo­men­to. Es­ta­mos di­an­te de fa­tos gra­vís­si­mos, que me­re­cem apu­ra­ção até mes­mo jun­to ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral e ao Con­gres­so Na­ci­o­nal, nes­te úl­ti­mo ca­so por in­ter­mé­dio de Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to. A Re­pú­bli­ca exi­ge trans­pa­rên­cia e igual­da­de de to­dos pe­ran­te a lei. Al­tas au­to­ri­da­des que es­tão de­fen­den­do a “quei­ma de ar­qui­vo” pa­re­cem ter al­go a te­mer. Por is­so mes­mo, na­da po­dem opi­nar ou de­ci­dir so­bre is­so. A lei tem que ser pa­ra to­dos, de ver­da­de.

5. Su­bli­nhar que so­mos a fa­vor da con­ti­nui­da­de de to­dos os pro­ces­sos con­tra atos de cor­rup­ção ou con­tra atu­a­ção de hac­kers, e que to­dos os cul­pa­dos se­jam pu­ni­dos. Mas que tu­do se­ja fei­to em es­tri­ta obe­di­ên­cia à Cons­ti­tui­ção e às leis. Nes­te sen­ti­do, rei­te­ra­mos a de­fe­sa da li­ber­da­de ime­di­a­ta do ex-​presidente Lu­la, que não te­ve di­rei­to a um jul­ga­men­to jus­to, sen­do ví­ti­ma de um pro­ces­so nu­lo. A nu­li­da­de de­cor­re da par­ci­a­li­da­de do en­tão juiz Mo­ro, já que os diá­lo­gos re­ve­la­dos pe­la im­pren­sa mos­tram que ele co­man­da­va a acu­sa­ção e hos­ti­li­za­va os ad­vo­ga­dos de de­fe­sa, o que se con­fi­gu­ra uma gra­ve ile­ga­li­da­de.

6. Por fim, lem­bra­mos que quan­do os go­ver­nan­tes dão mos­tras de au­to­ri­ta­ris­mo, es­se exem­plo con­ta­mi­na to­da a so­ci­e­da­de e es­ti­mu­la vi­o­lên­ci­as, co­mo a pra­ti­ca­da con­tra os in­dí­ge­nas wa­jã­pis, no Ama­pá, com o as­sas­si­na­to de uma li­de­ran­ça após a in­va­são do seu ter­ri­tó­rio. Co­bra­mos do Go­ver­no Fe­de­ral, es­pe­ci­al­men­te do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, pro­vi­dên­ci­as ime­di­a­tas pa­ra ga­ran­tia da ter­ra dos wa­jã­pis e pu­ni­ção dos as­sas­si­nos.

Che­ga de “vale-​tudo”, ile­ga­li­da­des e abu­sos. Não que­re­mos mais jus­ti­ça se­le­ti­va e par­ci­al. Que­re­mos jus­ti­ça pa­ra to­dos.

As­si­nam:

Fer­nan­do Had­dad

Flá­vio Di­no

Gui­lher­me Bou­los

Ri­car­do Cou­ti­nho

Ro­ber­to Re­quião

So­nia Gua­ja­ja­ra

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,