Em ví­deo di­vul­ga­do nes­ta terça-​feira (30), o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), de­fen­deu a li­ber­da­de de im­pren­sa e o si­gi­lo da fon­te. As ima­gens fo­ram gra­va­das pa­ra se­rem di­vul­ga­das em ato de apoio ao si­te The In­ter­cept e ao seu edi­tor, o jor­na­lis­ta Glenn Gre­enwald, que vêm pu­bli­can­do diá­lo­gos en­tre in­te­gran­tes da força-​tarefa da La­va Ja­to e o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, o ex-​juiz Ser­gio Mo­ro.

Agên­cia Bra­sil


Presidente da Câmara condena a ação de criminosas que vazam informações sigilosas, mas defende liberdade de imprensa

A ma­ni­fes­ta­ção de Maia con­tra­ria as de­cla­ra­ções do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, que de­fen­deu no úl­ti­mo fim de se­ma­na que o jor­na­lis­ta norte-​americano en­tre em “ca­na” no Bra­sil. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra cri­ti­cou e cha­mou de cri­mi­no­sa a ação de hac­kers que in­va­di­ram o apli­ca­ti­vo Te­le­gram de au­to­ri­da­des, mas re­co­nhe­ceu que o pro­fis­si­o­nal de im­pren­sa po­de di­vul­gar as in­for­ma­ções, con­for­me lhe ga­ran­te a Cons­ti­tui­ção.

Na se­ma­na pas­sa­da, uma ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral pren­deu acu­sa­dos de in­va­dir os ce­lu­la­res de ma­gis­tra­dos, in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e po­lí­ti­cos. Um de­les con­fes­sou ter pra­ti­co o cri­me. “No país, no nos­so Bra­sil de­mo­crá­ti­co, no nos­so es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to, o si­gi­lo da fon­te é um di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal. A par­tir daí, te­mos que dis­cu­tir, de fa­to, um hac­ker que pe­gou de for­ma ile­gal, ilí­ci­ta, cri­mi­no­sa, da­dos de ter­cei­ros. Pre­ci­sa ser pu­ni­do. In­ves­ti­ga­do, des­co­ber­to, e aí sim, pu­ni­do”.

Maia res­sal­tou que tan­to o hac­ker quan­to o agen­te pú­bli­co que va­za in­for­ma­ções si­gi­lo­sas co­me­tem um cri­me. “To­dos os dois es­tão co­me­ten­do atos ilí­ci­tos. Um agen­te pú­bli­co en­tre­gou uma in­for­ma­ção si­gi­lo­sa a um meio de co­mu­ni­ca­ção. Es­se meio de co­mu­ni­ca­ção deu di­vul­ga­ção. Ele es­tá pro­te­gi­do pe­lo si­gi­lo. Um hac­ker, um cri­mi­no­so, ex­traiu in­for­ma­ções de um ci­da­dão. Pas­sou pa­ra a sua fon­te. Ela pe­gou es­sas in­for­ma­ções e jo­gou na so­ci­e­da­de”. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra afir­mou, ain­da, que o si­gi­lo da fon­te é di­rei­to de­mo­crá­ti­co. “Não é a fa­vor do Glenn, mas é a fa­vor da nos­sa li­ber­da­de de ex­pres­são.”

Em vídeo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a liberdade de imprensa e o sigilo da fonte

,