Um gru­po de de­pu­ta­dos de­fen­de a pu­ni­ção a pro­cu­ra­do­res e juí­zes fe­de­rais que abu­sa­rem de su­as atri­bui­ções no exer­cí­cio da fun­ção. O mo­vi­men­to cres­ce após a de­nún­cia de que o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol in­cen­ti­vou re­pre­sen­tan­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co a in­ves­ti­gar, si­gi­lo­sa­men­te, o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, o mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, em 2016, nu­ma épo­ca em que o ma­gis­tra­do era vis­to co­mo ad­ver­sá­rio pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to.

Pe­dro de Oliveira/​ALEP


PT vai pedir afastamento do procurador Deltan Dallagnol

O de­pu­ta­do Pau­lo Tei­xei­ra (PT-​SP) vai pro­to­co­lar nes­ta se­ma­na uma re­pre­sen­ta­ção no Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (CNMP) pe­din­do o afas­ta­men­to ime­di­a­to do pro­cu­ra­dor da ope­ra­ção que le­vou à pri­são o ex-​presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, mai­or ex­po­en­te do PT. “Ele de­ve ser afas­ta­do da La­va Ja­to e pre­ci­sa­mos abrir inqué­ri­to dis­ci­pli­nar”, afir­mou o de­pu­ta­do Pau­lo Tei­xei­ra (PT-​SP) ao Con­gres­so em Fo­co.

“De­ve­mos vo­tar o pro­je­to de abu­so de au­to­ri­da­de o mais rá­pi­do pos­sí­vel”, dis­se o de­pu­ta­do Jú­lio Del­ga­do (PSB-​MG). Se­gun­do ele, a Câ­ma­ra re­to­ma­rá a dis­cus­são da pro­pos­ta no re­tor­no do re­ces­so par­la­men­tar. Jú­lio dis­cu­ti­rá com a ban­ca­da so­ci­a­lis­ta quais me­di­das po­dem ser ado­ta­das pa­ra evi­tar abu­sos por par­te de fi­gu­ras pú­bli­cas.

Men­sa­gens di­vul­ga­das pe­lo The In­ter­cept Bra­sil re­ve­lam que Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da força-​tarefa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, bus­cou in­for­ma­ções so­bre as fi­nan­ças de Tof­fo­li e do es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia da mu­lher do mi­nis­tro, Ro­ber­ta Ran­gel. Bus­ca­va evi­dên­ci­as que os li­gas­sem a em­prei­tei­ras en­vol­vi­das com a cor­rup­ção na Pe­tro­bras.

No en­tan­to, a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral proí­be que pro­cu­ra­do­res de pri­mei­ra ins­tân­cia in­ves­ti­guem mi­nis­tros do Su­pre­mo sem au­to­ri­za­ção do pró­prio tri­bu­nal. Nes­te ca­so, quem atua em no­me do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral é o procurador-​geral da Re­pú­bli­ca.

Quem com­par­ti­lha da mes­ma opi­nião é o de­pu­ta­do Glau­ber Bra­ga (Psol-​RJ). Se­gun­do ele, Dal­lag­nol agiu co­mo um ca­ça­dor no pro­ces­so de in­ves­ti­ga­ção da La­va Ja­to. “(Dal­lag­nol) Uti­li­zou me­ca­nis­mos ins­ti­tu­ci­o­nais pa­ra per­se­guir quem ele con­si­de­rou que pu­des­se ser ‘ad­ver­sá­rio’ da ope­ra­ção em al­gum as­pec­to”, dis­se. Bra­ga de­fen­de ain­da o afas­ta­men­to do mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ser­gio Mo­ro, de su­as fun­ções pú­bli­cas.

O lí­der do Ci­da­da­nia na Câ­ma­ra, Da­ni­el Co­e­lho (PE), pe­de cau­te­la e de­fen­de a ve­ri­fi­ca­ção da au­ten­ti­ci­da­de das men­sa­gens di­vul­ga­das. “Com os hac­kers pre­sos, po­de­mos ter in­for­ma­ções não adul­te­ra­das e sem viés par­ti­dá­rio. Não te­nho dú­vi­da que o pró­prio Ju­di­ciá­rio irá to­mar as me­di­das em ave­ri­guar os fa­tos”, dis­se. Se­gun­do ele, o Con­gres­so pre­ci­sa fi­car aler­ta pa­ra “não en­fra­que­cer as ins­ti­tui­ções”.

Ele faz re­fe­rên­cia à Ope­ra­ção Spo­o­fing, de­fla­gra­da pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral em 23 de ju­lho. Fo­ram pre­sos na oca­sião hac­kers sus­pei­tos de aces­sar, sem au­to­ri­za­ção, o te­le­fo­ne ce­lu­lar do mi­nis­tro Ser­gio Mo­ro. Os de­ti­dos tam­bém são sus­pei­tos de te­rem in­ter­cep­ta­do e di­vul­ga­do par­te das co­mu­ni­ca­ções do mi­nis­tro.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,