As pa­les­tras do pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca Del­tan Dal­lag­nol, que ten­tou lu­crar com a fa­ma da Ope­ra­ção La­va Ja­to, ga­nham no­vo ca­pí­tu­lo de dra­ma­ti­ci­da­de. Em 2017, o corregedo-​geral do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, Hin­dem­bur­go Cha­te­au­bri­and Fi­lho cri­ti­cou in­for­mal­men­te a con­du­ta de Dal­lag­nol, res­sal­tou a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção, mas não abriu uma apu­ra­ção ofi­ci­al.

Fer­nan­do Frazão/​Agência Bra­sil


Coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, Dallagnol critica votação secreta para Mesa Diretora do Senado

Is­so é o que mos­tram men­sa­gens do apli­ca­ti­vo Te­le­gram ob­ti­das pe­lo The In­ter­cept e di­vul­ga­das nes­ta quinta-​feira (8) pe­la Fo­lha de S. Pau­lo. Es­ta­va no meio da dis­cus­são uma pa­les­tra de Dal­lag­nol na qual pro­me­tia re­ve­la­ções iné­di­tas so­bre a La­va Ja­to e que te­ria co­bran­ça de in­gres­so dos par­ti­ci­pan­tes. Hin­dem­bur­go aler­tou o pro­cu­ra­dor, que mo­di­fi­cou o te­or da pu­bli­ci­da­de da pa­les­tra.

“Só que­ro lhe di­zer que li­guei em con­si­de­ra­ção a vo­cê e ao Ja­nuá­rio [pro­cu­ra­dor Ja­nuá­rio Pa­lu­do]. Co­mo Cor­re­ge­dor, na ver­da­de, não me com­pe­tia fa­zer o que fiz”, afir­mou.

Dal­lag­nol ten­tou a cri­a­ção de uma em­pre­sa de pa­les­tras pa­ra lu­crar com a fa­ma al­can­ça­da na La­va Ja­to, con­for­me cons­ta­ram os diá­lo­gos, e es­ti­mou lu­cros de R$ 400 mil com a ati­vi­da­de no ano pas­sa­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,