Em­pre­sá­rio por vo­ca­ção e li­be­ral por con­vic­ção, Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE) é um po­lí­ti­co tu­ca­no de al­ta plu­ma­gem. Ex-​governador do Ce­a­rá, car­go que ocu­pou por três man­da­tos (1987-​1990, 1995-​1998 e 1999-​2002), Tas­so as­su­me a re­la­to­ria da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no Se­na­do com a mis­são de pre­ser­var o tex­to da pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) apro­va­da pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Mo­rei­ra Mariz/​Agência Se­na­do


Senador Tasso Jereissati será o relator da reforma da Previdência

Com mais de R$ 389 mi­lhões em bens e pa­trimô­nio de­cla­ra­dos, Tas­so é do­no da mai­or for­tu­na in­for­ma­da à Jus­ti­ça elei­to­ral, en­tre os 81 se­na­do­res. Elei­to em 2014, Tas­so tem man­da­to até 31 de ja­nei­ro de 2023. Foi um dos fun­da­do­res do Gru­po Je­reis­sa­ti, res­pon­sá­vel por uma das mai­o­res re­des de shop­ping cen­ters do país, o Igua­te­mi.

O tu­ca­no anun­ci­ou que vai tra­ba­lhar pe­la ma­nu­ten­ção da qua­se to­ta­li­da­de da ma­té­ria apro­va­da pe­la Câ­ma­ra. Seu de­se­jo é apro­var o “co­ra­ção” da re­for­ma o “mais rá­pi­do pos­sí­vel”. Tas­so dei­xa­rá a rein­clu­são dos es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pa­ra uma Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC) que vem sen­do cha­ma­da no Con­gres­so de pa­ra­le­la.

Na vi­são de Tas­so, o co­ra­ção da re­for­ma é com­pos­to pe­los prin­ci­pais pon­tos do tex­to apre­ci­a­do pe­los de­pu­ta­dos, co­mo fi­xa­ção de ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria, re­gras de tran­si­ção, uni­fi­ca­ção dos sis­te­mas pú­bli­co e pri­va­do e fim dos pri­vi­lé­gi­os de vá­ri­as ca­te­go­ri­as.

Apon­ta­do pe­lo De­par­ta­men­to In­ter­sin­di­cal de As­ses­so­ria Par­la­men­tar (Di­ap) co­mo um dos se­na­do­res mais in­flu­en­tes, Tas­so tem ati­va mi­li­tân­cia na área econô­mi­ca. Foi au­tor de pro­pos­tas re­la­ti­vas a Re­for­ma Tri­bu­tá­ria, Lei de Fa­lên­ci­as, Par­ce­ri­as Público-​Privadas (PPPs), or­ça­men­to, com­ba­te às de­si­gual­da­des re­gi­o­nais, fi­nan­ci­a­men­tos agrí­co­las, en­tre ou­tras.

Sua es­co­lha co­mo re­la­tor aten­de a um an­seio da mai­o­ria do Se­na­do, que pe­dia uma voz ex­pe­ri­en­te e com in­ter­lo­cu­ção em vá­ri­os ma­ti­zes, de es­quer­da e de di­rei­ta. Con­si­de­ra­do um po­lí­ti­co agre­ga­dor, Tas­so pro­me­te atu­ar pa­ra re­du­zir as ares­tas, apro­van­do as mu­dan­ças nas re­gras de apo­sen­ta­do­ria em, no má­xi­mo, dois me­ses.

Tucano de alta plumagem

Com to­da sua in­fluên­cia no ce­ná­rio po­lí­ti­co e econô­mi­co, Tas­so pre­si­den­te na­ci­o­nal do PSDB em três oca­siões diferentes:1991 a 1993 e 2005 a 2007. No seu pri­mei­ro man­da­to, exer­ceu im­por­tan­te pa­pel na con­so­li­da­ção da can­di­da­tu­ra de Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Em 27 de maio de 2011, as­su­miu a pre­si­dên­cia na­ci­o­nal do Ins­ti­tu­to Te­otô­nio Vi­le­la, ór­gão de for­ma­ção po­lí­ti­ca do PSDB. Com a elei­ção do ex-​ministro Bru­no Araú­jo co­mo pre­si­den­te na­ci­o­nal do PSDB, aca­bou per­den­do es­pa­ço no par­ti­do.

Família tradicional

De fa­mí­lia em­pre­sa­ri­al e po­lí­ti­ca, Tas­so é fi­lho do ex-​senador Car­los Je­reis­sa­ti e de Ma­ria de Lour­des Ri­bei­ro Je­reis­sa­ti, além de for­ma­do em Ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas pe­la Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas. Já pre­si­diu as Sub­co­mis­sões de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal e Re­for­ma Tri­bu­tá­ria e, ho­je, é ti­tu­lar das co­mis­sões de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça e As­sun­tos Econô­mi­cos, as du­as prin­ci­pais do Se­na­do.

Denúncias de corrupção

Um dos prin­ci­pais em­pre­sá­ri­os do Ce­a­rá, Tas­so te­ve al­guns es­cân­da­los pa­ra cha­mar de seu. Es­te­ve en­vol­vi­do em sus­pei­tas de des­vio de ver­bas do Ban­co do es­ta­do do Ce­a­rá (BEC), em 2002. Em 2009, a Fo­lha de S. Pau­lo mos­trou que o tu­ca­no usa­va par­te de sua ver­ba ofi­ci­al de pas­sa­gens aé­re­as pa­ra fre­tar ja­ti­nhos que são pa­gos com re­cur­sos do Se­na­do, mas o re­gi­men­to ve­ta­va o uso do be­ne­fí­cio com alu­guel de ae­ro­na­ves. En­tre 2005 e 2007, Tas­so gas­tou R$ 335 mil com a mo­da­li­da­de. Ele dis­se ter ob­ti­do au­to­ri­za­ção es­pe­ci­al pa­ra fa­zer as su­as vi­a­gens.

Em 2010, o en­tão mi­nis­tro da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal, Fer­nan­do Be­zer­ra, anun­ci­ou de­vas­sa em 272 pro­je­tos da Su­pe­rin­ten­dên­cia do De­sen­vol­vi­men­to do Nor­des­te (Su­de­ne), que abri­ga­va em seus car­gos mais im­por­tan­tes pes­so­as li­ga­das ao an­ti­go PFL e a Tas­so Je­reis­sa­ti.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,