Se­na­do­res de opo­si­ção pro­me­tem se mo­vi­men­tar con­tra o pla­no da ba­se go­ver­nis­ta de apro­var em pou­cas se­ma­nas o tex­to prin­ci­pal da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pa­ra só de­pois dis­cu­tir pos­sí­veis mu­dan­ças atra­vés de uma PEC pa­ra­le­la. Eles ex­pli­cam que, ape­sar de o tex­to que che­gou da Câ­ma­ra nes­ta quinta-​feira (8) ser me­lhor que o ini­ci­al­men­te en­vi­a­do pe­lo Exe­cu­ti­vo, ain­da é pre­ci­so fa­zer ajus­tes no Se­na­do. Por is­so, de­vem re­to­mar a dis­cus­são so­bre pon­tos co­mo abo­no sa­la­ri­al, pen­são por mor­te e Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC), mes­mo que pre­ci­sem fa­zer obs­tru­ção pa­ra is­so.

Wal­de­mir Barreto/​Agência Se­na­do


Randolfe Rodrigues (Rede-AP) acha que Senado precisa de tempo para revisar e alterar texto

“O Se­na­do tem que cum­prir seu pa­pel de ca­sa re­vi­so­ra do pro­ces­so le­gis­la­ti­vo e te­mos que fa­zer is­so com a cal­ma ne­ces­sá­ria pa­ra ava­li­ar o que é pos­sí­vel ajus­tar, por­que tem al­guns as­pec­tos da re­for­ma que pre­ju­di­cam os mais po­bres, co­mo a pen­são por mor­te. É as­sim que nós da opo­si­ção va­mos nos com­por­tar”, afir­mou o lí­der da opo­si­ção no Se­na­do, Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP), que dis­se não achar ade­qua­do ter da­ta mar­ca­da pa­ra tra­tar do as­sun­to.

“A PEC tra­mi­tou qua­se dois anos na Câ­ma­ra, se con­si­de­rar­mos o Go­ver­no Te­mer e os seis me­ses des­te ano. Não há ra­zo­a­bi­li­da­de de o Se­na­do fa­zer em 60 di­as o de­ba­te se a Câ­ma­ra te­ve dois anos. En­tão, acho que é pre­ma­tu­ro o es­ta­be­le­ci­men­to de pra­zos. Te­mos que ter o pra­zo ne­ces­sá­rio pa­ra aper­fei­ço­ar ou, se for o ca­so, até re­jei­tar a PEC”, re­cla­mou Ran­dol­fe.

“Nós va­mos agi­li­zar, mas não va­mos atro­pe­lar. O Se­na­do pre­ci­sa ter au­to­no­mia e pro­ta­go­nis­mo pa­ra tor­nar o tex­to me­lhor pa­ra o po­vo bra­si­lei­ro, so­bre­tu­do pa­ra as mi­no­ri­as”, acres­cen­tou a lí­der do Ci­da­da­nia no Se­na­do, Eli­zi­a­ne Ga­ma (MA), que tam­bém de­fen­de mu­dan­ças no BPC e no abo­no sa­la­ri­al.

Tan­to o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), quan­to o re­la­tor da ma­té­ria na Ca­sa, se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE), con­tu­do, afir­ma­ram a in­ten­ção de apro­var o texto-​base da re­for­ma até o fim de se­tem­bro ou co­me­ço de ou­tu­bro. Je­reis­sa­ti che­gou até a di­zer que quer mu­dar o mí­ni­mo pos­sí­vel o tex­to apro­va­do na Câ­ma­ra pa­ra po­der ga­ran­tir a ce­le­ri­da­de na apro­va­ção da re­for­ma. Ele de­ve, por­tan­to, en­tre­gar seu pa­re­cer à Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do em me­nos de três se­ma­nas.

“O re­la­tor não vai ter gran­des tra­ba­lhos por­que vai apre­sen­tar o mes­mo re­la­tó­rio que veio da Câ­ma­ra. É o que o go­ver­no quer, não me­xer no re­la­tó­rio que veio da Câ­ma­ra pa­ra o de­ba­te não ter que vol­tar o de­ba­te pa­ra a Câ­ma­ra. Ago­ra, se o Se­na­do vai abrir mão de dis­cu­tir um te­ma tão re­le­van­te pa­ra a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra, va­mos pa­gar pa­ra ver, até por­que, dos R$ 933 bi­lhões de eco­no­mia, 70% sai do re­gi­me ge­ral, que ti­ra dos mais po­bres”, acres­cen­tou o se­na­dor Ro­gé­rio Car­va­lho (PT-​SE).

Lí­der do Ci­da­da­nia no Se­na­do, Eli­zi­a­ne Ga­ma con­fir­mou que a opo­si­ção vai fa­zer o que for pre­ci­so pa­ra ga­ran­tir que es­se de­ba­te se­ja fei­to da for­ma ade­qua­da. “Nós va­mos usar os me­ca­nis­mos re­gi­men­tais ne­ces­sá­ri­os e su­fi­ci­en­tes pa­ra que a gen­te pos­sa che­gar a um tex­to me­lhor pa­ra o Bra­sil. Se ti­ver que obs­truir, va­mos obs­truir. Se ti­ver que fa­zer um acor­do, va­mos fa­zer. Só te­mos um ob­je­ti­vo, que é me­lho­rar o tex­to”, dis­se.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,