A Re­de foi ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) con­tra a Me­di­da Pro­vi­só­ria 892/​2019, as­si­na­da nes­ta se­ma­na pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pa­ra de­so­bri­gar as em­pre­sas de ca­pi­tal aber­to a pu­bli­ca­rem seus ba­lan­ços em jor­nais. O par­ti­do en­trou com uma Ação Di­re­ta de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (ADI), com pe­di­do de me­di­da cau­te­lar, so­li­ci­tan­do que a me­di­da se­ja de­cla­ra­da in­cons­ti­tu­ci­o­nal e te­nha seus efei­tos sus­pen­sos pe­la Su­pre­mo Cor­te.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse que MP é uma retaliação à imprensa

“Exis­tem no­tó­ri­os des­vi­os de fi­na­li­da­de na edi­ção da MP, que não com­pre­en­de os re­qui­si­tos de ur­gên­cia e pri­o­ri­da­de, além de ver­sar so­bre as­sun­to já de­ba­ti­do em le­gis­la­ção apro­va­da no Con­gres­so Na­ci­o­nal”, ex­pli­cou o lí­der da opo­si­ção no Se­na­do, Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP). Is­so por­que a me­di­da pro­vi­só­ria anu­la par­te da Lei 13.818, que foi apro­va­da no iní­cio do ano pe­la Câ­ma­ra e pe­lo Se­na­do e es­ten­de até 2022 a pu­bli­ca­ção dos ba­lan­ços em­pre­sa­ri­ais em jor­nais.

Ran­dol­fe lem­brou ain­da que, ao anun­ci­ar a edi­ção da MP, Jair Bol­so­na­ro in­di­cou que a me­di­da re­pre­sen­ta uma re­ta­li­a­ção à im­pren­sa, já que es­ta tem pu­bli­ca­do crí­ti­cas ao go­ver­no e às de­cla­ra­ções do pre­si­den­te. Afi­nal, ao per­mi­tir que as em­pre­sas pu­bli­quem seus ba­lan­ços ape­nas em mei­os di­gi­tais, o pre­si­den­te ti­ra uma fon­te de re­cei­ta im­por­tan­te dos jor­nais. “Im­pren­sa li­vre e in­de­pen­den­te é um dos gran­des pe­sa­de­los de Jair Bol­so­na­ro e al­vo fre­quen­te do seu ódio”, dis­se Ran­dol­fe.

“Ao afir­mar que o ato é uma re­ta­li­a­ção à im­pren­sa, aten­den­do a sen­ti­men­to pes­so­al de mes­qui­nhez e re­van­chis­mo, tal dis­cur­so torna-​se par­te in­te­gran­te da mo­ti­va­ção do ato, sen­do pos­sí­vel o ques­ti­o­na­men­to da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de e le­ga­li­da­de de tal ma­ni­fes­ta­ção /​mo­ti­va­ção”, acres­cen­ta a ação pro­to­co­la­da no STF, acres­cen­tan­do que a me­di­da con­fi­gu­ra um ata­que à li­ber­da­de de im­pren­sa e um abu­so do pre­si­den­te.

“Ten­do em vis­ta que em re­la­ção à Me­di­da Pro­vi­só­ria nº 892 hou­ve san­ção re­cen­te da Lei nº 13.818, de 2019, apro­va­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal so­bre o te­ma, sen­do es­ta a von­ta­de dos re­pre­sen­tan­tes do po­vo, que es­sa al­te­ra­ção já tra­zia a en­tra­da em vi­gor da nor­ma ape­nas em 2022 (art. 3º da Lei nº 13,818, de 2019), bem co­mo as ma­ni­fes­ta­ções ex­pres­sas do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que re­ve­lam o fun­da­men­to pes­so­al da edi­ção da MP (re­ta­li­a­ção à im­pren­sa) há evi­den­te au­sên­cia de ur­gên­cia cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra a edi­ção da re­fe­ri­da Me­di­da Pro­vi­só­ria. Na ver­da­de, a úni­ca ur­gên­cia que há aqui é a do Pre­si­den­te em ata­car à im­pren­sa, ten­do em vis­ta as crí­ti­cas a que to­do e qual­quer go­ver­nan­te po­de e de­ve es­tar sub­me­ti­do. O STF de­ve in­ter­vir mais uma vez, evi­tan­do o abu­so des­te Pre­si­den­te, que go­ver­nan­te por Me­di­das Pro­vi­só­ri­as e De­cre­tos, re­ve­la seu per­fil au­to­ri­tá­rio”, con­clui a ação en­ca­mi­nha­da nes­te sá­ba­do pe­la Re­de ao pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,