Em 2016, às vés­pe­ras da pri­são do ex-​presidente da Câ­ma­ra e de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo MDB-​RJ, Edu­ar­do Cu­nha, o en­tão juiz da 13ª Va­ra da Jus­ti­ça Fe­de­ral em Cu­ri­ti­ba, Sér­gio Mo­ro, atu­al mi­nis­tro da Jus­ti­ça, agiu pa­ra dis­su­a­dir os pro­cu­ra­do­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to da in­ten­ção de pe­dir a apre­en­são dos ce­lu­la­res de Cu­nha.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Moro sugeriu que outras pessoas podem ter sido hackeadas. PF confirmou

As in­for­ma­ções fo­ram pu­bli­ca­das na noi­te des­ta segunda-​feira pe­lo si­te Buzz­fe­ed News, com ba­se no ma­te­ri­al ob­ti­do pe­lo si­te The In­ter­cept, con­ten­do tro­ca de men­sa­gens de au­to­ri­da­des no apli­ca­ti­vo Te­le­gram. De acor­do com a re­por­ta­gem, o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol avi­sa à Sér­gio Mo­ro pe­lo ce­lu­lar que os pro­cu­ra­do­res con­si­de­ra­vam im­por­tan­te a apre­en­são dos ce­lu­la­res de Edu­ar­do Cu­nha e pre­ten­dem fa­zer o pe­di­do for­mal pa­ra is­so fos­se par­te da ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral pla­ne­ja­da pa­ra o dia se­guin­te.

“Acho que não é uma boa”, res­pon­de Mo­ro. No mes­mo dia, al­gu­mas ho­ras de­pois uma reu­nião pre­sen­ci­al com o juiz, Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da For­ça Ta­re­fa da La­va Ja­to no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, avi­sa Mo­ro de que os pro­cu­ra­do­res con­ver­sa­ram e “en­ten­de­mos que não é ca­so de pe­dir os ce­lu­la­res, pe­los ris­cos, com ba­se em su­as pon­de­ra­ções”.

A re­por­ta­gem do Buzz­fe­ed News apon­ta que a de­ci­são fu­giu do pa­drão da La­va Ja­to, já que di­ver­sas ano­ta­ções e men­sa­gens que em­ba­sam as in­ves­ti­ga­ções saí­ram dos ce­lu­la­res de exe­cu­ti­vos de em­prei­tei­ras. Edu­ar­do Cu­nha foi pre­so no dia se­guin­te, 19 de ou­tu­bro, em Bra­sí­lia. O ex-​presidente da Câ­ma­ra che­gou a dis­pa­rar men­sa­gens pa­ra vá­ri­os po­lí­ti­cos quan­do per­ce­beu que se­ria pre­so e ques­ti­o­nou os agen­tes da PF se de­ve­ria en­tre­gar a eles seus te­le­fo­nes.

Em res­pos­ta à re­por­ta­gem, a For­ça Ta­re­fa da La­va Ja­to in­for­mou que os apa­re­lhos de te­le­fo­ne de Edu­ar­do Cu­nha já ti­nham si­do apre­en­di­dos, dez me­ses an­tes, pe­la Ope­ra­ção Ca­ti­li­ná­ri­as. A res­pos­ta do mi­nis­tro da Jus­ti­ça se­gue o pa­drão ado­ta­do des­de que as men­sa­gens co­me­ça­ram a ser va­za­das: “O Mi­nis­tro da Jus­ti­ça e da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca não re­co­nhe­ce a au­ten­ti­ci­da­de das men­sa­gens ob­ti­das por meio cri­mi­no­so”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,