A ten­ta­ti­va do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de in­ter­fe­rir na no­me­a­ção do su­pe­rin­ten­den­te da Po­lí­cia Fe­de­ral no Rio de Ja­nei­ro po­de abrir o ca­mi­nho pa­ra a re­to­ma­da de du­as pro­pos­tas de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PECs) pa­ra­das no Con­gres­so. Após a de­cla­ra­ção do pre­si­den­te de que ele é “quem man­da” na de­fi­ni­ção dos car­gos de co­man­do do ór­gão, de­le­ga­dos fe­de­rais de­ci­di­ram co­brar dos par­la­men­ta­res a apro­va­ção da au­to­no­mia ad­mi­nis­tra­ti­va, fi­nan­cei­ra e or­ça­men­tá­ria da Po­lí­cia Fe­de­ral, além da fi­xa­ção de um man­da­to fi­xo pa­ra o diretor-​geral da ins­ti­tui­ção.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Para Edvandir Paiva, declarações de Bolsonaro mostram como a Polícia Federal não tem autonomia e está sujeita a interferências políticas

As me­di­das es­tão pre­vis­tas res­pec­ti­va­men­te em du­as PECs, a 412/​09, em tra­mi­ta­ção na Câ­ma­ra, a PEC 101/​15 , no Se­na­do. “Va­mos bus­car a au­to­no­mia na Cons­ti­tui­ção, que é o úni­co re­mé­dio pa­ra pro­te­ger a po­lí­cia des­se ti­po de cri­se e de uma in­ter­fe­rên­cia in­de­vi­da. Há dez anos di­ze­mos que a pos­si­bi­li­da­de de in­ter­fe­rên­cia po­lí­ti­ca na PF. Nes­se ca­so, ago­ra, foi pú­bli­co. Mas há for­mas de se fa­zer is­so nos bas­ti­do­res, com cor­te de ver­ba, trans­fe­rên­ci­as e pro­mo­ções es­tra­té­gi­cas. Nin­guém fi­ca sa­ben­do dis­so”, afir­mou o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos De­le­ga­dos da Po­lí­cia Fe­de­ral (ADPF), Ed­van­dir Pai­va, ao Con­gres­so em Fo­co.

Bol­so­na­ro abriu cri­se com a PF ao afir­mar que o su­pe­rin­ten­den­te es­ta­du­al no Rio de Ja­nei­ro, Ri­car­do Sa­a­di, dei­xa­rá o car­go por “pro­ble­mas de ges­tão” e “pro­du­ti­vi­da­de” e ao anun­ci­ar a no­me­a­ção de um de­le­ga­do do Ama­zo­nas em seu lu­gar, ig­no­ran­do a in­di­ca­ção já fei­ta pe­lo diretor-​geral, Mau­rí­cio Va­lei­xo.

“O que eu fi­quei sa­ben­do, se ele [Va­lei­xo] re­sol­veu mu­dar, vai ter que fa­lar co­mi­go. Quem man­da sou eu. Dei­xar bem cla­ro. Eu dou li­ber­da­de pa­ra os mi­nis­tros to­dos, mas quem man­da sou eu. Pe­lo que es­tá pré-​acertado, se­ria o lá de Ma­naus [Ale­xan­dre Sil­va Sa­rai­va]”, afir­mou Bol­so­na­ro em en­tre­vis­ta a jor­na­lis­tas nes­sa sexta-​feira, de­sau­to­ri­zan­do Va­lei­xo e o pró­prio mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Ser­gio Mo­ro, a quem es­tá su­bor­di­na­da a PF. Bol­so­na­ro re­cu­ou de­pois da ame­a­ça do diretor-​geral e de de­le­ga­dos fe­de­rais de en­tre­ga­rem o car­go. Após a re­a­ção dos po­li­ci­ais, o pre­si­den­te ame­ni­zou o tom das de­cla­ra­ções. “Tan­to faz pa­ra mim. Eu su­ge­ri o de Ma­naus, e se vi­er o de Per­nam­bu­co não tem pro­ble­ma, não”, afir­mou. O des­con­ten­ta­men­to do pre­si­den­te com Sa­a­di é atri­buí­do por in­ter­lo­cu­to­res da po­lí­cia à sua po­si­ção in­de­pen­den­te em re­la­ção às in­ves­ti­ga­ções que en­vol­vem o se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-​SP).

Se­gun­do Pai­va, os de­le­ga­dos vão bus­car o apoio de li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as nos pró­xi­mos di­as pa­ra tra­zer a dis­cus­são so­bre a au­to­no­mia da PF no­va­men­te à pau­ta. “Quan­do o pre­si­den­te ba­te na me­sa e diz que ele é quem man­da es­tá de­mons­tran­do for­ça. Ele é re­al­men­te o man­da­tá­rio má­xi­mo do país. Mas em re­la­ção a ór­gãos de Es­ta­do tem de agir co­mo es­ta­dis­ta, ga­ran­tir que eles te­nham po­si­ção re­pu­bli­ca­na e téc­ni­ca. O pre­si­den­te pre­ci­sa ter po­si­ção de es­ta­dis­ta. Ele de­sau­to­ri­za o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e o diretor-​geral e pas­sa a ima­gem de que a Po­lí­cia Fe­de­ral é uma po­lí­cia de go­ver­no. Não po­de­mos acei­tar is­so”, dis­se o pre­si­den­te da ADPF.

PF dividida

A crí­ti­ca às no­vas de­cla­ra­ções de Bol­so­na­ro une as ca­te­go­ri­as da PF, mas não o dis­cur­so em de­fe­sa da au­to­no­mia da ins­ti­tui­ção. O as­sun­to opõe as de­mais car­rei­ras de po­lí­cia aos de­le­ga­dos. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Pe­ri­tos Cri­mi­nais Fe­de­rais (APCF), Mar­cos Ca­mar­go, diz que fi­cou per­ple­xo ao ou­vir as de­cla­ra­ções do pre­si­den­te so­bre a mu­dan­ça na che­fia da Su­pe­rin­ten­dên­cia da PF no Rio de Ja­nei­ro. Mes­mo as­sim, res­sal­ta, é pre­ci­so cui­da­do na aná­li­se das pro­pos­tas em dis­cus­são no Con­gres­so. Na ava­li­a­ção de­le, o mais im­por­tan­te é que a PF te­nha sua au­to­no­mia téc­ni­ca e in­ves­ti­ga­ti­va pre­ser­va­da.

“As in­di­ca­ções pa­ra as su­pe­rin­ten­dên­ci­as são prer­ro­ga­ti­vas do diretor-​geral por ques­tões téc­ni­cas e le­gais. So­mos um ór­gão de Es­ta­do, não de go­ver­no. Em 20 anos de Po­lí­cia Fe­de­ral, nun­ca vi uma ação as­sim tão in­ci­si­va”, de­cla­rou Mar­cos ao Con­gres­so em Fo­co. Ape­sar da gra­vi­da­de do po­si­ci­o­na­men­to de Bol­so­na­ro, ele con­si­de­ra que a blin­da­gem da PF não pas­sa pe­la apro­va­ção da pro­pos­ta em dis­cus­são no Con­gres­so que ga­ran­te au­to­no­mia à ins­ti­tui­ção.

“Es­sas PECs pre­ci­sam pri­mei­ro ser dis­cu­ti­das in­ter­na­men­te. Elas saí­ram de fo­ra pa­ra den­tro. Não po­de­mos usar um ca­so co­mo es­se pa­ra apro­var um tex­to que ain­da não es­tá ma­du­ro. Não que­re­mos po­li­ti­zar es­se epi­só­dio sem ama­du­re­cer o de­ba­te”, dis­se.

Além dos pe­ri­tos, pa­pi­los­co­pis­tas e es­cri­vães tam­bém se po­si­ci­o­nam con­tra a au­to­no­mia or­ça­men­tá­ria, fi­nan­cei­ra e ad­mi­nis­tra­ti­va da PF, a exem­plo de pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca. As ou­tras car­rei­ras te­mem que a mu­dan­ça dê ain­da mais po­der aos de­le­ga­dos em vez de for­ta­le­cer a po­lí­cia co­mo um to­do. Os de­le­ga­dos, po­rém, ar­gu­men­tam que a au­to­no­mia é ne­ces­sá­ria pa­ra afas­tar even­tu­ais in­ter­fe­rên­ci­as po­lí­ti­cas do go­ver­no e equi­li­brar o jo­go de for­ças com o pró­prio Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que já dis­põe des­sa prer­ro­ga­ti­va.

"Falaciosa autonomia"

O mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Ser­gio Mo­ro, dis­se em abril ser pes­so­al­men­te fa­vo­rá­vel à au­to­no­mia da PF. Em res­pos­ta, a Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Po­li­ci­ais Fe­de­rais (Fe­na­pef) di­vul­gou no­ta com crí­ti­cas à PEC 412, que, se­gun­do a en­ti­da­de, con­ce­de “pre­ten­sa e fa­la­ci­o­sa au­to­no­mia a um bra­ço ar­ma­do do Es­ta­do”.

“A fa­la do mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Ser­gio Mo­ro, em na­da re­pre­sen­ta a opi­nião da mai­o­ria es­ma­ga­do­ra dos po­li­ci­ais fe­de­rais re­pre­sen­ta­dos por es­sa Fe­de­ra­ção. Rei­te­ra­mos que es­sa fal­sa au­to­no­mia pre­ga­da pe­la pro­pos­ta que tra­mi­ta no Con­gres­so em na­da con­tri­bui­rá pa­ra o ór­gão e que a ge­ne­ra­li­za­ção de que en­ti­da­des sin­di­cais e as­so­ci­a­ti­vas con­cor­dam com tal ideia foi fei­ta de for­ma ir­res­pon­sá­vel e não re­tra­ta a ver­da­de do sin­di­ca­lis­mo no país”, dis­se a Fe­na­pef no co­mu­ni­ca­do.

Os de­le­ga­dos te­rão tra­ba­lho pa­ra de­sen­ga­ve­tar a PEC 412, que pre­vê a au­to­no­mia da PF. O tex­to es­tá pa­ra­do há dez anos na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ). Os de­pu­ta­dos não ana­li­sa­ram se­quer se a pro­pos­ta é cons­ti­tu­ci­o­nal até o mo­men­to. Só de­pois des­sa eta­pa é que po­de ser cri­a­da uma co­mis­são es­pe­ci­al pa­ra ana­li­sar o mé­ri­to da pro­po­si­ção.

O pre­si­den­te da ADPF, Ed­van­dir Pai­va, re­co­nhe­ce as di­fi­cul­da­des. “O Con­gres­so aca­ba de apro­var um pro­je­to [abu­so de au­to­ri­da­de] que cri­mi­na­li­za quem com­ba­te cri­mi­no­sos. O mo­men­to não é bom. Mas va­mos tra­ba­lhar pa­ra con­ven­cer as li­de­ran­ças so­bre a ne­ces­si­da­de de se ga­ran­tir a au­to­no­mia à Po­lí­cia Fe­de­ral”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co.

Já a PEC 101/​15, que fi­xa em três anos o man­da­to do diretor-​geral da PF, foi ar­qui­va­da ao fi­nal da úl­ti­ma le­gis­la­tu­ra. O tex­to en­trou na pau­ta, mas não che­gou a ser ana­li­sa­do pe­la CCJ. A pro­pos­ta pre­vê que o diretor-​geral se­rá in­di­ca­do pe­lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca por meio de uma lis­ta trí­pli­ce com in­te­gran­tes da úl­ti­ma clas­se fun­ci­o­nal. A no­me­a­ção, po­rém, fi­ca con­di­ci­o­na­da à apro­va­ção do in­di­ca­do pe­los se­na­do­res.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,