A con­ces­são de be­ne­fí­ci­os co­mo pen­sões, se­gu­ran­ças, car­ros ofi­ci­ais e pla­nos de saú­de pa­ra po­lí­ti­cos que exer­ce­ram car­gos ele­ti­vos po­de es­tar com os di­as con­ta­dos. É que a Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos e Le­gis­la­ção Par­ti­ci­pa­ti­va (CDH) do Se­na­do aco­lheu o pro­je­to de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar que pe­de o fim das re­ga­li­as da­das a ex-​presidentes e ex-​governadores. Com is­so, o pe­di­do po­de vi­rar uma Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC).

Ge­ral­do Magela/​Agência Se­na­do


Eduardo Girão (centro) é o relator da proposta de iniciativa popular e busca apoio dos colegas para transformar projeto em emenda constitucional

A ideia de aca­bar com os be­ne­fí­ci­os da­dos aos po­lí­ti­cos que já não exer­cem mais car­gos ele­ti­vos foi apre­sen­ta­da por um per­nam­bu­ca­no no por­tal e-​Cidadania e re­ce­beu o apoio de mais de 20 mil pes­so­as - o ne­ces­sá­rio pa­ra ser tra­ta­do co­mo uma su­ges­tão le­gis­la­ti­va. Por is­so, foi le­va­da à CDH em ju­lho do ano pas­sa­do. Só nes­te ano, po­rém, co­me­çou a tra­mi­tar sob a re­la­to­ria do se­na­dor Edu­ar­do Gi­rão (Podemos-​CE), que até am­pli­ou os efei­tos do pro­je­to, es­ten­den­do o fim dos be­ne­fí­ci­os aos ex-​parlamentares.

O pa­re­cer de Gi­rão de­ter­mi­na que não po­de­rão ser dis­po­ni­bi­li­za­dos ser­vi­do­res ou bens pú­bli­cos, nem con­ce­di­dos ou pa­gos quais­quer es­pé­ci­es de be­ne­fí­ci­os a quem te­nha exer­ci­do man­da­to ele­ti­vo nas es­fe­ras fe­de­ral, es­ta­du­al, dis­tri­tal ou mu­ni­ci­pal. O ar­gu­men­to é que a me­di­da per­mi­ti­rá que “se­jam eco­no­mi­za­dos re­cur­sos pú­bli­cos e mo­ra­li­za­da a re­la­ção da so­ci­e­da­de com seus ex-​governantes e re­pre­sen­tan­tes elei­tos”. Afi­nal, ex­pli­ca o re­la­tó­rio, o Bra­sil en­fren­ta res­tri­ções or­ça­men­tá­ri­as, os de­mais tra­ba­lha­do­res não dis­põem de re­ga­li­as se­me­lhan­tes e a con­ces­são de be­ne­fí­ci­os co­mo pen­sões es­pe­ci­ais pa­ra ex-​governadores já foi con­si­de­ra­da in­cons­ti­tu­ci­o­nal pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

Por is­so, mes­mo atin­gin­do os se­na­do­res, o tex­to foi apro­va­do na Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos do Se­na­do. Ago­ra, por­tan­to, po­de vi­rar uma Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção ca­so se­ja subs­cri­to por 27 se­na­do­res - o cor­res­pon­den­te a 1/​3 do Se­na­do e é o ne­ces­sá­rio pa­ra que uma PEC se­ja pro­to­co­la­da na Ca­sa. E a co­mis­são es­tá con­fi­an­te de que o pro­je­to te­rá o apoio ne­ces­sá­rio pa­ra tra­mi­tar co­mo uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal, pois já re­ce­beu a as­si­na­tu­ra de 20 se­na­do­res.

“De acor­do com o re­gi­men­to in­ter­no, a co­mis­são a par­tir de ago­ra se en­car­re­ga de pe­gar as as­si­na­tu­ras. Mas eu me co­lo­quei à dis­po­si­ção pa­ra, se for ne­ces­sá­rio, ir de ga­bi­ne­te em ga­bi­ne­te pa­ra re­co­lher es­sas as­si­na­tu­ras e trans­for­mar a pro­pos­ta em uma PEC”, con­tou Gi­rão, ex­pli­can­do que, co­mo as úl­ti­mas elei­ções pro­mo­ve­ram uma gran­de re­no­va­ção no Se­na­do, o mo­men­to pro­pi­cia o an­da­men­to des­te pro­je­to, que, em ou­tras épo­cas, po­dia ser en­ga­ve­ta­do pe­los par­la­men­ta­res. “É um mo­men­to no­vo, em que o po­vo bra­si­lei­ro es­tá co­me­çan­do a des­per­tar pa­ra a ati­vi­da­de de seus re­pre­sen­tan­tes e is­so faz mui­tos se sen­si­bi­li­za­rem com es­ses pro­je­tos”, co­men­tou o re­la­tor.

Edu­ar­di Gi­rão dis­se ain­da que avan­çar com es­se pro­je­to é im­por­tan­te não ape­nas pa­ra aten­der um de­se­jo po­pu­lar, mas tam­bém pa­ra equi­pa­rar a clas­se po­lí­ti­ca aos de­mais tra­ba­lha­do­res. “Pa­ra ser jus­ta com a po­pu­la­ção, a clas­se po­lí­ti­ca não de­ve ser uma clas­se com pri­vi­lé­gi­os”, ar­gu­men­tou Gi­rão.

Se­gun­do as­ses­so­res do se­na­dor, ho­je ex-​presidentes têm di­rei­to a qua­tro se­gu­ran­ças, dois car­ros ofi­ci­ais com mo­to­ris­tas e dois ser­vi­do­res que exer­cem fun­ções de se­cre­ta­ri­a­do e têm os cus­tos do tra­ba­lho ban­ca­dos por um car­tão cor­po­ra­ti­vo. A União pa­ga, por exem­plo, diá­ri­as, pas­sa­gens aé­re­as e auxílio-​combustível. Já os ex-​governadores têm di­rei­to a pen­sões em al­guns es­ta­dos. E os ex-​senadores con­tam com pla­no de saú­de.

“São gas­tos pa­gos pe­lo con­tri­buin­te”, fri­sou Gi­rão, de­fen­den­do que to­dos es­ses be­ne­fí­ci­os, mes­mo os que já fo­ram con­ce­di­dos, se­jam sus­pen­sos. A re­tro­a­ti­vi­da­de da sus­pen­são, con­tu­do, se­rá de­ba­ti­da pe­los par­la­men­ta­res ca­so o pro­je­to avan­ce no Con­gres­so, pois uma lei nor­mal­men­te não re­tro­a­ge e va­le ape­nas a par­tir da da­ta em que é pu­bli­ca­da.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co