A Re­de es­tu­da a pos­si­bi­li­da­de de in­ter­pe­lar ju­di­ci­al­men­te o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pa­ra sa­ber o que o che­fe do Exe­cu­ti­vo acha da de­cla­ra­ção do seu fi­lho, Car­los Bol­so­na­ro (PSL-​RJ), que, na vi­são de mui­tos po­lí­ti­cos e ad­vo­ga­dos, re­pre­sen­ta um aten­ta­do à de­mo­cra­cia.

Agên­cia Se­na­do


Líder da oposição quer interpelar Carlos e Jair Bolsonaro sobre fala de vereador sobre "vias democráticas"

O par­ti­do ain­da de­ve apre­sen­tar uma ação con­tra o ve­re­a­dor, que nes­sa segunda-​feira (9) dis­se em uma re­de so­ci­al que “por vi­as de­mo­crá­ti­cas a trans­for­ma­ção que o Bra­sil quer não acon­te­ce­rá na ve­lo­ci­da­de que al­me­ja­mos… e se is­so acon­te­cer”.

Lí­der da opo­si­ção no Se­na­do, Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) con­tou que a ideia é apre­sen­tar uma ação ju­di­ci­al por aten­ta­do con­tra a or­dem de­mo­crá­ti­ca con­tra Car­los Bol­so­na­ro e in­ter­pe­lar ju­di­ci­al­men­te o pre­si­den­te pa­ra sa­ber se ele com­pac­tua com o pen­sa­men­to do fi­lho. “Pe­la fun­ção pú­bli­ca de­le, que é ve­re­a­dor, ele es­tá ofen­den­do a or­dem de­mo­crá­ti­ca de di­rei­to. E não ca­be a al­guém, no exer­cí­cio de uma fun­ção pú­bli­ca, ofen­der a or­dem de­mo­crá­ti­ca. En­tão, es­ta­mos es­tu­dan­do qual ação é ca­bí­vel por­que es­se ra­paz co­me­teu um cri­me e quem co­me­te um cri­me de­ve ser pu­ni­do”, ex­pli­cou Ran­dol­fe.

O se­na­dor ar­gu­men­tou ain­da que, ao su­ge­rir que o Bra­sil po­de não ser trans­for­ma­do pe­las vi­as de­mo­crá­ti­cas, Car­los Bol­so­na­ro aten­ta con­tra a or­dem de­mo­crá­ti­ca de di­rei­to. Al­go que, pa­ra Ran­dol­fe, é gra­ve so­bre­tu­do quan­do par­te de al­guém que con­vi­ve com o pre­si­den­te. “A de­mo­cra­cia pre­vê li­ber­da­de de ex­pres­são, mas não ofen­sa ou apo­lo­gia à rup­tu­ra da or­dem de­mo­crá­ti­ca. Is­so a de­mo­cra­cia não to­le­ra”, re­cla­mou o se­na­dor.

Ran­dol­fe ain­da pe­diu que os de­mo­cra­tas e os po­de­res bra­si­lei­ros se ma­ni­fes­tem con­tra a de­cla­ra­ção de Car­los Bol­so­na­ro. Ele co­brou uma po­si­ção, so­bre­tu­do, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. “O Bra­sil não po­de to­le­rar mal­da­des co­mo se fos­se al­go nor­mal. A es­cri­to­ra Han­nah Arendt já dis­se que, quan­do é ba­na­li­za­do, o mal se tor­na di­ta­du­ra, ofen­sa às de­mo­cra­ci­as in­di­vi­du­ais, fas­cis­mo”, aler­tou Ran­dol­fe.

De­pois des­sa e de ou­tras crí­ti­cas, Car­los Bol­so­na­ro vol­tou às re­des so­ci­ais nes­ta terça-​feira pa­ra co­men­tar o as­sun­to. Ele dis­se que, na ver­da­de, o que fa­lou foi que “por vi­as de­mo­crá­ti­cas as coi­sas não mu­dam ra­pi­da­men­te. É um fa­to. Uma jus­ti­fi­ca­ti­va aos que co­bram mu­dan­ças ur­gen­tes”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,