O de­pu­ta­do Da­vid Mi­ran­da (Psol-​RJ) é al­vo de um re­la­tó­rio do Co­af (atu­al UIF, vin­cu­la­do ao Ban­co Cen­tral) en­vi­a­do ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro. O do­cu­men­to in­di­ca mo­vi­men­ta­ção de R$ 2,5 mi­lhões na con­ta ban­cá­ria do de­pu­ta­do, en­tre o pe­río­do de 2 de abril de 2018 e 28 de mar­ço de 2019. A si­tu­a­ção foi con­si­de­ra­da atí­pi­ca pe­lo Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af). O ca­so foi re­ve­la­do pe­lo jor­nal O Glo­bo.

Mi­chel Jesus/​Câmara dos De­pu­ta­dos


David Miranda tem movimentação financeira suspeita

Da­vid é ca­sa­do com o jor­na­lis­ta Glenn Gre­enwald, fun­da­dor do si­te The In­ter­cept Bra­sil, res­pon­sá­vel pe­la di­vul­ga­ção das con­ver­sas en­tre os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to e o en­tão juiz Sér­gio Mo­ro. O Co­af en­ca­mi­nhou o re­la­tó­rio pa­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) dois di­as após o iní­cio das di­vul­ga­ções das con­ver­sas en­vol­ven­do as au­to­ri­da­des.

Pa­ra Da­vid Mi­ran­da, a da­ta do en­vio do re­la­tó­rio é in­dí­cio de re­ta­li­a­ção. “Dois di­as após que o Glenn e o In­ter­cept co­me­ça a fa­zer is­so [di­vul­gar os diá­lo­gos] o Co­af faz es­se re­la­tó­rio, co­me­ça es­sa in­ves­ti­ga­ção”, de­cla­rou o par­la­men­tar em en­tre­vis­ta ao Con­gres­so em Fo­co.

Pa­ra o de­pu­ta­do, a di­vul­ga­ção do re­la­tó­rio se­ria uma cor­ti­na de fu­ma­ça pa­ra des­vi­ar o fo­co da opi­nião pú­bli­ca aos es­que­mas de cor­rup­ção en­vol­ven­do a fa­mí­lia do pre­si­den­te Bol­so­na­ro. “É uma cor­ti­na de fu­ma­ça e uma re­ta­li­a­ção”, afir­ma Mi­ran­da.

Se­gun­do ma­té­ria da Fo­lha de S. Pau­lo, a con­ta do de­pu­ta­do re­ce­beu R$ 1,3 mi­lhão e a saí­da foi de R$ 1,29 mi­lhão. O que cha­mou a aten­ção do Co­af foi o fra­ci­o­na­men­to dos de­pó­si­tos em es­pé­cie, sem ori­gem iden­ti­fi­ca­da. A mai­o­ria dos va­lo­res va­ria en­tre R$ 2.500 e R$ 5.000.

Da­vid não ne­ga a mo­vi­men­ta­ção e afir­ma que ela pro­vem de ati­vi­da­des que exer­ce em con­jun­to com o ma­ri­do. “Es­sa mo­vi­men­ta­ção vem da mi­nha ren­da fa­mi­li­ar, ren­da fa­mi­li­ar que é mi­nha e do Glenn”.

O par­la­men­tar ex­pli­ca que ele ge­ren­cia par­te do di­nhei­ro ad­qui­ri­do nos tra­ba­lhos exer­ci­dos pe­lo par­cei­ro. “Nós te­mos uma em­pre­sa nos Es­ta­dos Uni­dos, eu fe­cho con­tra­tos pa­ra o Glenn, is­so aí to­do mun­do sa­be há mui­tos anos”, afir­ma Da­vid. “Ele tem cin­co li­vros no News York Ti­mes Best Sel­ler List. Eu fe­cho fil­mes pra ele, ago­ra eu es­tou fa­zen­do a pro­du­ção de um no­vo fil­me com ele. Tem ain­da a pro­du­ção da Va­za Ja­to que a gen­te ain­da não fez, fo­ra o sa­lá­rio do Glenn que ele ga­nha men­sal­men­te no In­ter­cept que vai pra es­sa em­pre­sa que a gen­te tem nos Es­ta­dos Uni­dos”, jus­ti­fi­cou o de­pu­ta­do.

O par­la­men­tar afir­ma que os de­pó­si­tos são de­cor­ren­tes des­ta em­pre­sa que ele man­tém em con­jun­to com o ma­ri­do nos Es­ta­dos Uni­dos. “Es­sas tran­sa­ções fo­ram fei­tas tra­zen­do des­te di­nhei­ro [da em­pre­sa], re­ti­ran­do aqui no Bra­sil de uma con­ta pe­lo car­tão de cré­di­to, por­que é im­pos­sí­vel a gen­te fa­zer tran­sa­ções di­re­tas dos Es­ta­dos Uni­dos pa­ra o Bra­sil não es­tan­do pes­so­al­men­te lá. En­tão era obri­ga­do a fa­zer es­ta re­ti­ra­da e de­po­si­tar di­re­ta­men­te na mi­nha con­ta”, de­cla­rou Da­vid ao Con­gres­so em Fo­co.

O par­la­men­tar afir­ma que os va­lo­res que en­tra­ram e saí­ram de sua con­ta são pa­ra man­ter a fa­mí­lia. “No en­tan­to que en­tra R$ 1,5 mi­lhão e sai 1,3 mi­lhão pa­ra pa­gar nos­sas con­tas do mês, dos nos­sos fi­lhos, dos nos­sos 24 ca­chor­ros, as nos­sas vi­a­gens e to­das as si­tu­a­ções que a gen­te faz”, de­cla­rou Mi­ran­da.

Ou­tro pon­to con­si­de­ra­do sus­pei­to pe­lo Co­af é a evo­lu­ção pa­tri­mo­ni­al do de­pu­ta­do. Em 2016, quan­do foi elei­to ve­re­a­dor no Rio de Ja­nei­ro, Da­vid Mi­ran­da de­cla­rou um pa­trimô­nio de R$ 74.825. Já em 2018, ele de­cla­rou R$ 353,4 mil, co­mo pa­trimô­nio.

O Co­af tam­bém sus­pei­ta que o ga­bi­ne­te do par­la­men­tar exer­ça a ati­vi­da­de cri­mi­no­sa cha­ma­da de “ra­cha­di­nha”, que é quan­do os fun­ci­o­ná­ri­os são co­a­gi­dos a de­vol­ve­rem par­te do sa­lá­rio ao par­la­men­tar.

“Es­tou pron­ta­men­te pa­ra en­tre­gar to­das as do­cu­men­ta­ções [ao juiz]. Eu já pe­di pa­ra to­dos os ad­vo­ga­dos, to­dos os con­ta­do­res e se­ma­na que vem eu já es­tou apre­sen­tan­do di­re­ta­men­te ao juiz, que ne­gou a que­bra [de si­gi­lo] da mi­nha con­ta e dos fun­ci­o­ná­ri­os”, dis­se o par­la­men­tar.

O juiz em ques­tão é o ti­tu­lar da 16ª Va­ra da Fa­zen­da Pú­bli­ca do Rio de Ja­nei­ro, Mar­ce­lo Mar­tins Eva­ris­to da Sil­va. Ele ne­gou na se­ma­na pas­sa­da a que­bra de si­gi­lo ban­cá­rio do de­pu­ta­do e de seus as­ses­so­res. O juiz Mar­ce­lo Mar­tins con­si­de­rou que an­tes da que­bra de si­gi­lo, tan­to o de­pu­ta­do, quan­to os as­ses­so­res, de­vem ser ou­vi­dos.

Da­vid Mi­ran­da en­cer­rou a en­tre­vis­ta fa­zen­do uma pro­vo­ca­ção ao pre­si­den­te Bol­so­na­ro e sua fa­mí­lia. “Eu co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral, eu co­mo ve­re­a­dor te­nho mi­nhas con­tas aber­tas e es­tou in­do apre­sen­tar ao juiz e tu­do vai ser es­cla­re­ci­do, es­pe­ro que a fa­mí­lia Bol­so­na­ro fa­ça o mes­mo”, fi­na­li­zou o de­pu­ta­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,