A Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos apro­vou nes­ta quarta-feira(18) pro­je­to de lei que mu­da as re­gras do fun­do par­ti­dá­rio. O tex­to se­gue pa­ra pro­mul­ga­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. O tex­to não es­ta­be­le­ce va­lor pa­ra o fun­do, que se­rá de­fi­ni­do na dis­cus­são do or­ça­men­to pa­ra o pró­xi­mo ano. A ex­pec­ta­ti­va de boa par­te dos par­ti­dos é a de que o va­lor de R$ 1,7 bi­lhão dis­tri­buí­do em 2018 se­ja re­a­jus­ta­do aci­ma da in­fla­ção pa­ra a elei­ção de 2020.

Luis Macedo/​Agência Câ­ma­ra


Aumento do fundo eleitoral é aprovado na Câmara

Os de­pu­ta­dos re­jei­ta­ram a ver­são re­du­zi­da do PL apro­va­da pe­lo Se­na­do na noi­te de terça-​feira (17) e vo­ta­ram o tex­to tal co­mo ele ha­via saí­do da Câ­ma­ra, mas com mo­di­fi­ca­ções me­no­res. Um dos pon­tos de mai­or crí­ti­ca foi re­mo­vi­do pe­los de­pu­ta­dos na noi­te des­ta quarta-​feira. O tre­cho re­ti­ra­va a obri­ga­to­ri­e­da­de dos par­ti­dos pa­dro­ni­za­rem su­as pres­ta­ções de con­tas no sis­te­ma on­li­ne do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE). A fal­ta de pa­dro­ni­za­ção di­fi­cul­ta­ria a trans­pa­rên­cia e o aces­so aos da­dos de par­ti­dos pe­lo ci­da­dão.

Ou­tros três pon­tos fo­ram ex­cluí­dos no re­la­tó­rio do de­pu­ta­do Wil­son San­ti­a­go (PTB-​PB). Foi re­jei­ta­do tre­cho que pre­via mul­ta de 20% em pres­ta­ções de con­tas ir­re­gu­la­res so­men­te se for com­pro­va­da a in­ten­ção de frau­dar. As­sim, a mul­ta po­de­rá ser apli­ca­da in­clu­si­ve se não hou­ver es­sa in­ten­ção.

O de­pu­ta­do do PTB tam­bém re­tor­nou os pra­zos atu­ais de pres­ta­ção de con­tas por par­te dos par­ti­dos, em vez de ape­nas em ju­nho do ano se­guin­te. O úl­ti­mo pon­to com su­ges­tão de ex­clu­são é o que per­mi­tia aos par­ti­dos cor­ri­gi­rem er­ros for­mais e ma­te­ri­ais, omis­sões ou atra­sos em sua pres­ta­ção de con­tas até o seu jul­ga­men­to pa­ra evi­tar a re­jei­ção das mes­mas.

Versão rejeitada do Senado

Ao de­li­be­rar so­bre a ma­té­ria na terça-​feira, o Se­na­do de­ci­diu re­jei­tar qua­se que a in­te­gra­li­da­de do tex­to.

Os se­na­do­res man­ti­ve­ram ape­nas o ar­ti­go que ga­ran­te o fi­nan­ci­a­men­to das cam­pa­nhas mu­ni­ci­pais do pró­xi­mo ano pa­ra evi­tar que as no­vas re­gras per­mi­tis­sem o au­men­to dos gas­tos pú­bli­cos e pos­sí­veis bre­chas pa­ra a prá­ti­ca de cor­rup­ção e cai­xa dois nas cam­pa­nhas elei­to­rais.

O acor­do pa­ra re­jei­tar a mai­or par­te do tex­to re­ce­bi­do da Câ­ma­ra foi cons­truí­do na reu­nião de lí­de­res do Se­na­do co­mo uma res­pos­ta às crí­ti­cas da so­ci­e­da­de e dos pró­pri­os se­na­do­res que não con­cor­da­vam com a ma­té­ria e pla­ne­ja­vam obs­truir a vo­ta­ção.

Os se­na­do­res ar­gu­men­ta­ram que, do jei­to que veio da Câ­ma­ra, o pro­je­to de lei po­de­ria in­flar o fun­do elei­to­ral e ain­da re­du­zir a trans­pa­rên­cia des­ses re­cur­sos, por per­mi­tir, en­tre ou­tras coi­sas, que os par­ti­dos po­lí­ti­cos usas­sem es­sa ver­ba pa­ra pa­gar ad­vo­ga­dos pa­ra can­di­da­tos e pas­sa­gens aé­re­as a pes­so­as li­ga­das às si­glas.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,