O ex-​senador Aloy­sio Nu­nes (SP), que de­fen­deu o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff e foi chan­ce­ler do go­ver­no Te­mer, re­ve­lou em en­tre­vis­ta pu­bli­ca­da pe­la Fo­lha de São Pau­lo nes­ta sexta-​feira (27) que re­viu al­gu­mas opi­niões so­bre o afas­ta­men­to da pe­tis­ta di­an­te da di­vul­ga­ção de men­sa­gens atri­buí­das a pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to pe­lo si­te The In­ter­cept. Ele acre­di­ta que hou­ve “ma­ni­pu­la­ção po­lí­ti­ca do im­pe­a­ch­ment” com a di­vul­ga­ção, por par­te da La­va Ja­to, de diá­lo­gos en­tre Lu­la e Dil­ma.

Agên­cia Bra­sil


Aloysio Nunes critica Operação Lava Jato

“O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral aca­bou por bar­rar a pos­se do Lu­la [co­mo mi­nis­tro de Dil­ma] com ba­se em uma di­vul­ga­ção par­ci­al de diá­lo­go, fei­ta por eles, Mo­ro e seus su­bor­di­na­dos, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Eles ma­ni­pu­la­ram o im­pe­a­ch­ment, ven­de­ram pei­xe po­dre pa­ra o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Is­so é mui­to gra­ve”, afir­mou, ad­mi­tin­do que o PSDB ex­plo­rou es­ses diá­lo­gos à épo­ca. “Eu fui a fa­vor do im­pe­a­ch­ment. […] Co­mo uma pre­si­den­te não con­se­gue ter 173 vo­tos pa­ra bar­rar o im­pe­a­ch­ment, que pra­ti­cou atos que, à luz da pró­pria le­gis­la­ção, cons­ti­tuiu cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de, não ha­via co­mo a man­ter no po­der”, ar­gu­men­tou.

Al­vo da La­va Ja­to, Nu­nes não pou­pou crí­ti­cas à ope­ra­ção e in­di­cou que o ca­so de Dil­ma não foi a úni­ca de­ci­são du­vi­do­sa da La­va Ja­to. Ele co­lo­ca em dú­vi­da, in­clu­si­ve, a de­la­ção do ex-​presidente da OAS, Leo Pi­nhei­ro, que le­vou a sua in­ves­ti­ga­ção. “Acho que os diá­lo­gos di­vul­ga­dos pe­lo In­ter­cept e por vá­ri­os veí­cu­los, en­tre os quais a Fo­lha, ca­rim­bam mui­tos des­ses pro­ce­di­men­tos de ab­so­lu­ta ile­gi­ti­mi­da­de”, afir­mou, fa­lan­do até da con­du­ta do en­tão juiz Ser­gio Mo­ro e dos pro­cu­ra­do­res de Cu­ri­ti­ba. “Não é pos­sí­vel, em um pro­ces­so ju­di­ci­al, em um país ci­vi­li­za­do, um juiz e os pro­cu­ra­do­res se com­por­ta­rem da for­ma co­mo se com­por­ta­ram. Pro­ces­so ju­di­ci­al exi­ge um juiz in­de­pen­den­te, im­par­ci­al, que dê iguais opor­tu­ni­da­des tan­to à de­fe­sa quan­to ao Es­ta­do pro­va­rem seus ar­gu­men­tos”, acres­cen­tou Nu­nes.

Por fim, o ex-​senador in­di­cou que não con­cor­da mais com a pró­pria afir­ma­ção, de 2016, de que nin­guém po­de­ria bar­rar a La­va Ja­to e co­brou pro­vi­dên­ci­as so­bre os fa­tos di­vul­ga­dos pe­lo In­ter­cept. “De­pois das re­ve­la­ções, eu fi­co pro­fun­da­men­te cho­ca­do com o que acon­te­ceu na La­va Ja­to. Acho que o Su­pre­mo ti­nha que to­mar pro­vi­dên­ci­as, uma vez que o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça não sei se to­ma­rá”, dis­se.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,