O ex-​procurador ge­ral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not pen­sou em ma­tar o mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Gil­mar Men­des no au­ge das in­ves­ti­ga­ções da La­va Ja­to, em 2017. O pla­no, aban­do­na­do no úl­ti­mo ins­tan­te, foi re­ve­la­do por Ja­not em en­tre­vis­ta à Re­vis­ta Ve­ja. “Ia dar um ti­ro e me sui­ci­dar”, ad­mi­tiu o ex-​procurador, que na pró­xi­ma se­ma­na lan­ça o li­vro Na­da Me­nos que Tu­do pa­ra re­ve­lar es­se e ou­tros bas­ti­do­res das in­ves­ti­ga­ções da força-​tarefa da La­va Ja­to.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Janot admite que quase matou Gilmar Mendes em um livro que vai lançar na próxima semana contando bastidores da Lava Jato

“Num dos mo­men­tos de dor agu­da, de ira ce­ga, bo­tei uma pis­to­la car­re­ga­da na cin­tu­ra e por mui­to pou­co não des­car­re­guei na ca­be­ça de uma au­to­ri­da­de de lín­gua fe­ri­na que, em meio àque­la al­ga­ra­via or­ques­tra­da pe­los in­ves­ti­ga­dos, re­sol­ve­ra fa­zer gra­ça com mi­nha fi­lha. Só não hou­ve o ges­to ex­tre­mo por­que, no ins­tan­te de­ci­si­vo, a mão in­vi­sí­vel do bom sen­so to­cou meu om­bro e dis­se: não”, re­ve­la Ja­not no li­vro Na­da Me­nos que Tu­do.

Os atri­tos en­tre Ja­not e Gil­mar Men­des eram vi­sí­veis na épo­ca. Mas, se­gun­do o ex-​procurador ge­ral da Re­pú­bli­ca, es­se epi­só­dio só pas­sou pe­la sua ca­be­ça quan­do o mi­nis­tro do STF fez crí­ti­cas a sua fi­lha. Foi de­pois que Ja­not pe­diu ao STF que Men­des não par­ti­ci­pas­se do pro­ces­so so­bre o em­pre­sá­rio Ei­ke Ba­tis­ta, ale­gan­do que a es­po­sa do mi­nis­tro tra­ba­lha­va no mes­mo es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia que de­fen­dia Ei­ke. É que, após is­so, sur­gi­ram no­tí­ci­as de que a fi­lha de Ja­not ad­vo­ga­va pa­ra em­pre­sas in­ves­ti­ga­das pe­la La­va Ja­to. O ex-​procurador ne­gou as acu­sa­ções, mas as cre­di­tou a Gil­mar Men­des.

“Es­se ins­pe­tor Ja­vert da hu­ma­ni­da­de re­sol­veu equi­li­brar o jo­go en­vol­ven­do a mi­nha fi­lha in­de­vi­da­men­te. Tu­do na vi­da tem li­mi­te. Na­que­le dia, che­guei ao meu li­mi­te. Fui ar­ma­do pa­ra o Su­pre­mo. Ia dar um ti­ro na ca­ra de­le e de­pois me sui­ci­da­ria. Es­ta­va mo­vi­do pe­la ira. Não ha­via es­cri­to car­ta de des­pe­di­da, não con­se­guia pen­sar em mais na­da. Tam­bém não dis­se a nin­guém o que eu pre­ten­dia fa­zer”, re­ve­lou Ja­not, que de­pois de de­sis­tir do pla­no pe­diu pa­ra sair do STF di­zen­do que não es­ta­va se sen­tin­do bem. “Acho que ele [Men­des] nem per­ce­beu que es­te­ve per­to da mor­te”, con­clui Ja­not, que diz ter pa­ra­do de an­dar ar­ma­do de­pois des­se epi­só­dio.

Ja­not ain­da fa­la de ou­tras au­to­ri­da­des en­vol­vi­das na La­va Ja­to na en­tre­vis­ta so­bre o li­vro Na­da Me­nos que Tu­do. So­bre Lu­la, por exem­plo, dis­se ter cer­te­za que o ex-​presidente é cor­rup­to. O mes­mo ca­be a Mi­chel Te­mer, Fer­nan­do Col­lor e Edu­ar­do Cu­nha. Cu­nha, por si­nal, foi ta­xa­do de “o pi­or dos cri­mi­no­sos” por­que Ja­not acre­di­ta que o ex-​presidente da Câ­ma­ra es­te­ve por trás de uma in­va­são a sua re­si­dên­cia. “A par­tir de 2014, mi­nha vi­da vi­rou um in­fer­no”, ad­mi­tiu.

Já so­bre Dil­ma, o ex-​procurador ge­ral diz que o pro­ble­ma não foi cor­rup­ção, mas ten­tar atra­pa­lhar as in­ves­ti­ga­ções no­me­an­do Lu­la mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil. Ele ain­da con­tou ter re­ce­bi­do um con­vi­te de Aé­cio Ne­ves pa­ra ser o vi­ce da can­di­da­tu­ra à pre­si­dên­cia do en­tão se­na­dor.

Ja­not ain­da co­men­tou a atu­a­ção do en­tão juiz Ser­gio Mo­ro. Ele dis­se que as con­ver­sas re­ve­la­das pe­lo The In­ter­cept po­dem ge­rar um ques­ti­o­na­men­to éti­co so­bre a im­par­ci­a­li­da­de de Mo­ro, mas não atra­pa­lha­ram tec­ni­ca­men­te a con­du­ção dos pro­ces­sos. O ex-​procurador ge­ral da Re­pú­bli­ca, con­tu­do, ad­mi­te que achou du­vi­do­sas al­gu­mas das de­ci­sões dos pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to. Ele dis­se que se ar­re­pen­deu de ter de­le­ga­do à força-​tarefa de Cur­ti­ba o di­rei­to de fe­char as pri­mei­ras co­la­bo­ra­ções pre­mi­a­das da ope­ra­ção por­que as de­la­ções de Pau­lo Ro­ber­to Cos­ta e Al­ber­to Yous­sef fo­ram “mui­to ra­sas” e por­que o pri­mei­ro inqué­ri­to con­tra Edu­ar­do Cu­nha es­ta­va “mui­to ruim”.

“Ques­ti­o­nei a res­pei­to. Re­ce­bi co­mo res­pos­ta que o ob­je­ti­vo de­les era ‘ho­ri­zon­ta­li­zar as in­ves­ti­ga­ções, e não ver­ti­ca­li­zar’. Achei es­tra­nho. De­ter­mi­na­das de­ci­sões po­de­ri­am es­tar sen­do to­ma­das com ob­je­ti­vos po­lí­ti­cos? Os pro­cu­ra­do­res de­ci­di­ram, por exem­plo, de­nun­ci­ar o ex-​presidente Lu­la por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro e, no ca­so da la­va­gem, uti­li­za­ram co­mo em­ba­sa­men­to par­te de uma in­ves­ti­ga­ção mi­nha, que eu nem ti­nha con­cluí­do ain­da. Mas não hou­ve ne­nhum com­plô po­lí­ti­co”, afir­mou Ja­not em en­tre­vis­ta à Ve­ja.

Ro­dri­go Ja­not ga­ran­te, por sua vez, que sua in­ten­ção não é dei­xar ne­nhu­ma con­clu­são so­bre as in­ves­ti­ga­ções da La­va Ja­to. Ao con­trá­rio, a ideia do li­vro Na­da Me­nos que Tu­do é dei­xar um re­la­to pes­so­al dos qua­tro anos em que es­te­ve à fren­te da Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca e da La­va Ja­to pa­ra que as pes­so­as ti­rem su­as pró­pri­as con­clu­sões so­bre a ope­ra­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,