A re­for­ma de Pre­vi­dên­cia foi apro­va­da, em pri­mei­ro tur­no, no ple­ná­rio do Se­na­do na noi­te des­ta terça-​feira (1º). Fo­ram 56 vo­tos fa­vo­rá­veis e 19 vo­tos con­trá­ri­os à pro­pos­ta em uma vo­ta­ção que se es­ten­deu por qua­se qua­tro ho­ras, mas cor­reu de for­ma bem mais tran­qui­la que a da Câ­ma­ra. A re­for­ma ain­da vai en­fren­tar o se­gun­do tur­no de vo­ta­ção no Se­na­do nos pró­xi­mos di­as.

Mar­cos Oliveira/​Agência Se­na­do


Plenário do Senado votou a reforma da Previdência nesta terça-feira (1º). Segundo turno deve ocorrer até dia 10

A mar­gem de apro­va­ção da re­for­ma, que pre­ci­sa­va de 49 vo­tos pa­ra ser apro­va­da, es­tá um pou­co abai­xo da ex­pec­ta­ti­va do go­ver­no, que es­pe­ra­va re­ce­ber cer­ca de 58 a 60 vo­tos a fa­vor da mu­dan­ça das re­gras pre­vi­den­ciá­ri­as. “O pla­car se­rá um re­fle­xo da CCJ [Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça]”, che­gou a di­zer o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), lem­bran­do que, an­tes de ir ao ple­ná­rio, a pro­pos­ta de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia foi apro­va­da por 17 vo­tos a dez na CCJ.

Es­ta mar­gem ain­da po­de mu­dar no se­gun­do tur­no, ini­ci­al­men­te mar­ca­do pa­ra o pró­xi­mo dia 10. É que al­guns se­na­do­res, da opo­si­ção e tam­bém da ba­se do go­ver­no, ame­a­çam atra­sar e obs­truir a vo­ta­ção em se­gun­do tur­no, ca­so a pau­ta fe­de­ra­ti­va não avan­ce. Co­mo con­tra­par­ti­da à vo­ta­ção, eles pe­dem que a Câ­ma­ra e o go­ver­no as­se­gu­rem a di­vi­são dos re­cur­sos do pré-​sal com es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os an­tes da re­for­ma ser pau­ta­da no ple­ná­rio.

Por con­ta des­sa co­bran­ça, a opo­si­ção de­ci­diu não obs­truir a vo­ta­ção em pri­mei­ro tur­no nes­ta terça-​feira. Dez des­ta­ques, con­tu­do, fo­ram apre­sen­ta­dos ao texto-​base. Os des­ta­ques su­ge­rem mu­dan­ças em pon­tos da re­for­ma co­mo a ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria, a re­gra de tran­si­ção, o abo­no sa­la­ri­al, a pen­são por mor­te e as apo­sen­ta­do­ri­as es­pe­ci­ais - pon­tos que, se­gun­do a opo­si­ção, con­ti­nu­am pre­ju­di­can­do os mais po­bres. As emen­das que mais pre­o­cu­pam o go­ver­no tra­tam da re­ti­ra­da da ida­de mí­ni­ma pa­ra apo­sen­ta­do­ri­as es­pe­ci­ais e de cri­té­ri­os mais bran­dos pa­ra o pa­ga­men­to do abo­no sa­la­ri­al.

A vo­ta­ção dos des­ta­ques co­me­çou lo­go de­pois da apro­va­ção do texto-​base, ape­sar do ape­lo de al­guns se­na­do­res da ba­se do go­ver­no pa­ra que es­sa vo­ta­ção ocor­res­se em ou­tro dia, pa­ra que o quó­rum não di­mi­nuís­se e afas­tas­se a chan­ce de re­jei­tar to­dos os des­ta­ques apre­sen­ta­dos no ple­ná­rio, co­mo ocor­reu na CCJ.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,