O Se­na­do re­jei­tou a pro­pos­ta do go­ver­no de en­du­re­cer as re­gras do abo­no sa­la­ri­al atra­vés da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. É que o ple­ná­rio de­ci­diu apro­var um des­ta­que da opo­si­ção pa­ra man­ter as re­gras atu­ais do abo­no sa­la­ri­al. Com is­so, o be­ne­fí­cio con­ti­nu­a­rá sen­do pa­go a quem ga­nha até dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos, o que re­du­zi­rá o im­pac­to fis­cal da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia em R$ 76,4 bi­lhões nos pró­xi­mos dez anos.

Ro­que de Sá/​Agência Se­na­do


Oposição comemora aprovação do destaque que evita o endurecimento das regras do abono salarial

Com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a ideia do go­ver­no era res­trin­gir a par­ce­la da po­pu­la­ção que tem aces­so ao abo­no sa­la­ri­al, en­tre­gan­do o be­ne­fí­cio ape­nas aos tra­ba­lha­do­res que ga­nham até R$1.364 - va­lor que de­fi­ne a bai­xa ren­da no Bra­sil, se­gun­do o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-​PE). A opo­si­ção, con­tu­do, vi­nha re­fu­tan­do es­sa te­se des­de a Câ­ma­ra. Os des­ta­ques so­bre o abo­no, po­rém, ha­vi­am si­do re­jei­ta­dos tan­to pe­los de­pu­ta­dos quan­to pe­la Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça do Se­na­do. Só no ple­ná­rio do Se­na­do, a opo­si­ção con­se­guiu em­pla­car es­se des­ta­que, em uma vo­ta­ção ocor­ri­da por vol­ta da meia-​noite des­ta terça-​feira (1º), com o quó­rum que ga­ran­tiu a apro­va­ção do texto-​base da re­for­ma já di­mi­nuin­do.

Es­te foi o úni­co dos qua­tro des­ta­ques ava­li­a­dos no ple­ná­rio nes­ta terça-​feira (1º) apro­va­do pe­los se­na­do­res. O des­ta­que re­ce­beu 42 vo­tos con­trá­ri­os e 30 fa­vo­rá­veis, mas pre­ci­sa­va de 49 vo­tos con­trá­ri­os pa­ra ser re­jei­ta­do. Ve­ja aqui co­mo ca­da se­na­dor vo­tou. Au­to­ra da emen­da que ga­ran­te a ma­nu­ten­ção das re­gras atu­ais do abo­no sa­la­ri­al, a lí­der do Ci­da­da­nia no Se­na­do, Eli­zi­a­ne Ga­ma (MA), co­me­mo­rou o re­sul­ta­do da vo­ta­ção. “Foi uma gran­de vi­tó­ria, pois as­sim fi­ca va­len­do a re­gra atu­al que be­ne­fi­cia quem ga­nha até dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos. Fi­ze­mos jus­ti­ça com quem ga­nha me­nos”, ava­li­ou.

Se­na­do­res da ba­se do go­ver­no re­co­nhe­ce­ram que es­ta vo­ta­ção re­pre­sen­ta uma der­ro­ta pa­ra o go­ver­no e a con­se­quen­te de­si­dra­ta­ção da re­for­ma. Por is­so, pe­di­ram pa­ra sus­pen­der a vo­ta­ção dos des­ta­ques apre­sen­ta­dos à ma­té­ria pa­ra po­der se re­or­ga­ni­zar. A opo­si­ção cri­ti­cou o pe­di­do, por acre­di­tar que es­ta vo­ta­ção e a re­du­ção do quó­rum po­de­ri­am pro­pi­ci­ar a apro­va­ção de no­vos des­ta­ques que po­de­ri­am mu­dar o tex­to da re­for­ma. A de­ci­são de sus­pen­der a vo­ta­ção dos des­ta­ques foi, en­tão, ava­li­a­da em ple­ná­rio, on­de a mai­or par­te dos lí­de­res con­cor­dou em con­cluir a vo­ta­ção dos des­ta­ques na ma­nhã des­ta quarta-​feira (2).

“Fal­ta­ram se­te vo­tos pa­ra que pu­dés­se­mos man­ter o tex­to do re­la­tor. Mas acho que ama­nhã é ou­tro dia”, co­men­tou o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho, que vai con­ver­sar com os de­mais lí­de­res par­ti­dá­ri­os pa­ra ten­tar ga­ran­tir a re­jei­ção dos des­ta­ques que ain­da se­rão vo­ta­dos. “Va­mos con­ver­sar pa­ra cha­mar aten­ção pa­ra a im­por­tân­cia de man­ter o im­pac­to fis­cal da re­for­ma”, afir­mou Be­zer­ra Co­e­lho, que ad­mi­tiu: o im­pac­to da apro­va­ção do des­ta­que que tra­ta do abo­no sa­la­ri­al é sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra a es­ti­ma­ti­va de eco­no­mia da re­for­ma. “Re­duz de R$ 870 bi­lhões pa­ra R$ 800 bi­lhões”, dis­se o lí­der.

Pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) re­for­çou que o go­ver­no pre­ci­sa se re­or­ga­ni­zar pa­ra evi­tar no­vas der­ro­tas na vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Afi­nal, nes­ta ter­ça, o Se­na­do vo­tou ape­nas qua­tro dos dez des­ta­ques apre­sen­ta­dos ao tex­to. En­tre os seis que ain­da se­rão ava­li­a­dos es­tão os que tra­tam da ida­de mí­ni­ma em apo­sen­ta­do­ri­as es­pe­ci­ais e da re­gra de tran­si­ção. “O go­ver­no pre­ci­sa­va atu­ar aten­ta­men­te pa­ra não es­va­zi­ar o ple­ná­rio. Se os se­na­do­res que vo­ta­ram o tex­to prin­ci­pal es­ti­ves­sem aqui, te­ría­mos os 56 vo­tos em to­dos os tex­tos”, ava­li­ou Al­co­lum­bre, que dis­se ter vis­to al­guns dos se­na­do­res que vo­ta­ram a fa­vor do texto-​base dei­xa­rem o ple­ná­rio na vo­ta­ção dos des­ta­ques, re­du­zin­do a ba­se de apoio do go­ver­no. “Eu per­gun­tei a al­guns lí­de­res se po­de­ría­mos con­ti­nu­ar com a vo­ta­ção, mas os lí­de­res se ma­ni­fes­ta­ram pa­ra con­ti­nu­ar a vo­ta­ção. Eu iden­ti­fi­quei a au­sên­cia de al­guns se­na­do­res, mas o ple­ná­rio não iden­ti­fi­cou”, al­fi­ne­tou o pre­si­den­te do Se­na­do.

Lí­der do PSL no Se­na­do, Ma­jor Olim­pio (SP) ad­mi­tiu que o go­ver­no não per­ce­beu es­se en­fra­que­ci­men­to an­tes da vo­ta­ção do des­ta­que so­bre o abo­no sa­la­ri­al. “Se ti­vés­se­mos an­te­vis­to al­gu­ma si­tu­a­ção, não te­ría­mos nem co­lo­ca­do a vo­ta­ção”, la­men­tou, di­zen­do que foi acer­ta­da a de­ci­são de Be­zer­ra Co­e­lho de pe­dir a sus­pen­são da vo­ta­ção dos des­ta­ques nes­ta ter­ça.

Por fim, Al­co­lum­bre ga­ran­tiu que o adi­a­men­to da vo­ta­ção dos des­ta­ques não vai com­pro­me­ter o ca­len­dá­rio de vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no Se­na­do, que pre­vê a apro­va­ção da ma­té­ria na pri­mei­ra quin­ze­na de ou­tu­bro. Lí­de­res da opo­si­ção, con­tu­do, não que­rem que ha­ja que­bra de in­ters­tí­cio só pa­ra que es­se ca­len­dá­rio se­ja cum­pri­do. Mui­tos se­na­do­res ain­da ame­a­ça­ram obs­truir a vo­ta­ção em se­gun­do tur­no pa­ra co­brar o an­da­men­to de pau­tas fe­de­ra­ti­vas co­mo a par­ti­lha dos re­cur­sos do pré-​sal com es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Por is­so, mes­mo en­tre al­guns lí­de­res da ba­se do go­ver­no, o cli­ma ain­da é de in­cer­te­za em re­la­ção à da­ta do se­gun­do tur­no da Pre­vi­dên­cia.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,