O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Gil­mar Men­des fez um dis­cur­so in­ci­si­vo con­tra mé­to­dos em­pre­ga­dos pe­la força-​tarefa da La­va Ja­to nes­ta quarta-​feira (2), du­ran­te o jul­ga­men­to de um re­cur­so que po­de afe­tar as con­de­na­ções da ope­ra­ção. Em de­ter­mi­na­do mo­men­to em que fa­la­va da ope­ra­ção, ele fez uma com­pa­ra­ção com as mi­lí­ci­as.

Nel­son Jr/​STF


Gilmar Mendes afirmou que prisões preventivas era método de tortura

“É pre­ci­so o com­ba­te à cor­rup­ção den­tro do es­ta­do de di­rei­to. Não se po­de com­ba­ter a cor­rup­ção co­me­ten­do cri­mes, ame­a­çan­do pes­so­as, exi­gin­do de­la­ções ou fa­zen­do acor­dos, ten­do ir­mão co­mo ir­mão por­que pas­sam as de­la­ções. Tu­do is­so não é com­pa­tí­vel com a or­dem do es­ta­do de di­rei­to. As­sim se ins­ta­lam as mi­lí­ci­as bra­si­lei­ras. Es­qua­drão da Mor­te é fru­to dis­to. É pre­ci­so ter cui­da­do. Quem in­ves­ti­ga tem que ob­ser­var o es­ta­do de di­rei­to”, dis­se.

O mi­nis­tro cri­ti­cou tam­bém a quan­ti­da­de de pri­sões pre­ven­ti­vas fei­ta pe­la ope­ra­ção e ci­tou di­ver­sas ve­zes as re­por­ta­gens do si­te The In­ter­cept Bra­sil. De acor­do com ele, “o Bra­sil vi­veu uma era de tre­vas no que diz res­pei­to ao pro­ces­so pe­nal”.

“Ho­je se sa­be de ma­nei­ra mui­to cla­ra, e o In­ter­cept es­tá ai pa­ra con­fir­mar – e nun­ca foi des­men­ti­do, que: usava-​se a pri­são pro­vi­só­ria co­mo ele­men­to de tor­tu­ra. Custa-​me di­zer is­so no Ple­ná­rio, mas era ins­tru­men­to de tor­tu­ra. E quem de­fen­de tor­tu­ra não po­de ter as­sen­to na Cor­te Cons­ti­tu­ci­o­nal”, afir­mou.

Se­gun­do Gil­mar, no “ema­ra­nha­do de acor­dos” ne­go­ci­a­dos pe­la força-​tarefa de Cu­ri­ti­ba se viu “de tu­do”. Co­mo exem­plo, ele ci­tou o acor­do de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da do ex-​presidente da Trans­pe­tro Sér­gio Ma­cha­do, que se­ria “tal­vez, o mais en­ge­nho­so e in­ven­ti­vo que a La­va Ja­to po­de ter pro­du­zi­do”.

O ma­gis­tra­do ci­tou ain­da o pro­je­to das Dez Me­di­das An­ti­cor­rup­ção, afir­man­do que o tex­to era “im­pró­prio”. Ele brin­cou que se­ria um “pro­fe­ta” pois per­ce­beu, ain­da em 2016, que “os fal­sos he­róis” iri­am “en­cher ce­mi­té­ri­os”. “Is­so eu fa­la­va em 2016 e acon­te­ceu”, afir­mou.

“O re­su­mo da ópe­ra é: vo­cê não com­ba­te cri­me co­me­ten­do cri­me; nin­guém po­de se achar o “o” do bo­ro­go­dó; ca­da um vai ter o seu ta­ma­nho no fi­nal da his­tó­ria; um pou­co mais de mo­des­ta; cal­cem a san­dá­lia da hu­mil­da­de”, dis­se.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,