A Co­mis­são de Meio Am­bi­en­te (CMA) do Se­na­do pro­mo­veu uma au­di­ên­cia pú­bli­ca pa­ra dis­cu­tir es­tra­té­gi­as e bo­as prá­ti­cas de ges­tão e go­ver­nan­ça em Uni­da­des de Con­ser­va­ção Fe­de­rais nes­ta quinta-​feira (3). Po­rém, te­ve o de­ba­te des­fal­ca­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral. É que o Ins­ti­tu­to Chi­co Men­des de Con­ser­va­ção da Bi­o­di­ver­si­da­de (ICM­Bio) não au­to­ri­zou três de seus ser­vi­do­res, que ha­vi­am si­do con­vi­da­dos pa­ra a au­di­ên­cia pú­bli­ca, a com­pa­re­cer ao Se­na­do.

Ge­ral­do Magela/​Agência Se­na­do


Presidente da CMA, Fabiano Contarato convidou três servidores do ICMBio para uma audiência pública, mas foi informado pelo órgão que eles não poderiam comparecer

O ór­gão ale­gou que os ser­vi­do­res es­ta­vam em­pe­nha­dos no aten­di­men­to de ou­tras de­man­das, mas uma re­pre­sen­tan­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Ser­vi­do­res da Car­rei­ra de Es­pe­ci­a­lis­ta em Meio Am­bi­en­te (As­ce­ma) afir­mou que a au­sên­cia re­ve­la­va a “mor­da­ça” vi­vi­da pe­los ser­vi­do­res de ór­gãos co­mo o ICM­Bio e o Iba­ma.

Ao abrir a au­di­ên­cia pú­bli­ca, o pre­si­den­te da CMA, se­na­dor Fa­bi­a­no Con­ta­ra­to (Rede-​ES), con­vi­dou os de­ba­te­do­res pa­ra a me­sa e in­for­mou que “tam­bém ha­vi­am si­do con­vi­da­dos ana­lis­tas am­bi­en­tais do ICM­Bio, com lar­ga ex­pe­ri­ên­cia em uni­da­des de con­ser­va­ção, que não fo­ram li­be­ra­dos pe­lo ór­gão a com­pa­re­cer a es­se de­ba­te”. Foi a dei­xa pa­ra a secretária-​executiva da As­ce­ma, Eli­za­beth Ue­ma, que foi co­mo ou­vin­te pa­ra a au­di­ên­cia pú­bli­ca, pe­dir a pa­la­vra pa­ra fa­lar da atu­al ges­tão dos ór­gãos fe­de­rais de pro­te­ção am­bi­en­tal.

“Não pos­so dei­xar de ca­lar em re­la­ção ao que es­tá acon­te­cen­do e que vem ge­rar es­sa proi­bi­ção dos ser­vi­do­res de com­pa­re­ce­rem a uma au­di­ên­cia pú­bli­ca cha­ma­da pe­lo Se­na­do Fe­de­ral. Is­so faz par­te, na nos­sa ava­li­a­ção, e nós te­mos mui­ta tran­qui­li­da­de pa­ra di­zer is­so, de to­do o pro­ces­so de mor­da­ça que foi in­frin­gi­do aos ór­gãos am­bi­en­tais e às au­tar­qui­as, que a ri­gor de­ve­ri­am ter au­to­no­mia”, afir­mou Eli­za­beth Ue­ma, que é ser­vi­do­ra do Iba­ma. “Nem o Ins­ti­tu­to Chi­co Men­des, nem o Iba­ma po­dem se pro­nun­ci­ar, se di­ri­gir à im­pren­sa ou pres­tar qual­quer ti­po de in­for­ma­ção que não pas­se pe­lo ga­bi­ne­te do mi­nis­tro Ri­car­do Sal­les”, re­ve­lou a se­cre­tá­ria da As­ce­ma.

Ela la­men­tou, en­tão, a au­sên­cia dos ser­vi­do­res do ICM­Bio na au­di­ên­cia pú­bli­ca, lem­bran­do que a pre­sen­ça de­les se­ria im­por­tan­te pa­ra es­te de­ba­te já que “o Ins­ti­tu­to Chi­co Men­des é o prin­ci­pal ór­gão ges­tor de uni­da­des de con­ser­va­ção do país e os seus ser­vi­do­res são os que de­têm o co­nhe­ci­men­to e a prá­ti­ca da ges­tão am­bi­en­tal pú­bli­ca e da ges­tão par­ti­ci­pa­ti­va das uni­da­des de con­ser­va­ção”. “La­men­tar que es­se ti­po de mor­da­ça es­te­ja se es­ten­den­do aos téc­ni­cos, que vi­ri­am aqui fa­lar da sua prá­ti­ca, do seu dia a dia e con­tri­buir com a ges­tão am­bi­en­tal pú­bli­ca”, fi­na­li­zou Eli­za­beth.

Con­ta­ra­to re­ce­beu com sur­pre­sa o de­poi­men­to de Eli­za­beth e se co­lo­cou à dis­po­si­ção pa­ra “coi­bir qual­quer ti­po de mor­da­ça, cen­su­ra, re­pres­são e as­sé­dio mo­ral”. “Re­pu­dio qual­quer ato que ve­nha ca­rac­te­ri­zar mor­da­ça em um se­tor e em um mo­men­to tão de­li­ca­do co­mo o que pas­sa o es­ta­do e o meio am­bi­en­te bra­si­lei­ro”, afir­mou Con­ta­ra­to.

Quem es­ta­va na ses­são lem­brou que ou­tros ca­sos de ques­ti­o­na­men­to dos da­dos am­bi­en­tais bra­si­lei­ros já ha­vi­am re­per­cu­ti­ram ne­ga­ti­va­men­te na ima­gem na­ci­o­nal nos úl­ti­mos me­ses. A dis­cus­são so­bre os da­dos do In­pe que mos­tram o avan­ço do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia é um exem­plo, as­sim co­mo as de­nún­ci­as de cen­su­ra que já fo­ram fei­tas por ser­vi­do­res do Iba­ma e do pró­prio ICM­Bio. Em car­ta en­vi­a­da ao pre­si­den­te do ICM­Bio, Ho­me­ro de Gi­or­ge Cer­quei­ra, os ser­vi­do­res do ór­gão já pe­di­ram até pa­ra o go­ver­no “pôr fim à po­lí­ti­ca de as­sé­dio e in­ti­mi­da­ção de ser­vi­do­res, en­vol­ven­do, en­tre ou­tras es­tra­té­gi­as, as re­mo­ções de cu­nho pu­ni­ti­vo, o cer­ce­a­men­to à li­vre ma­ni­fes­ta­ção, além de crí­ti­cas e in­sul­tos às ins­ti­tui­ções e ser­vi­do­res por par­te do al­to es­ca­lão do go­ver­no fe­de­ral”.

O Con­gres­so em Fo­co apu­rou que, dos três ser­vi­do­res im­pe­di­dos de ir ao Se­na­do nes­ta quinta-​feira, ape­nas um foi con­vi­da­do ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te pa­ra re­pre­sen­tar o ICM­BIo. E o ob­je­ti­vo da Co­mis­são de Meio Am­bi­en­te com es­te con­vi­te não foi dis­cu­tir ou ava­li­ar a atu­al ges­tão fe­de­ral. O que o co­le­gi­a­do que­ria ou­vir des­se ser­vi­dor era o seu en­ten­di­men­to prá­ti­co so­bre a ges­tão das uni­da­des de con­ser­va­ção. Ou­tro ser­vi­dor foi con­vi­da­do pe­la ex­pe­ri­ên­cia aca­dê­mi­ca, por­que é es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão das uni­da­des de con­ser­va­ção e es­tá fa­zen­do uma pós-​graduação so­bre o as­sun­to. O ter­cei­ro foi in­di­ca­do pe­la As­ce­ma.

Mes­mo as­sim, o ICM­Bio fa­lou em no­me de dois des­ses ser­vi­do­res em email en­vi­a­do à CMA na úl­ti­ma sexta-​feira (27). A men­sa­gem di­zia que “em fun­ção das gran­des de­man­das de­sa­fi­a­do­ras que en­fren­ta­mos, não se­rá pos­sí­vel vi­a­bi­li­zar a pre­sen­ça de re­pre­sen­tan­te des­ta ins­ti­tui­ção, pois os ser­vi­do­res com co­nhe­ci­men­to téc­ni­co da pau­ta da Au­di­ên­cia em te­la es­tão em­pe­nha­dos no aten­di­men­to das de­man­das em epí­gra­fe”. No mes­mo dia, a co­mis­são do Se­na­do su­ge­riu que, pa­ra evi­tar con­tra­tem­pos, a par­ti­ci­pa­ção dos ser­vi­do­res po­de­ria se dar por meio de vi­de­o­con­fe­rên­cia. Só na ma­nhã des­ta quin­ta, pou­co an­tes do iní­cio da au­di­ên­cia pú­bli­ca, o ICM­Bio dis­se que nem as­sim po­de­ria dis­po­ni­bi­li­zar os ser­vi­do­res pa­ra o de­ba­te. Já o ter­cei­ro ser­vi­dor in­for­mou nes­sa quarta-​feira (2) que não po­de­ria com­pa­re­cer à au­di­ên­cia pú­bli­ca.

Eli­za­beth Ue­ma se so­li­da­ri­zou com os ser­vi­do­res e ex­pli­cou que, ape­sar da sua dis­po­si­ção de fa­lar so­bre o que vem ocor­ren­do nos ór­gãos de pro­te­ção am­bi­en­tal, há um cli­ma mui­to ruim no ICM­Bio, em fun­ção de ques­tões co­mo es­ta. “Tem cau­sa­do mui­ta in­se­gu­ran­ça, mui­to me­do de re­ta­li­a­ção e ou­tras me­di­das que po­de­ri­am ser to­ma­das em re­la­ção aos ser­vi­do­res que não si­gam as ori­en­ta­ções da ca­sa. Ape­sar de ser um ór­gão ci­vil, o Ins­ti­tu­to Chi­co Men­des es­tá to­tal­men­te mi­li­ta­ri­za­do. E apa­ren­te­men­te seus di­ri­gen­tes pen­sam que es­tão em um quar­tel”, de­cla­rou a re­pre­sen­tan­te da As­ce­ma.

O ICM­Bio e o Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te fo­ram pro­cu­ra­dos pe­lo Con­gres­so em Fo­co, mas ain­da não se ma­ni­fes­ta­ram so­bre o as­sun­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,