De­pu­ta­dos dis­cu­tem nos bas­ti­do­res a pos­si­bi­li­da­de de mu­dan­ça no re­gi­men­to in­ter­no da Câ­ma­ra pa­ra res­trin­gir os me­ca­nis­mos de opo­si­ção às pau­tas pro­pos­tas pe­lo go­ver­no e pe­lo pre­si­den­te da Ca­sa, de­pu­ta­do Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ). A in­ten­ção é de­si­dra­tar fer­ra­men­tas re­gi­men­tais de obs­tru­ção de ma­té­ri­as.

Agên­cia Câmara/​Luis Ma­ce­do


Mudanças poderiam agilizar a tramitação de propostas do governo e do presidente da Câmara

Se­gun­do re­por­ta­gem do jor­nal O Es­ta­do de S.Paulo, par­la­men­ta­res go­ver­nis­tas vêm pres­si­o­nan­do Maia a dar se­gui­men­to a es­sas mu­dan­ças, pro­pos­tas na sua cam­pa­nha pa­ra pre­si­den­te da Ca­sa. De­pu­ta­dos de opo­si­ção, no en­tan­to, são con­tra dis­cu­tir no­vas re­gras ca­so elas co­me­cem a vi­go­rar ain­da nes­ta le­gis­la­tu­ra.

tu­al­men­te, os de­pu­ta­dos con­tam com 17 ins­tru­men­tos de obs­tru­ção di­fe­ren­tes, des­de o adi­a­men­to da vo­ta­ção por uma ou du­as ses­sões até o pe­di­do de re­ti­ra­da de um pro­je­to de pau­ta.

Uma das mu­dan­ças pro­pos­tas é aca­bar com a obri­ga­to­ri­e­da­de das ses­sões de vo­ta­ção da Ca­sa te­rem, no má­xi­mo, seis ho­ras de du­ra­ção. Atu­al­men­te, após es­se pe­río­do, os de­pu­ta­dos pre­ci­sam abrir uma no­va ses­são, com os trâ­mi­tes bu­ro­crá­ti­cos ne­ces­sá­ri­os, co­mo a ve­ri­fi­ca­ção de quó­rum.

Após a aber­tu­ra de uma no­va ses­são, as fer­ra­men­tas re­gi­men­tais de obs­tru­ção vol­tam a es­tar dis­po­ní­veis, mes­mo que já te­nham si­do de­ba­ti­das na reu­nião pas­sa­da , e os lí­de­res ga­nham di­rei­to a fa­lar no­va­men­te.

As pro­pos­tas de mu­dan­ça do re­gi­men­to fo­ram apre­sen­ta­das na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) e, se­gun­do re­por­ta­gem do jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo, já pas­sa­ram pe­las mãos de Maia e de par­te dos lí­de­res par­ti­dá­ri­os.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,