A Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) in­di­ci­ou o mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Mar­ce­lo Ál­va­ro Antô­nio (PSL), e mais dez pes­so­as no inqué­ri­to que apu­ra o uso de can­di­da­tu­ras la­ran­jas nas elei­ções de 2018, em Mi­nas Ge­rais. Ele é sus­pei­to de ter pra­ti­ca­do o cri­me elei­to­ral de omis­são na pres­ta­ção de cam­pa­nha e o cri­me de as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa.

Val­ter Campanato/​Agência Bra­sil


Ministro Marcelo Álvaro Antônio foi indiciado pela PF

Além de Mar­ce­lo, fo­ram in­di­ci­a­dos tam­bém o de­pu­ta­do es­ta­du­al Iri­neu Ina­cio da Sil­va (PSL-​MG), qua­tro sus­pei­tas de se­rem can­di­da­tas la­ran­jas, em­pre­sá­ri­os, as­ses­so­res e ex-​assessores do mi­nis­tro do Tu­ris­mo, pre­sos em ju­nho des­te ano. As in­for­ma­ções são do G1. O in­di­ci­a­men­to foi uma con­sequên­cia do con­clu­são do inqué­ri­to da PF. Ago­ra, ca­be ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Elei­to­ral (MPE) de­ci­dir se acei­ta ou não a de­nún­cia.

Mar­ce­lo é ci­ta­do em de­poi­men­tos na in­ves­ti­ga­ção so­bre o uso de can­di­da­tu­ras de mu­lhe­res na elei­ção de 2018 pa­ra des­vio da ver­ba elei­to­ral no es­ta­do. Ele era o pre­si­den­te es­ta­du­al do PSL em Mi­nas Ge­rais à épo­ca. A sus­pei­ta é de que o par­ti­do ten­tou bur­lar a co­ta obri­ga­tó­ria que de­ter­mi­na 30% dos re­cur­sos do fun­do elei­to­ral pa­ra can­di­da­tas fe­mi­ni­nas.

Du­as ações da PF já fo­ram de­fla­gra­das pa­ra in­ves­ti­gar o ca­so. Em abril, a pri­mei­ra fa­se da ope­ra­ção cum­priu se­te man­da­dos de bus­ca e apre­en­são em cin­co ci­da­des de MG, in­cluin­do a se­de da le­gen­da em Be­lo Ho­ri­zon­te . A se­gun­da fa­se, em ju­nho, cum­priu três man­da­dos de pri­são, ten­do co­mo al­vo prin­ci­pal o as­ses­sor es­pe­ci­al de Ál­va­ro Antô­nio, Ma­teus Von Ron­don.

O mi­nis­tro sem­pre ne­gou ir­re­gu­la­ri­da­des nas can­di­da­tu­ras. De acor­do com a re­por­ta­gem do G1, Mar­ce­lo ain­da não se pro­nun­ci­ou so­bre o as­sun­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,