A 11ª Va­ra Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro der­ru­bou nes­ta segunda-​feira (7), em li­mi­nar, a por­ta­ria do Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia que sus­pen­dia o edi­tal de sé­ri­es com te­má­ti­ca LGBT, cri­ti­ca­do pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro du­ran­te uma li­ve em 15 de agos­to. Na de­ci­são, a juí­za Lau­ra Bas­tos Car­va­lho afir­ma que a po­si­ção do go­ver­no traz in­dí­ci­os de dis­cri­mi­na­ção.

El­za Fiuza/​Agência Bra­sil


Justiça derruba portaria que suspendia edital de séries LGBT

“A ale­ga­ção de uma ne­ces­si­da­de que, em uma pri­mei­ra aná­li­se, é ir­re­le­van­te pa­ra o pros­se­gui­men­to do cer­ta­me sus­pen­so, traz in­dí­ci­os de que a dis­cri­mi­na­ção ale­ga­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral po­de es­tar sen­do pra­ti­ca­da”, ana­li­sa.

Após as crí­ti­cas do pre­si­den­te Bol­so­na­ro so­bre o edi­tal pro­mo­vi­do pe­la Agên­cia Na­ci­o­nal do Ci­ne­ma (An­ci­ne), o mi­nis­tro Os­mar Ter­ra, da Ci­da­da­nia, edi­tou uma por­ta­ria sus­pen­den­do o edi­tal no mes­mo mês, em “ra­zão da ne­ces­si­da­de de re­com­por os mem­bros do Co­mi­tê Ges­tor do Fun­do Se­to­ri­al do Au­di­o­vi­su­al (CGFSA)”. Após a sus­pen­são, o se­cre­ta­rio es­pe­ci­al da Cul­tu­ra, Hen­ri­que Pi­res, se de­mi­tiu do pos­to.

Na de­ci­são, a ma­gis­tra­da afir­ma que as pos­sí­veis mu­dan­ças no CGFSA não te­ri­am im­pac­to no pros­se­gui­men­to no edi­tal. Ela ex­pli­ca que a fa­se pen­den­te pa­ra o fim do pro­ces­so en­vol­via uma de­ci­são da Co­mis­são de Se­le­ção Na­ci­o­nal, que não tem re­la­ção com o Co­mi­tê.

“A ne­ces­si­da­de de re­com­po­si­ção dos mem­bros do Co­mi­tê Ges­tor do FSA não te­ria o con­dão, em um pri­mei­ro olhar, de sus­pen­der os ter­mos do Edi­tal de Cha­ma­men­to, já que o re­fe­ri­do Co­mi­tê não te­ria par­ti­ci­pa­ção na eta­pa fi­nal do cer­ta­me, que con­ta com co­mis­são ava­li­a­do­ra pró­pria, cu­ja com­po­si­ção foi de­fi­ni­da pe­las re­gras do edi­tal pu­bli­ca­do”, diz.

A juí­za ci­ta ain­da a ne­ces­si­da­de de uma res­pos­ta rá­pi­da da Jus­ti­ça ao ca­so. Se­gun­do ela, “os di­rei­tos fun­da­men­tais a li­ber­da­de de ex­pres­são, igual­da­de e não dis­cri­mi­na­ção me­re­cem a tu­te­la do Po­der Ju­di­ciá­rio”. Co­mo exem­plo, ela lem­bra da de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que de­ter­mi­nou uma me­di­da cau­te­lar con­tra o pro­ces­so de cen­su­ra ocor­ri­do na Bi­e­nal do Li­vro do Rio de Ja­nei­ro no co­me­ço de se­tem­bro.

“O pe­ri­go na de­mo­ra, re­fe­ren­te ao ca­so pos­to nos pre­sen­tes au­tos, traduz-​se na pos­si­bi­li­da­de de que as obras se­le­ci­o­na­das se­jam in­vi­a­bi­li­za­das pe­la sus­pen­são do cer­ta­me, por até um ano. A fal­ta de re­cur­sos pa­ra a sua con­cre­ti­za­ção em um tem­po ra­zoá­vel po­de fa­zer com que tais pro­je­tos nun­ca sai­am do pa­pel, em evi­den­te pre­juí­zo à cul­tu­ra na­ci­o­nal e à li­ber­da­de de ex­pres­são”, afir­ma.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,