O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) dá iní­cio ao jul­ga­men­to so­bre a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia nes­ta quinta-​feira (17). O ob­je­ti­vo é de­fi­nir se os con­de­na­dos em se­gun­da ins­tân­cia de­vem cum­prir pe­na na pri­são ou po­dem con­ti­nu­ar em li­ber­da­de en­quan­to aguar­dam o re­sul­ta­do dos re­cur­sos apre­sen­ta­dos à Jus­ti­ça. É uma de­ci­são que de­ve di­vi­dir a Su­pre­ma Cor­te e se ar­ras­tar até a pró­xi­ma se­ma­na, pois tam­bém tem acir­ra­do os âni­mos na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e po­de be­ne­fi­ci­ar qua­se cin­co mil con­de­na­dos, in­cluin­do réus da La­va Ja­to. O mais fa­mo­so de­les é o ex-​presidente Lu­la, que, por sua vez, dis­se não es­tar in­te­res­sa­do no jul­ga­men­to do STF.

Nel­son Jr/​STF


STF começa a julhar nesta quinta-feira (17) a prisão em segunda instância

“Não es­tou rei­vin­di­can­do es­sa dis­cus­são de se­gun­da ins­tân­cia. Não es­tou in­te­res­sa­do nis­so. Eu es­tou in­te­res­sa­do na mi­nha ino­cên­cia”, de­cla­rou Lu­la nas re­des so­ci­ais, lo­go de­pois de co­men­tar o as­sun­to em uma en­tre­vis­ta ao Uol. Na en­tre­vis­ta, con­ce­di­da di­re­to da pri­são em Cu­ri­ti­ba, Lu­la ex­pli­ca que o quer mes­mo é pro­var a sua ino­cên­cia. É a mes­ma ló­gi­ca usa­da pe­la de­fe­sa do ex-​presidente pa­ra ne­gar a pro­gres­são de pe­na su­ge­ri­da pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to. “Que­ro que os mi­nis­tros da Su­pre­ma Cor­te te­nham aces­so à ver­da­de do pro­ces­so e anu­lem. Se vai ser um ano a mais ou um ano a me­nos, se vou fi­car aqui ou em ou­tro lu­gar, não im­por­ta. […] Se vai ser na se­gun­da, pri­mei­ra, ter­cei­ra, quar­ta, quin­ta ins­tân­cia, não é pro­ble­ma meu. O que eu que­ro é a mi­nha ino­cên­cia”, dis­se Lu­la.

O ex-​presidente ad­mi­tiu, con­tu­do, ser con­tra a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. “O Su­pre­mo, vo­tan­do [con­tra a pri­são em] se­gun­da ins­tân­cia, es­ta­rá ape­nas cum­prin­do aqui­lo que es­tá na Cons­ti­tui­ção, não es­ta­rá fa­zen­do um fa­vor a nin­guém. Vo­cê só ser pre­so de­pois que o pro­ces­so ter tran­si­ta­do em jul­ga­do não é fa­vor a nin­guém. É cum­prir, pu­ra e sim­ples­men­te, o que es­tá na Cons­ti­tui­ção”, afir­mou Lu­la, fa­zen­do re­fe­rên­cia à pre­sun­ção de ino­cên­cia pre­vis­ta pe­la Cons­ti­tui­ção.

Po­rém, des­ta­cou que não quer nem ser be­ne­fi­ci­a­do por con­ta des­se en­ten­di­men­to, nem com a pro­gres­são pa­ra o re­gi­me se­mi­a­ber­to. “Eu não es­tou aqui pa­ra tro­car a mi­nha dig­ni­da­de pe­la mi­nha li­ber­da­de”, fri­sou, vol­tan­do a di­zer que quer pro­var a sua ino­cên­cia por­que con­si­de­ra o pro­ces­so so­bre o tri­plex do Gua­ru­já que o le­vou a ca­deia uma “men­ti­ra”. “Co­me­te­ram a bo­ba­gem de me pren­der, co­me­te­ram a bo­ba­gem de me acu­sar, ago­ra vão ter que su­por­tar es­se pe­so aqui den­tro”, pro­vo­cou Lu­la.

Lava Jato

Os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to, por sua vez, emi­ti­ram uma no­ta di­zen­do que há “ris­co de re­tro­ces­so” ca­so o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral mu­de o en­ten­di­men­to atu­al que per­mi­te a pri­são dos con­de­na­dos em pri­mei­ra ins­tân­cia an­tes de es­go­ta­das as pos­si­bi­li­da­des de re­cur­so aos tri­bu­nais su­pe­ri­o­res. Pa­ra eles, qua­se 400 con­de­na­dos pe­la La­va Ja­to po­de­ri­am re­tar­dar a ida à pri­são com es­sa de­ci­são.

“Mais de 300 acu­sa­dos pe­la La­va Ja­to, co­mo Ro­me­ro Ju­cá e Edi­son Lo­bão, que cum­pri­ri­am su­as pe­nas da­qui a dois ou três anos se fo­rem con­de­na­dos, pas­sa­rão a cumpri-​las de­pois de dez ou quin­ze anos. Se é que is­so acon­te­cer, por­que é mui­to co­mum que es­ses ca­sos pres­cre­vam pe­lo de­cur­so do tem­po e o re­sul­ta­do se­ja a im­pu­ni­da­de”, di­zem os pro­cu­ra­do­res, des­ta­can­do que is­so acon­te­ce­rá so­bre­tu­do “nos ca­sos de réus ri­cos ou in­flu­en­tes, que têm con­di­ções pa­ra ar­car com os cus­tos de in­fin­dá­veis re­cur­sos”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,