Mes­mo exo­ne­ra­do do car­go de as­ses­sor de Flá­vio Bol­so­na­ro, Fa­brí­cio Quei­roz con­ti­nua sen­do con­sul­ta­do so­bre no­me­a­ções no le­gis­la­ti­vo. Em um áu­dio di­vul­ga­do nes­ta quinta-​feira (24) pe­lo jor­nal O Glo­bo, o ex-​policial mi­li­tar ex­pli­ca a um in­ter­lo­cu­tor co­mo con­se­guir um em­pre­go no Congresso.

Re­pro­du­ção


Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor, Fabrício de Queiroz, quando Flávio era deputado estadual no Rio de Janeiro

“Tem mais de 500 car­go lá, na Câ­ma­ra, no Se­na­do, po­de in­di­car pa­ra qual­quer co­mis­são, al­gu­ma coi­sa, sem vin­cu­lar a eles em na­da, em na­da. 20 con­ti­nho pra gen­te ai caia bem”, afirma.

Quei­roz tra­ba­lhou pa­ra Flá­vio Bol­so­na­ro de 2007 e 2018, na As­sem­bléia Le­gis­la­ti­va do Rio de Ja­nei­ro. Ele é in­ves­ti­ga­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro por sus­pei­ta de ra­cha­di­nha – prá­ti­ca em que o fun­ci­o­ná­rio de­vol­ve par­te do salário.

No áu­dio en­vi­a­do por What­sApp em ju­nho des­te ano, Quei­roz afir­ma que de­pu­ta­dos e se­na­do­res fa­zem fi­la na fren­te do ga­bi­ne­te do se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-​RJ), o que fa­ci­li­ta­ria no­me­a­ções sem vin­cu­la­ção ao fi­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL)

“Não pre­ci­sa vin­cu­lar a um no­me. Che­ga lá e, pô ca­ra, o ga­bi­ne­te do Flá­vio faz fi­la de de­pu­ta­dos e se­na­do­res, o pes­so­al pra con­ver­sar com ele, faz fi­la… É só che­gar ‘no­meia fu­la­no ai pra tra­ba­lhar con­ti­go ai’. Sa­la­ri­o­zi­nho bom des­se aí pa­ra a gen­te que é pai de fa­mí­lia, cai igual uma uva”, disse.

Pro­cu­ra­do pe­lo Glo­bo, Quei­roz ad­mi­tiu, em no­ta, que man­tém a in­fluên­cia por ter “con­tri­buí­do de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va na cam­pa­nha de di­ver­sos po­lí­ti­cos no Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro”. Já Flá­vio Bol­so­na­ro dis­se que não acei­tou ne­nhu­ma in­di­ca­ção de Quei­roz. Ele afir­mou tam­bém que não man­tem re­la­ção com o ex-assessor.

Fon­te: Con­gres­so em Foco

,