O Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te co­me­teu uma sé­rie de vi­o­la­ções no tra­ta­men­to que deu ao pro­ble­ma das man­chas de pe­tró­leo nas prai­as nor­des­ti­nas, se­gun­do um do­cu­men­to for­mu­la­do pe­lo go­ver­no em 2018, o Pla­no Na­ci­o­nal de Con­tin­gên­cia pa­ra In­ci­den­tes de Po­lui­ção por Óleo em Águas sob Ju­ris­di­ção Na­ci­o­nal (PNC).

Sal­ve Ma­ra­caí­pe


Na praia de Ponta dos Mangues, em Sergipe, óleo chegou à areia

Ca­so a pas­ta ti­ves­se se­gui­do à ris­ca as ins­tru­ções do tex­to, o pla­no te­ria si­do ins­ti­tuí­do em 2 de se­tem­bro, mas is­so só foi fei­to 41 di­as de­pois, em 11 de ou­tu­bro. O do­cu­men­to, que tem for­ça le­gal, foi cri­a­do a par­tir de um de­cre­to pre­si­den­ci­al de 2013 e te­ve sua pri­mei­ra ver­são fi­na­li­za­da em 2018, mas não foi pu­bli­ca­do ofi­ci­al­men­te. O tex­to não foi com­par­ti­lha­do com es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os e fi­cou res­tri­to à cú­pu­la do MMA, do Iba­ma, da Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo (ANP) da e Ma­ri­nha.

De acor­do com o jor­nal O Glo­bo, que con­se­guiu o ma­te­ri­al, ana­li­san­do o do­cu­men­to é pos­sí­vel ve­ri­fi­car ao me­nos oi­to vi­o­la­ções de pro­ce­di­men­to co­me­ti­das pe­lo mi­nis­té­rio.

O tex­to lis­ta uma sé­rie de cri­té­ri­os pa­ra a im­ple­men­ta­ção do PNC. Dos 35 ci­ta­dos, ao me­nos 18 es­ta­vam con­fir­ma­dos ou eram pos­sí­veis no iní­cio de ou­tu­bro, quan­do o pla­no ain­da não ha­via si­do aci­o­na­do.

A ins­ti­tui­ção do PNC, no en­tan­to, po­de­ria ter ocor­ri­do ain­da an­tes, em 30 de agos­to, quan­do qua­tro prai­as em Con­de (PB) fo­ram en­con­tra­das com óleo na cos­ta. Se­gun­do o ma­nu­al, o Pla­no po­de ser aci­o­na­do quan­do hou­ver “ris­co de to­que de óleo na cos­ta bra­si­lei­ra”. Em 2 de se­tem­bro, o pro­ble­ma já afe­ta­va mais de um es­ta­do, com 19 prai­as atin­gi­das em três es­ta­dos di­fe­ren­tes, Per­nam­bu­co, Ser­gi­pe e Pa­raí­ba.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,