O Gre­en­pe­a­ce en­trou com uma quei­xa cri­me con­tra o mi­nis­tro do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). A ação, pro­to­co­la­da nes­ta quarta-​feira (30), acu­sa o mi­nis­tro de di­fa­ma­ção por con­ta das de­cla­ra­ções em que Sal­les cha­ma de eco­ter­ro­ris­ta e as­so­cia o Gre­en­pe­a­ce ao va­za­men­to de óleo no Nor­des­te.

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


Greenpeace acusa Salles de difamação por conta das declarações em que o ministro chama de ecoterrorista e associa a organização ao vazamento de óleo no Nordeste

“Re­cla­ma­mos quei­xa cri­me con­tra o Sr. Mi­nis­tro por es­te ter, em ao me­nos três opor­tu­ni­da­des e de for­ma con­tí­nua, pra­ti­ca­do cri­me de di­fa­ma­ção con­tra a or­ga­ni­za­ção”, in­for­mou o Gre­en­pe­a­ce, que elen­cou es­sas três si­tu­a­ções, to­da re­gis­tra­das na se­ma­na pas­sa­da.

A pri­mei­ra ocor­reu lo­go de­pois do pro­tes­to que a or­ga­ni­za­ção pro­mo­veu na fren­te do Pa­lá­cio do Pla­nal­to con­tra o avan­ço do óleo no li­to­ral nor­des­ti­no. A ma­ni­fes­ta­ção aca­bou com ati­vis­tas pre­sos e ta­xa­dos de eco­ter­ro­ris­tas por Sal­les. A se­gun­da veio ape­nas um dia de­pois, quan­do o mi­nis­tro com­par­ti­lhou uma en­tre­vis­ta sua so­bre o Gre­en­pe­a­ce nas re­des so­ci­ais vol­tan­do o cha­mar o gru­po de ter­ro­ris­ta. E a ter­cei­ra sur­giu lo­go de­pois, quan­do Sal­les usou as re­des so­ci­ais pa­ra su­ge­rir que um na­vio do Gre­en­pe­a­ce te­ria re­la­ção com o va­za­men­to de óleo no Nor­des­te. Co­mo mos­trou o Con­gres­so em Fo­co, o mi­nis­tro re­ce­beu uma sé­rie de crí­ti­cas por con­ta des­se post. Até o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), co­brou ex­pli­ca­ções do mi­nis­tro, que res­pon­deu o de­pu­ta­do com um no­vo ata­que ao Gre­en­pe­a­ce.

Pa­ra a or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal, es­sas ati­tu­des são gra­ves e mos­tram que Sal­les não es­tá à al­tu­ra do car­go que ocu­pa. “Mi­nis­tros de Es­ta­do de­vem apre­sen­tar pos­tu­ra pú­bli­ca à al­tu­ra do car­go que ocu­pam. Acu­sa­ções le­vi­a­nas e ir­res­pon­sá­veis, vin­das de tais au­to­ri­da­des, cons­ti­tu­em fa­to gra­ve e não po­dem ser nor­ma­li­za­das. O pro­ces­so que ora ini­ci­a­mos con­tra o Sr. Mi­nis­tro é tam­bém uma for­ma de re­pú­dio por tais com­por­ta­men­tos”, afir­mou o Gre­en­pe­a­ce nes­ta quarta-​feira.

O Gre­en­pe­a­ce ar­gu­men­tou que, di­an­te do de­sas­tre am­bi­en­tal que as­so­la o Nor­des­te, “é in­con­ce­bí­vel que exa­ta­men­te o mi­nis­tro do Meio Am­bi­en­te te­nha tem­po e dis­po­si­ção pa­ra le­van­tar fal­sas acu­sa­ções nas re­des so­ci­ais”. “Ao in­vés dis­so, o Sr. Mi­nis­tro, as­sim co­mo to­do o go­ver­no, de­ve­ria con­cen­trar es­for­ços em pres­tar as­sis­tên­cia à po­pu­la­ção atin­gi­da, além de pro­mo­ver a re­cu­pe­ra­ção dos gra­vís­si­mos da­nos am­bi­en­tais”, re­cla­mou o Gre­en­pe­a­ce, lem­bran­do que es­ta não é a pri­mei­ra vez que Sal­les e o go­ver­no fe­de­ral fa­zem ata­ques sem pro­vas a or­ga­ni­za­ções que tra­ba­lham na pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te.

“In­fe­liz­men­te, ata­ques à ter­cei­ros por par­te de in­te­gran­tes do go­ver­no têm si­do uma prá­ti­ca re­cor­ren­te, co­mo re­cen­te­men­te pu­de­mos ve­ri­fi­car nas in­si­nu­a­ções de que ONGs e in­dí­ge­nas es­ta­ri­am vin­cu­la­dos às quei­ma­das na Amazô­nia, ou ain­da no epi­só­dio que re­sul­tou na de­mis­são do pes­qui­sa­dor Ri­car­do Gal­vão da pre­si­dên­cia do INPE, en­tre ou­tras”, diz o Gre­en­pe­a­ce, que pro­me­te con­ti­nu­ar com “uma pos­tu­ra crí­ti­ca, pa­cí­fi­ca e de va­lo­ri­za­ção da de­mo­cra­cia, pres­si­o­nan­do os go­ver­nan­tes pa­ra que atu­em pe­la pro­te­ção do meio am­bi­en­te e dos di­rei­tos in­di­vi­du­ais e co­le­ti­vos”.

“O pro­ces­so mo­vi­do pe­lo Gre­en­pe­a­ce ocor­re no ple­no res­pei­to às nor­mas le­gais vi­gen­tes no país e é an­tes de tu­do um ato de for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia, por não com­pac­tu­ar com abu­sos da­que­les que ocu­pam car­gos de pri­vi­le­gi­a­do po­der no Es­ta­do bra­si­lei­ro”, res­sal­tou a or­ga­ni­za­ção, que che­gou ao Bra­sil em 1992 e ga­ran­te que, des­de en­tão, tem tra­ba­lha­do de for­ma pa­cí­fi­ca, apar­ti­dá­ria e in­de­pen­den­te na de­fe­sa do meio am­bi­en­te, sem di­nhei­ro de go­ver­nos, par­ti­dos po­lí­ti­cos ou em­pre­sas.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,