O go­ver­no pre­pa­ra um pa­co­te de me­di­das pa­ra es­ti­mu­lar a ge­ra­ção de em­pre­gos no país en­tre jo­vens e pes­so­as com mais de 55 anos. A ini­ci­a­ti­va de­ve ter um cus­to de R$ 5 bi­lhões ao Te­sou­ro, com a re­du­ção de 30% nos im­pos­tos na fo­lha de pa­ga­men­to, e du­rar dois anos.

Agên­cia Bra­sil


Desemprego no Brasil passará dos atuais 11,5% para 12,4%

En­tre os in­cen­ti­vos pre­vis­tos no tex­to es­tá a isen­ção de uma sé­rie de tri­bu­tos, co­mo a con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria, re­co­lhi­men­to pa­ra o Sis­te­ma S, sa­lá­rio edu­ca­ção e In­cra, pa­ra as em­pre­sas que op­ta­rem por con­tra­tar jo­vens en­tre 18 e 29 anos, que es­te­jam em seu pri­mei­ro em­pre­go, ou pes­so­as com mais de 55 anos que ain­da não se apo­sen­ta­ram.

O pa­co­te se­rá im­ple­men­ta­do por meio de uma me­di­da pro­vi­só­ria (MP) e de­ve ser anun­ci­a­do se­ma­na que vem pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL), co­mo par­te da agen­da de co­me­mo­ra­ções dos 300 di­as de go­ver­no.

En­quan­to is­so, a equi­pe econô­mi­ca fi­na­li­za os de­ta­lhes fi­nais do tex­to. Um dos pon­tos ain­da em aber­to é o no­me do pro­gra­ma. ”Es­ta­mos es­tu­dan­do um no­me que te­nha cu­nho pa­trió­ti­co”, diz um dos téc­ni­cos en­vol­vi­dos, de acor­do com re­por­ta­gem do jor­nal O Glo­bo.

Pa­ra com­pen­sar a per­da de ar­re­ca­da­ção, o go­ver­no es­tá con­tan­do com a ver­ba pou­pa­da a par­tir do pente-​fino nos be­ne­fí­ci­os do INSS, que de­vem atin­gir R$ 9,8 bi­lhões es­te ano. Pa­ra 2020, espera-​se uma re­du­ção de R$ 20 bi­lhões nes­ses gas­tos da se­gu­ri­da­de so­ci­al.

Mudanças à vista

O pro­gra­ma pre­vê que a con­tri­bui­ção do em­pre­ga­dor pa­ra o FGTS caia de 8% pa­ra 2%. A de­mis­são sem jus­ta cau­sa, no en­tan­to, de­ve per­ma­ne­cer com uma mul­ta de 40%.

Pa­ra evi­tar a de­mis­são de tra­ba­lha­do­res an­ti­gas por no­vos que ga­nham me­nos, o go­ver­no vai fi­xar um nú­me­ro de cor­te, com ba­se no to­tal de fun­ci­o­ná­ri­os. Com is­so, a em­pre­sa só po­de­rá con­tra­tar na no­va mo­da­li­da­de em­pre­ga­dos que ex­ce­dam ao mon­tan­te exis­ten­te quan­do o tex­to for en­vi­a­do ao Con­gres­so.

O pa­co­te tam­bém te­rá co­mo fo­co a ha­bi­li­ta­ção e re­a­bi­li­ta­ção de se­gu­ra­dos no ca­so de apo­sen­ta­do­ria por in­va­li­dez e auxílio-​doença com mais de seis me­ses de du­ra­ção. A in­ten­ção do go­ver­no é ar pri­o­ri­da­de à re­cu­pe­ra­ção fí­si­ca e pro­fis­si­o­nal des­sas pes­so­as, com a in­ten­ção de recolocá-​los no mer­ca­do de tra­ba­lho.

As em­pre­sas tam­bém se­rão obri­ga­das a cum­prir uma co­ta de 5% do qua­dro de pes­so­al na con­tra­ta­ção com pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia. Do con­trá­rio, te­rão de pa­gar pe­lo me­nos um sa­lá­rio mí­ni­mo por tra­ba­lha­dor.

O pa­co­te pre­vê, no en­tan­to, que as em­pre­sas com­prem co­tas de ou­tras em­pre­sas cu­jo nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os com de­fi­ci­ên­cia ex­ce­da es­se pa­ta­mar, pa­ra cum­prir su­as me­tas.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,