A opo­si­ção já foi ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro, ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral e à Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca por con­ta dos des­do­bra­men­tos do ca­so Ma­ri­el­le que en­vol­vem a fa­mí­lia Bol­so­na­ro. Mes­mo as­sim, anun­ci­ou uma no­va ação nes­ta segunda-​feira (4). Des­ta vez, a Re­de vai re­pre­sen­tar es­pe­ci­fi­ca­men­te con­tra o ve­re­a­dor Car­los Bol­so­na­ro (PSL-​RJ) por adul­te­ra­ção do lo­cal de pro­va.

Re­pro­du­ção


Carlos Bolsonaro acessou os registros do condomínio após denúncia

Lí­der da opo­si­ção no Se­na­do, Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) ar­gu­men­tou que o se­gun­do fi­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro não po­de­ria ter ti­do aces­so às gra­va­ções da por­ta­ria do con­do­mí­nio em que mo­ra no dia se­guin­te à di­vul­ga­ção do de­poi­men­to do por­tei­ro que as­so­cia a ca­sa da fa­mí­lia Bol­so­na­ro a um dos sus­pei­tos do as­sas­si­na­to de Ma­ri­el­le Fran­co. Pa­ra Ran­dol­fe, a in­ter­fe­rên­cia de Car­los, que di­vul­gou nas re­des so­ci­ais uma das gra­va­ções da por­ta­ria pa­ra des­men­tir a ma­té­ria da TV Glo­bo so­bre o de­poi­men­to do por­tei­ro, re­pre­sen­ta uma in­ter­fe­rên­cia nas pro­vas que de­vem ser usa­das na in­ves­ti­ga­ção do ca­so Ma­ri­el­le.

“No dia se­guin­te à ma­té­ria ser vei­cu­la­da no Jor­nal Na­ci­o­nal, lo­go pe­la ma­nhã, o ve­re­a­dor já es­tar no lo­cal apon­tan­do o que, no di­zer de­le, não cor­res­pon­dia à ver­da­de da ma­té­ria vei­cu­la­da an­te­ri­or­men­te. Ele não po­de­ria es­tar lá. Es­te era um am­bi­en­te pa­ra a pe­rí­cia. Não po­dia, mes­mo sen­do mo­ra­dor do con­do­mí­nio, ter aces­so a ma­te­ri­al pro­ba­tó­rio de ins­tru­men­to de in­ves­ti­ga­ção so­bre um as­sas­si­na­to. Is­so é gra­vís­si­mo”, re­cla­mou Ran­dol­fe, que pro­me­te ir ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro nes­ta terça-​feira (5) pro­to­co­lar es­sa re­pre­sen­ta­ção con­tra Car­los Bol­so­na­ro. “Car­los in­ter­fe­riu no lo­cal de pro­va. Tem que ser pro­ces­sa­do por con­ta dis­so”, de­fen­deu o se­na­dor.

Na re­pre­sen­ta­ção, se­rá so­li­ci­ta­da, en­tão, a ins­tau­ra­ção de um inqué­ri­to que apu­re a ili­ci­tu­de do com­por­ta­men­to do fi­lho do pre­si­den­te Bol­so­na­ro. “O ve­re­a­dor Car­los Bol­so­na­ro afir­mou ca­te­go­ri­ca­men­te que te­ve aces­so e gra­vou li­ga­ções do sis­te­ma da por­ta­ria do con­do­mí­nio, con­for­me pos­ta­gem em re­de so­ci­al. Nem mes­mo o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro te­ve aces­so ao sis­te­ma e aos com­pu­ta­do­res, mas o ve­re­a­dor, fi­lho do ci­ta­do em de­poi­men­to te­ve. Tal con­du­ta traz ain­da mais dú­vi­das so­bre o ca­so. Quem po­de ga­ran­tir o que foi fei­to ou não du­ran­te es­ses aces­sos?”, afir­ma a re­pre­sen­ta­ção que se­rá en­tre­gue ao MP-​RJ.

Lí­der da opo­si­ção no Se­na­do, Ran­dol­fe tam­bém pro­to­co­lou nes­ta segunda-​feira jun­to com o lí­der da opo­si­ção na Câ­ma­ra, Ales­san­dro Mo­lon (PSB-​RJ), uma re­pre­sen­ta­ção no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro pe­din­do uma no­va pe­rí­cia das gra­va­ções da por­ta­ria do con­do­mí­nio da fa­mí­lia Bol­so­na­ro. Ele ar­gu­men­tou que, nun­ca an­tes des­se ca­so, uma pe­rí­cia ha­via si­do fei­ta com tan­ta ce­le­ri­da­de. A pe­rí­cia que ne­ga o en­vol­vi­men­to de Bol­so­na­ro no ca­so - apre­sen­ta­da por três pro­mo­to­ras, in­clu­si­ve a que pe­diu o afas­ta­men­to do ca­so Ma­ri­el­le por ter ti­do a im­par­ci­a­li­da­de ques­ti­o­na­da de­pois de fo­tos em que ela apa­re­ce fa­zen­do cam­pa­nha pa­ra Bol­so­na­ro - foi re­a­li­za­da em pou­co mais de du­as ho­ras.

“Pa­ra que o ca­so fi­que es­cla­re­ci­do e não pai­re ne­nhu­ma sus­pei­ta ou des­con­fi­an­ça so­bre o pre­si­den­te, é ne­ces­sá­rio que ha­ja ou­tra pe­rí­cia, in­de­pen­den­te”, afir­mou Ran­dol­fe. O se­na­dor ain­da pro­vo­cou os Bol­so­na­ro di­zen­do que, se a fa­mí­lia de fa­to quer es­cla­re­cer o ca­so, de­ve au­to­ri­zar a re­a­li­za­ção de no­va pe­rí­cia nas gra­va­ções. Co­mo Bol­so­na­ro, no en­tan­to, ad­mi­tiu ter re­co­lhi­do es­sas gra­va­ções pa­ra evi­tar que elas fos­sem ma­ni­pu­la­das, Ran­dol­fe e Mo­lon ain­da vão à Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca de­nun­ci­ar o pre­si­den­te por obs­tru­ção de jus­ti­ça.

AI-5

Acom­pa­nha­do do pre­si­den­te na­ci­o­nal da Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de, Pe­dro Ivo Ba­tis­ta; Ran­dol­fe Ro­dri­gues ain­da apre­sen­tou uma ação ao Con­se­lho de Éti­ca da Câ­ma­ra pe­din­do a cas­sa­ção do man­da­to de Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP) por con­ta das de­cla­ra­ção em que o de­pu­ta­do su­ge­re a vol­ta do AI-​5 ca­so a es­quer­da ra­di­ca­li­ze no Bra­sil. Se­gun­do o se­na­dor, es­ta é ape­nas a pri­mei­ra das re­pre­sen­ta­ções des­se ti­po que se­rão apre­sen­ta­das pe­los par­ti­dos de opo­si­ção nos pró­xi­mos di­as.

“A de­mo­cra­cia é um va­lor uni­ver­sal. Não se po­de tra­mar con­tra ela. É um aten­ta­do hu­ma­ni­tá­rio o que es­tá acon­te­cen­do, não “Es­ta não é uma ques­tão de dis­pu­ta político-​ideológica. Es­tá aci­ma de par­ti­dos po­lí­ti­cos por­que a de­mo­cra­cia é in­vi­o­lá­vel. Não se po­de tra­mar con­tra ela. […] É uma ati­tu­de tão drás­ti­ca que vá­ri­os par­ti­dos vão re­pre­sen­tar”, dis­se o pre­si­den­te da Re­de, lem­bran­do que PT, PC­doB e Psol já pro­me­te­ram pe­dir a cas­sa­ção de Edu­ar­do Bol­so­na­ro ao Con­se­lho de Éti­ca da Câ­ma­ra.

“Os par­la­men­ta­res têm que cum­prir re­gras de éti­ca e de­co­ro par­la­men­tar. E ele se in­sur­giu con­tra p pró­prio ju­ra­men­to que ele fez. Ao to­mar pos­se co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral, ele pro­me­teu fa­zer cum­prir a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca. E não es­tá lá na Cons­ti­tui­ção a pos­si­bi­li­da­de de rup­tu­ra de­mo­crá­ti­ca”, ex­pli­cou Ran­dol­fe, con­tan­do que a re­pre­sen­ta­ção acu­sa Edu­ar­do Bol­so­na­ro de de­co­ro par­la­men­tar. “O par­la­men­tar de­son­rou o ju­ra­men­to que fez, aten­tou con­tra a Cons­ti­tui­ção. Não exis­te ou­tro no­me”, dis­se o se­na­dor, lem­bran­do que até o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia, já dis­se que es­sa ati­tu­de é gra­ve e pas­sí­vel de pu­ni­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,