O mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, ne­gou pe­di­do da Po­lí­cia Fe­de­ral pa­ra pren­der a ex-​presidente Dil­ma Rous­seff na ope­ra­ção que bus­cou pro­vas, nes­ta terça-​feira (5), con­tra os se­na­do­res Ja­der Bar­ba­lho (MDB-​PA), Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) e Edu­ar­do Bra­ga (MDB-​AM). Eles são sus­pei­tos de ter re­ce­bi­do R$ 40 mi­lhões da JBS pa­ra apoi­ar a re­e­lei­ção de Dil­ma em 2014.

Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca


Para o ministro Edson Fachin, Dilma não oferece riscos à investigação que apura pagamento de propina a emedebistas para apoiar sua reeleição

Além da ex-​presidente, tam­bém eram al­vos de pe­di­dos de pri­são tem­po­rá­ria o ex-​ministro da Fa­zen­da Gui­do Man­te­ga, os ex-​senadores Eu­ni­cio Oli­vei­ra (MDB-​CE) e Val­dir Raupp (MDB-​RO) e o mi­nis­tro do Tri­bu­nal de Con­tas da União, Vi­tal do Rê­go Fi­lho.

Em no­ta (ve­ja a ín­te­gra mais abai­xo), a as­ses­so­ria de Dil­ma clas­si­fi­cou o pe­di­do da Po­lí­cia Fe­de­ral co­mo ab­sur­do, já que, se­gun­do o co­mu­ni­ca­do, a ex-​presidente não é in­ves­ti­ga­da no ca­so. “Ain­da bem que pre­va­le­ceu o bom sen­so e a res­pon­sa­bi­li­da­de do mi­nis­tro res­pon­sá­vel pe­lo ca­so no STF, as­sim co­mo do pró­prio Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral”, des­ta­ca o tex­to.

Pa­ra a PF, os in­ves­ti­ga­dos po­de­ri­am pre­ju­di­car as in­ves­ti­ga­ções. “A pri­va­ção da li­ber­da­de de lo­co­mo­ção des­tes in­di­ví­du­os é in­dis­pen­sá­vel pa­ra a iden­ti­fi­ca­ção de fon­tes de pro­va e ob­ten­ção de ele­men­tos de in­for­ma­ção quan­to à au­to­ria e ma­te­ri­a­li­da­de das in­fra­ções pe­nais in­ves­ti­ga­das”, sus­ten­tou a Po­lí­cia Fe­de­ral.

Fa­chin, no en­tan­to, se­guiu en­ten­di­men­to da Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca pe­lo in­de­fe­ri­men­to do pe­di­do. A PGR ar­gu­men­tou que não ha­via evi­dên­cia de que “em li­ber­da­de, os in­ves­ti­ga­dos pos­sam atra­pa­lhar a exe­cu­ção das me­di­das de bus­ca e apre­en­são”.

O mi­nis­tro cor­ro­bo­rou o en­ten­di­men­to: “A pre­ten­são de res­tri­ção da li­ber­da­de de lo­co­mo­ção dos in­ves­ti­ga­dos não se en­con­tra pro­vi­da da in­di­ca­ção de con­cre­tas con­du­tas aten­ta­tó­ri­as às apu­ra­ções que evi­den­ci­em a ne­ces­si­da­de da me­di­da ex­tre­ma”.

Veja a íntegra da nota de Dilma:

“NOTA À IMPRENSA

É es­tar­re­ce­do­ra a no­tí­cia de que a Po­lí­cia Fe­de­ral pe­diu a pri­são da ex-​presidenta Dil­ma Rous­seff num pro­ces­so no qual ela não é in­ves­ti­ga­da e nun­ca foi cha­ma­da a pres­tar qual­quer es­cla­re­ci­men­to.

A ex-​presidenta sem­pre co­la­bo­rou com in­ves­ti­ga­ções e ja­mais se ne­gou a pres­tar tes­te­mu­nho pe­ran­te a Jus­ti­ça Fe­de­ral, nos ca­sos em que foi ins­ta­da a se ma­ni­fes­tar.

Ho­je, 5 de no­vem­bro, ela foi con­vi­da­da a pres­tar es­cla­re­ci­men­tos à Jus­ti­ça, re­ce­ben­do a no­ti­fi­ca­ção das mãos ci­vi­li­za­das e edu­ca­das de um de­le­ga­do fe­de­ral. No fi­nal da tar­de, sou­be pe­la im­pren­sa do pe­di­do de pri­são.

O pe­di­do de pri­são é um ab­sur­do di­an­te do fa­to de não ser ela mes­ma in­ves­ti­ga­da no inqué­ri­to em ques­tão. E au­to­ri­za su­po­si­ções vá­ri­as, en­tre elas que se tra­ta de uma opor­tu­na cor­ti­na de fu­ma­ça. E tam­bém re­ve­la o es­for­ço in­con­se­quen­te do mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro no afã de per­se­guir ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos. So­bre­tu­do, tor­na vi­sí­vel e pal­pá­vel o abu­so de au­to­ri­da­de.

Ain­da bem que pre­va­le­ceu o bom sen­so e a res­pon­sa­bi­li­da­de do mi­nis­tro res­pon­sá­vel pe­lo ca­so no STF, as­sim co­mo do pró­prio Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral.

As­ses­so­ria de Im­pren­sa
Dil­ma Rous­seff”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,