A de­pu­ta­da Joi­ce Has­sel­mann (PSL-​SP) se emo­ci­o­nou ao fa­zer um dis­cur­so, nes­ta terça-​feira (5), na tri­bu­na da Câ­ma­ra (ve­ja o ví­deo aci­ma). A ex-​líder do go­ver­no no Con­gres­so re­cla­mou dos ata­ques e das ame­a­ças que tem re­ce­bi­do nas re­des so­ci­ais, dis­se que não se in­ti­mi­da e que vai iden­ti­fi­car e le­var à Jus­ti­ça a “gan­gue” que faz cam­pa­nha di­fa­ma­tó­ria con­tra ela. Ela tam­bém re­la­tou que tan­to ela quan­to seus fi­lhos já fo­ram ame­a­ça­dos de mor­te.

Re­pro­du­ção


Joice Hasselmann: "Não vai existir homem com mandato, sem mandato, seja o que for, deputado, senador, presidente — não me interessa! —, não vai existir homem, nem mulher que vai fazer isso com a minha família"

“Es­sa mo­ça tem dois fi­lhos: uma jo­vem e um ado­les­cen­te, de 11 anos. Ne­nhum de vo­cês sa­be qual é o ros­to dos meus fi­lhos, por quê? Por­que eles tam­bém já fo­ram ame­a­ça­dos de mor­te”, dis­se. “E o meu mais no­vo, se­ma­na pas­sa­da, me dis­se: ‘Mãe, por que es­tão cha­man­do a se­nho­ra de por­ca na in­ter­net?’ ‘Por que es­tão cha­man­do a se­nho­ra de Pig na in­ter­net?’ Não foi a se­nho­ra que aju­dou tan­to es­se go­ver­no?”. Nes­se mo­men­to a de­pu­ta­da cho­rou.

“E eu vou di­zer pa­ra vo­cês: es­sas lá­gri­mas não são por mim, por­que, co­mo vo­cês bem pu­de­ram ou­vir, a mi­nha his­tó­ria é de uma guer­rei­ra. Mas o meu fi­lho, de 11 anos, re­ce­ben­do mon­ta­gens mi­nhas, com o meu ros­to e o cor­po de uma pros­ti­tu­ta, com o meu ros­to e um cor­po de­for­ma­do, nu, is­so eu não vou ad­mi­tir!”

Ela acres­cen­tou: “E não vai exis­tir ho­mem com man­da­to, sem man­da­to, se­ja o que for, de­pu­ta­do, se­na­dor, pre­si­den­te — não me in­te­res­sa! —, não vai exis­tir ho­mem, nem mu­lher que vai fa­zer is­so com a mi­nha fa­mí­lia. É pe­la mi­nha fa­mí­lia e é pe­la fa­mí­lia de to­dos vo­cês, por­que se nós não pa­rar­mos es­sa es­qui­zo­fre­nia, es­sa lou­cu­ra, es­sa gan­gue, não te­re­mos co­mo re­cons­truir es­te Bra­sil, não te­re­mos co­mo re­cons­truir es­te país”.

In­te­gran­te da tro­pa de cho­que do go­ver­no, Joi­ce foi des­ti­tuí­da da li­de­ran­ça de­pois de apoi­ar a ma­nu­ten­ção do de­pu­ta­do De­le­ga­do Wal­dir (GO), con­tra­ri­an­do o pre­si­den­te, que in­ter­ce­deu pa­ra que seu fi­lho Edu­ar­do Bol­so­na­ro (SP) as­su­mis­se o pos­to. Edu­ar­do ven­ceu a dis­pu­ta di­as de­pois, em meio a uma guer­ra de lis­tas de apoio. Joi­ce afir­mou que vai pro­ces­sar o fi­lho do pre­si­den­te na Jus­ti­ça, além de apre­sen­tar uma re­pre­sen­ta­ção con­tra ele no Con­se­lho de Éti­ca por cau­sa de ata­ques di­ri­gi­dos por ele con­tra ela.

Des­de que dei­xou a li­de­ran­ça, a par­la­men­tar pas­sou a ser cha­ma­da de por­ca e Pig nas re­des so­ci­ais por gru­pos li­ga­dos à fa­mí­lia Bol­so­na­ro. Tam­bém fo­ram es­pa­lha­das mon­ta­gens con­tra ela. “Foi a pri­mei­ra vez que eu me sen­ti ví­ti­ma do mais su­jo ma­chis­mo”, dis­se Joi­ce so­bre os xin­ga­men­tos.

A de­pu­ta­da res­sal­tou que nun­ca so­freu es­se ti­po de tra­ta­men­to por par­te da es­quer­da nem mes­mo dos ex-​presidentes Lu­la e Dil­ma, con­tra os quais fa­zia acu­sa­ções e for­tes crí­ti­cas co­mo jor­na­lis­ta. Joi­ce dis­se que a Re­pú­bli­ca não po­de vi­rar uma “fi­li­o­cra­cia” e que Bol­so­na­ro pre­ci­sa re­co­nhe­cer seus er­ros.

“Aqui os co­le­gas de es­quer­da sa­bem o quan­to eu lu­tei con­tra o Lu­la. Nós nos pro­ces­sa­mos mu­tu­a­men­te. Eu o pro­ces­sei e ele me pro­ces­sou. Mas nem aque­les que fa­zi­am fa­ke news, da es­quer­da fi­ze­ram al­go pa­re­ci­do com o que es­tão fa­zen­do, es­ses que se di­zem de di­rei­ta, por­que não são. (…) Is­so não é de­mo­cra­cia, meus ca­ros; é au­to­ri­ta­ris­mo do mais su­jo, do mais bai­xo!”

Joi­ce con­tou que re­ce­beu uma ame­a­ça de mor­te, por e-​mail, an­tes de dar en­tre­vis­ta ao pro­gra­ma Ro­da Vi­va, da TV Cul­tu­ra, di­as após ter dei­xa­do a li­de­ran­ça do go­ver­no. Ela co­brou re­co­nhe­ci­men­to por par­te do go­ver­no à sua le­al­da­de e ao seu em­pe­nho na apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

“Meu cri­me foi dis­cor­dar de ele se ape­que­nar. Eu dis­cor­dei de ele se ape­que­nar. Se o pre­si­den­te olha pa­ra mim e fa­la: ‘Car­re­ga es­sa ar­ma e dis­pa­ra na mi­nha ca­be­ça’. Eu vou di­zer: Eu não vou fa­zer is­so. “Mas eu es­tou man­dan­do”. Mas eu vou não fa­zer. Foi mais ou me­nos a mes­ma coi­sa. O pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o ho­mem mais im­por­tan­te, o mais po­de­ro­so des­te país não po­de vi­rar lo­bis­ta de quem quer que se­ja, de par­ti­do que se­ja. Não po­de!”

Se­gun­do a de­pu­ta­da, o go­ver­no se man­tém de pé gra­ças aos mi­nis­tros Pau­lo Gue­des, da Eco­no­mia, e Ser­gio Mo­ro, da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. “Quem são os pi­la­res do nos­so go­ver­no? Pau­lo Gue­des, su­per­mi­nis­tro; Sér­gio Mo­ro, su­per­mi­nis­tro. Eles são os nos­sos pi­la­res. Eu di­go, sem me­do de er­rar, que sem eles o go­ver­no não fi­ca em pé. E es­sa é uma ver­da­de.”

Vá­ri­os par­la­men­ta­res pres­ta­ram so­li­da­ri­e­da­de à de­pu­ta­da, in­clu­si­ve da opo­si­ção, co­mo Ali­ce Por­tu­gal (PCdoB-​BA), que dis­se que Joi­ce não po­de ser ata­ca­da co­mo mu­lher.

Veja a íntegra do discurso de Joice

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,