Foi pro­to­co­la­do no Con­se­lho de Éti­ca da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos um re­que­ri­men­to por que­bra de de­co­ro par­la­men­tar con­tra o de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP). O lí­der do PSL na Ca­sa se de­cla­rou na se­ma­na pas­sa­da que em ca­so de ra­di­ca­li­za­ção da es­quer­da, po­de­rá vir a edi­ção de um no­vo AI-​5, um dos mais rí­gi­dos atos ins­ti­tu­ci­o­nais da di­ta­du­ra mi­li­tar.

Bru­na Me­ne­zes


Deputados da oposição no Conselho de Ética da Câmara

Pa­ra dis­cu­tir a ad­mis­si­bi­li­da­de do pe­di­do, ha­ve­rá um sor­teio de três par­la­men­ta­res, o pre­si­den­te do co­le­gi­a­do, Jus­ce­li­no Fi­lho (DEM/​MA), es­co­lhe­rá um de­les. “O re­la­tor es­co­lhi­do te­rá dez di­as pa­ra fa­zer um re­la­tó­rio pre­li­mi­nar pa­ra le­var ao con­se­lho de éti­ca”, ex­pli­cou o pre­si­den­te. “O Con­se­lho de Éti­ca tem 21 mem­bros e a opo­si­ção tem seis mem­bros. Em se­gun­do lu­gar, 16 par­ti­dos as­si­na­ram uma po­si­ção re­pu­di­an­do a fa­la do Edu­ar­do Bol­so­na­ro”, dis­se o lí­der do Psol na Ca­sa, Ivan Va­len­te (SP).

“São qua­tro ban­ca­das da Ca­sa re­pre­sen­tan­do”, dis­se a lí­der da mi­no­ria na Câ­ma­ra, Jan­di­ra Fegha­li (PCdoB-​RJ). “O pe­so da de­nún­cia tem im­por­tân­cia pa­ra o re­la­tor (…). Nós não te­mos es­sa pre­o­cu­pa­ção de que o re­la­tor se­ja al­guém da es­quer­da, mas que se­ja al­guém que pre­ze pe­la de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra”, con­cluiu.

A pre­si­den­te do PT, Glei­si Hoff­mann (PR), re­lem­brou que es­sa não é a pri­mei­ra vez que Edu­ar­do Bol­so­na­ro se pro­nun­cia fa­vo­ra­vel­men­te a pe­río­dos an­ti­de­mo­crá­ti­cos. “O de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro é rein­ci­den­te nes­te ti­po de pro­nun­ci­a­men­to. Já fa­lou an­te­ri­or­men­te e ago­ra vol­ta a fa­lar na qua­li­da­de de de­pu­ta­do”, dis­se.

A de­pu­ta­da Fer­nan­da Mel­chi­on­na (Psol-​RS), a re­pre­sen­ta­ção ser­ve pa­ra es­ta­be­le­cer uma lu­ta em fa­vor da de­mo­cra­cia. “Pa­ra lu­tar em de­fe­sa das li­ber­da­des de­mo­crá­ti­cas e re­pu­di­ar es­te ata­que vi­o­len­to, es­sa apo­lo­gia, a tor­tu­ra e aos cri­mes da di­ta­du­ra, têm vá­ri­as ma­nei­ras. Cer­ta­men­te a re­pre­sen­ta­ção dos par­ti­dos for­ta­le­ce a re­pre­sen­ta­ção con­jun­to e nós te­mos uma ini­ci­a­ti­va de uma re­pre­sen­ta­ção on­li­ne que já são mais de 150 as­si­na­tu­ras”, dis­se a de­pu­ta­da.

Em en­tre­vis­ta na úl­ti­ma quin­ta (31), con­ce­di­da a jor­na­lis­ta Le­da Na­gle, Edu­ar­do de­fen­deu que em ca­so de ra­di­ca­li­za­ção da es­quer­da, o re­tor­no de um AI-​5 se­ria jus­ti­fi­cá­vel.

“Vai che­gar um mo­men­to em que a si­tu­a­ção vai ser igual a do fi­nal dos anos 60 no Bra­sil, quan­do se­ques­tra­vam ae­ro­na­ves, quan­do executavam-​se e sequestravam-​se gran­des au­to­ri­da­des, côn­su­les, em­bai­xa­do­res, exe­cu­ção de po­li­ci­ais, de mi­li­ta­res. Se a es­quer­da ra­di­ca­li­zar a es­se pon­to, a gen­te via pre­ci­sar ter uma res­pos­ta. E a res­pos­ta, ela po­de ser via um no­vo AI-​5, via uma le­gis­la­ção apro­va­da atra­vés de um ple­bis­ci­to, co­mo acon­te­ceu na Itá­lia. Al­gu­ma res­pos­ta vai ter que ser da­da”, de­fen­deu Edu­ar­do.

O Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal nú­me­ro 5 foi o quin­to de­cre­to ado­ta­do pe­la di­ta­du­ra mi­li­tar, em 1968. É con­si­de­ra­do mais du­ro de to­do o pe­río­do de rom­pi­men­to de­mo­crá­ti­co que só se en­cer­rou em 1985.

O Ai-​5, den­tre ou­tros ins­tru­men­tos, le­ga­li­zou a cas­sa­ção ime­di­a­ta dos man­da­tos de par­la­men­ta­res que eram con­trá­ri­os aos mi­li­ta­res. Ins­ti­tu­ci­o­na­li­zou a tor­tu­ra ao sus­pen­der quais­quer ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais. Apli­cou a cen­su­ra pré­via de tu­do que saía na im­pren­sa, mú­si­ca, fil­mes ou qual­quer ou­tro ti­po de en­tre­te­ni­men­to ou ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral. Pri­são de jor­na­lis­tas e ar­tis­tas, além da mor­te e de­sa­pa­re­ci­men­to de pre­sos po­lí­ti­cos, tam­bém foi re­sul­ta­do des­se pe­río­do.

Cri­ti­ca­do por to­dos os se­to­res da so­ci­e­da­de ci­vil, o de­pu­ta­do fe­de­ral foi à te­le­vi­são aber­ta ex­pli­car a sua de­cla­ra­ção. Em en­tre­vis­ta ao pro­gra­ma Da­te­na, ele ga­ran­tiu que nem ele nem o go­ver­no es­tu­dam o re­tor­no do de­cre­to que mar­cou a “épo­ca de chum­bo” da di­ta­du­ra mi­li­tar bra­si­lei­ra e acu­sou a opo­si­ção de ter de­tur­pa­do a sua fa­la.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,