De­cre­to as­si­na­do pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro trans­fe­re to­da a po­lí­ti­ca cul­tu­ral da ges­tão do Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia, co­man­da­do por Os­mar Ter­ra, pa­ra o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo, do mi­nis­tro Mar­ce­lo Ál­va­ro Antô­nio, acu­sa­do de co­man­dar um es­que­ma de can­di­da­tas la­ran­jas no PSL de Mi­nas Ge­rais. A de­ci­são (De­cre­to 10.107) foi pu­bli­ca­da na edi­ção des­ta quinta-​feira (7) do Diá­rio Ofi­ci­al da União.

Vag­ner Vargas/​MTur


O ministro Marcelo Álvaro Antônio (ao centro, de camiseta azul), em visita a praias de Ipojuca para ver efeitos do vazamento de óleo no Nordeste

Além da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Cul­tu­ra, tam­bém fo­ram re­ma­ne­ja­dos o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­ca Cul­tu­ral; a Co­mis­são Na­ci­o­nal de In­cen­ti­vo à Cul­tu­ra e a Co­mis­são do Fun­do Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra. A mu­dan­ça de­ve pro­vo­car no­va on­da de pro­tes­tos de ar­tis­tas, a exem­plo do que ocor­reu com a ex­tin­ção do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e sua in­cor­po­ra­ção pe­lo en­tão recém-​criado Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia.

Mar­ce­lo Ál­va­ro tem sua per­ma­nên­cia no go­ver­no con­tes­ta­da pe­la opo­si­ção e até ali­a­dos de Bol­so­na­ro por ter si­do in­di­ci­a­do pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral e de­nun­ci­a­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Elei­to­ral no ca­so das can­di­da­tu­ras la­ran­jas. O mi­nis­tro e mais dez pes­so­as fo­ram de­nun­ci­a­dos pe­los cri­mes fal­si­da­de ide­o­ló­gi­ca, apro­pri­a­ção in­dé­bi­ta elei­to­ral e as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa.

Mes­mo com as acu­sa­ções, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro já anun­ci­ou que não vai de­mi­tir o mi­nis­tro, que ago­ra pas­sa­rá a ter ain­da mais po­de­res. Por se tra­tar de um de­cre­to, a de­ci­são não se­rá sub­me­ti­da ao Con­gres­so.

Tam­bém fo­ram trans­fe­ri­das pa­ra o Tu­ris­mo as se­guin­tes com­pe­tên­ci­as:

I - po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de cul­tu­ra;
II - pro­te­ção do pa­trimô­nio his­tó­ri­co, ar­tís­ti­co e cul­tu­ral;
III - re­gu­la­ção dos di­rei­tos au­to­rais;
IV - as­sis­tên­cia ao Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to e ao Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Co­lo­ni­za­ção e Re­for­ma Agrá­ria nas ações de re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria, pa­ra ga­ran­tir a pre­ser­va­ção da iden­ti­da­de cul­tu­ral dos re­ma­nes­cen­tes das co­mu­ni­da­des dos qui­lom­bos;
V - de­sen­vol­vi­men­to e im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas e ações de aces­si­bi­li­da­de cul­tu­ral; e VI - for­mu­la­ção e im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas, pro­gra­mas e ações pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do se­tor mu­se­al.

A Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra es­tá atu­al­men­te sem che­fe. Ri­car­do Bra­ga foi de­mi­ti­do es­ta se­ma­na pa­ra as­su­mir a Se­cre­ta­ria de Re­gu­la­ção e Su­per­vi­são da Edu­ca­ção Su­pe­ri­or do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção. Seu an­te­ces­sor, Jo­sé Hen­ri­que Me­dei­ros Pi­res pe­diu de­mis­são por dis­cor­dar, en­tre ou­tras me­di­das, da sus­pen­são de edi­tal pa­ra a TV pú­bli­ca com te­má­ti­ca de­di­ca­da a pro­du­ções so­bre a cau­sa LGBT.

De acor­do com o jor­nal O Glo­bo, o ex-​deputado Mar­cos So­a­res (DEM-​RJ), fi­lho do lí­der da Igre­ja In­ter­na­ci­o­nal da Gra­ça e so­bri­nho de Edir Ma­ce­do, é o mais co­ta­do pa­ra as­su­mir a Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Cul­tu­ra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,