O ex-​presidente Lu­la de­ve ser sol­to a qual­quer mo­men­to após a de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) con­trá­ria a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. Na vi­são do ad­vo­ga­do Gus­ta­vo Po­li­do, es­pe­ci­a­lis­ta em Di­rei­to Pe­nal e Pro­ces­so Pe­nal, a de­ci­são do STF tem efei­to ime­di­a­to. “Mas pro­va­vel­men­te, por ser o ca­so que é, vão man­dar pa­ra pu­bli­ca­ção no diá­rio ofi­ci­al e após a pu­bli­ca­ção te­rá va­li­da­de”, ava­lia o ad­vo­ga­do.

Pau­lo Pinto/​Agência PT


Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

O ex-​presidente foi pre­so após re­ce­ber con­de­na­ção em se­gun­do grau pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião, no ca­so do tri­plex do Gua­ru­já. Co­mo o jul­ga­men­to do STF foi de re­per­cus­são ge­ral, to­dos os pro­ces­sos em que ti­ve­rem pre­sos nes­ta si­tu­a­ção do ex-​presidente Lu­la, o juiz de­ve­ria sol­tar de ofí­cio, ou se­ja, sem a ne­ces­si­da­de da de­fe­sa en­trar com pe­di­do.

“Na prá­ti­ca o que de­ve­ria acon­te­cer: to­dos os juí­zes de pri­mei­ro grau que tem pre­sos em pri­mei­ro re­cur­so ou tri­bu­nal, de­ve­ri­am so­zi­nhos man­dar sol­tar os pre­sos sem que a de­fe­sa se ma­ni­fes­te.
Mas co­mo tem mui­tos pre­sos, os ad­vo­ga­dos pre­ci­sa­rão en­trar em con­ta­to com o juiz ou tri­bu­nal”, re­la­ta Gus­ta­vo.

De ma­nei­ra ge­ral, o ma­gis­tra­do tem até cin­co di­as pa­ra ana­li­sar pe­ti­ções, po­rém, por se tra­tar de um réu pre­so, a aná­li­se do pe­di­do de­ve ser ime­di­a­ta.

Pa­ra Gus­ta­vo Po­li­do não há ar­gu­men­tos ju­rí­di­cos pa­ra man­ter o ex-​presidente Lu­la pre­so após a de­ci­são do STF des­ta quinta-​feira (7). “Não ha­ve­ria ar­gu­men­to ju­rí­di­co pa­ra man­ter a pri­são de­le e nem a de nin­guém que es­tá pre­so em se­gun­do grau”, afir­mou.

Condenados em segunda instância

Além do ex-​presidente Lu­la, ou­tros 37 con­de­na­dos pe­la ope­ra­ção tam­bém so­fre­ri­am im­pac­tos po­si­ti­vos com uma mu­dan­ça de en­ten­di­men­to, de acor­do com no­ta da força-​tarefa, que se pro­nun­ci­ou a fa­vor da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia.

Além dos pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to, mo­vi­men­tos so­ci­ais e po­lí­ti­cos tam­bém re­a­gi­ram ao jul­ga­men­to no Su­pre­mo. Quan­do foi di­vul­ga­do que o as­sun­to se­ria ana­li­sa­do, a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção de Jus­ti­ça da Câ­ma­ra co­lo­cou em pau­ta um pro­je­to de lei que pre­vê a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. Já um gru­po de 41 se­na­do­res en­tre­gou nes­ta se­ma­na uma car­ta ao pre­si­den­te da Cor­te pe­din­do que ele vo­te a fa­vor da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,