Os mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­di­ram nes­ta quinta-​feira (7) em fa­vor de três ações que pe­di­am o fim da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. A mu­dan­ça de en­ten­di­men­to po­de be­ne­fi­ci­ar 4.895 pre­sos, en­tre eles o ex-​presidente Lu­la.

Nel­son Jr/​STF


Ministros do STF

O jul­ga­men­to co­me­çou em 17 de ou­tu­bro e, após qua­tro di­as de jul­ga­men­to, foi fi­na­li­za­do nes­ta tar­de em uma ses­são que du­rou mais de 7 ho­ras. O cer­ne da ques­tão dis­cu­ti­da na Cor­te era se uma pes­soa po­de­ria co­me­çar a cum­prir pe­na após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia ou se era ne­ces­sá­rio es­pe­rar até o es­go­ta­men­to dos re­cur­sos ju­rí­di­cos, si­tu­a­ção co­nhe­ci­da co­mo trân­si­to em jul­ga­do.

Com o vo­to do pre­si­den­te da Cor­te, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, o pla­car fi­cou 6 a 5, con­tra a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. Além de Tof­fo­li, se­gui­ram es­se en­ten­di­men­to os ma­gis­tra­dos Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, Ro­sa We­ber, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Gil­mar Men­des e Cel­so de Mel­lo.

Já a cor­ren­te con­trá­ria, que ob­te­ve cin­co vo­tos, foi for­ma­da pe­los mi­nis­tros Luiz Fux, Cár­men Lú­cia, Ed­son Fa­chin, Luis Ro­ber­to Bar­ro­so e Ale­xan­dre de Mo­ra­es.

A de­ci­são des­ta quin­ta en­cer­ra um pe­río­do, ini­ci­a­do em 2016, em que a Cor­te pas­sou a acei­tar o cum­pri­men­to de pe­na após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia.

Toffoli defendeu STF

Em seu vo­to, o pre­si­den­te da Cor­te de­fen­deu a atu­a­ção do Su­pre­mo na re­so­lu­ção de es­cân­da­los de cor­rup­ção, co­mo o Men­sa­lão. “To­dos es­ses mar­cos nor­ma­ti­vos con­ta­ram com o apoio do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Se há com­ba­te a im­pu­ni­da­de no Bra­sil é em ra­zão des­se STF, do par­la­men­to bra­si­lei­ro que apro­vou es­sas nor­mas e de quem as san­ci­o­nou”, dis­se.

Tof­fo­li afir­mou tam­bém que o jul­ga­men­to de ho­je diz res­pei­to à le­gis­la­ção atu­al, mas is­so não quer di­zer que a lei não pos­sa mu­dar. Ele con­tou que se en­con­trou com se­na­do­res nes­ta se­ma­na pa­ra fa­lar so­bre o te­ma e dis­se aos par­la­men­ta­res que não vê pro­ble­ma em o par­la­men­to al­te­rar o dis­po­si­ti­vo.

“En­ten­do, com as de­vi­das vê­ni­as de quem di­fe­ren­te­men­te pen­sa, que o Con­gres­so Na­ci­o­nal po­de dis­por so­bre o te­ma em sen­ti­do di­ver­so, des­de que com­pa­tí­vel com a pre­sun­ção da ino­cên­cia”, afir­mou.

An­tes de­le, vo­ta­ram tam­bém nes­ta quin­ta os mi­nis­tros Cár­men Lú­cia, Gil­mar Men­des e o de­ca­no da Cor­te, mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo, que dis­cor­reu por mais de du­as ho­ras so­bre o te­ma.

Du­ran­te sua fa­la, o de­ca­no lem­brou que es­te­ve na cor­ren­te con­trá­ria à te­se da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, mes­mo quan­do a Cor­te de­ci­diu a fa­vor do en­ten­di­men­to. “In­te­grei a cor­ren­te mi­no­ri­tá­ria por en­ten­der que a te­se da exe­cu­ção pro­vi­só­ria de con­de­na­ções pe­nais ain­da re­cor­rí­veis trans­gri­de de mo­fo fron­tal à pre­sun­ção cons­ti­tu­ci­o­nal de ino­cên­cia”, dis­se.

Já Gil­mar Men­des afir­mou que mu­dou de opi­nião so­bre o te­ma pe­lo “des­vir­tu­a­men­to que as ins­tân­ci­as or­di­ná­ri­as co­me­ça­ram a per­pe­trar”. “O que o STF de­ci­diu em 2016 é que dar-​se-​ia a con­di­ção pa­ra se exe­cu­tar a de­ci­são a par­tir do jul­ga­men­to em se­gun­do grau. Ou se­ja, decidiu-​se que a exe­cu­ção da pe­na após a con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia se­ria pos­sí­vel, mas não im­pe­ra­ti­va”, dis­se.

Úni­ca a vo­tar a fa­vor da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia nes­ta quin­ta, a mi­nis­tra Cár­men Lú­cia dis­se que man­ti­nha sua com­pre­en­são so­bre o te­ma e res­sal­tou a im­por­tân­cia de acei­tar a opi­nião con­trá­ria, em uma democracia.“Quem gos­ta de una­ni­mi­da­de é di­ta­du­ra, de­mo­cra­cia é plu­ral sem­pre”, dis­se.

Lula beneficiado

Con­de­na­do em dois ca­sos in­ves­ti­ga­dos na Ope­ra­ção La­va Ja­to, o ex-​presidente Lu­la é um dos pos­sí­veis be­ne­fi­ci­a­dos do fim da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. Além de­le, ou­tros 37 con­de­na­dos pe­la ope­ra­ção tam­bém so­fre­ri­am im­pac­tos po­si­ti­vos com uma mu­dan­ça de en­ten­di­men­to, de acor­do com no­ta da força-​tarefa, que se pro­nun­ci­ou a fa­vor da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia.

Além dos pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to, mo­vi­men­tos so­ci­ais e po­lí­ti­cos tam­bém re­a­gi­ram ao jul­ga­men­to no Su­pre­mo. Quan­do foi di­vul­ga­do que o as­sun­to se­ria ana­li­sa­do, a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção de Jus­ti­ça da Câ­ma­ra co­lo­cou em pau­ta um pro­je­to de lei que pre­vê a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. Já um gru­po de 41 se­na­do­res en­tre­gou nes­ta se­ma­na uma car­ta ao pre­si­den­te da Cor­te pe­din­do que ele vo­te a fa­vor da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia.

O julgamento

As ações jul­ga­das pe­lo Su­pre­mo fo­ram pro­to­co­la­das pe­la Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB) e pe­los par­ti­dos PC­doB e Pa­tri­o­ta. No pri­mei­ro dia de aná­li­se dos re­cur­sos, os ma­gis­tra­dos es­cu­ta­ram as sus­ten­ta­ções orais dos ad­vo­ga­dos de en­ti­da­des in­te­res­sa­das no as­sun­to. A mai­o­ria se po­si­ci­o­nou fa­vo­rá­vel ao fim da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia.

Na ses­são se­guin­te so­bre o te­ma, os mi­nis­tros ou­vi­ram a opi­nião do advogado-​geral da União, An­dré Luiz de Men­don­ça, e do procurador-​geral da Re­pú­bli­ca, Au­gus­to Aras, que de­fen­de­ram a ma­nu­ten­ção do en­ten­di­men­to ju­rí­di­co.

Em se­gui­da, co­me­ça­ram os vo­tos, com o pa­re­cer do re­la­tor do tex­to, Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, que re­a­fir­mou seu en­ten­di­men­to con­tra a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, po­si­ção que dis­se ser “co­nhe­ci­da des­de sem­pre”. Ele afir­mou que “é im­pos­sí­vel de­vol­ver a li­ber­da­de per­di­da ao ci­da­dão”, mo­ti­vo pe­lo qual não se po­de pren­der al­guém que ain­da te­nha a pos­si­bi­li­da­de de ser ino­cen­ta­do.

O se­gun­do a vo­tar, mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es, abriu di­ver­gên­cia. Ele de­fen­deu que “ig­no­rar” a pos­si­bi­li­da­de de exe­cu­ção con­de­na­tó­ria em se­gun­da ins­tân­cia é “en­fra­que­cer o po­der ju­di­ciá­rio”. Es­sa po­si­ção tam­bém foi se­gui­da na­que­la oca­sião por Ed­son Fa­chin e Luís Ro­ber­to Bar­ro­so.

Fa­chin de­fen­deu que é “in­viá­vel sus­ten­tar que to­da e qual­quer pri­são só po­de ter seu cum­pri­men­to ini­ci­a­do quan­do o úl­ti­mo re­cur­so da úl­ti­ma cor­te” for exa­mi­na­do.

Já Bar­ro­so dis­se que as ar­gu­men­ta­ções das sus­ten­ta­ções orais não con­di­zem com a re­a­li­da­de e de­fen­deu que a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia não pre­ju­di­ca os mais po­bres. “Não fo­ram os po­bres que so­fre­ram o im­pac­to da pos­si­bi­li­da­de de exe­cu­ção da pe­na após a con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia. Não fo­ram os po­bres que mo­bi­li­za­ram os mais bri­lhan­tes e ca­ros ad­vo­ga­dos do país”, dis­se.

No ter­cei­ro dia de jul­ga­men­to, a mi­nis­tra Ro­sa We­ber vo­tou a fa­vor das três ações. O vo­to de­la era con­si­de­ra­do o mais di­fí­cil de se pre­ver, uma vez que a ma­gis­tra­da já ha­via se pro­nun­ci­a­do con­trá­ria à pri­são em se­gun­da ins­tân­cia em 2016, mas vo­tou a fa­vor da te­se no jul­ga­men­to de um ha­be­as cor­pus do ex-​presidente Lu­la, por se­guir a ju­ris­pru­dên­cia do tri­bu­nal.

Além de­la, vo­ta­ram nes­se dia tam­bém os mi­nis­tros Fux, que foi con­tra os re­cur­sos, e Lewan­dows­ki, que foi a fa­vor.

Nes­ta quin­ta, os qua­tro mi­nis­tros que res­ta­vam vo­ta­ram. Três de­les con­tra a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia e uma a fa­vor, dei­xan­do o pla­car 6 a 5, e mu­dan­do o en­ten­di­men­to da Cor­te.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,