O pro­gra­ma do go­ver­no fe­de­ral que quer in­cen­ti­var a con­tra­ta­ção de jo­vens no mer­ca­do de tra­ba­lho bra­si­lei­ro não foi mui­to bem re­ce­bi­do no Se­na­do. É que, en­tre os pon­tos do cha­ma­do Pro­gra­ma Ver­de e Ama­re­lo, es­tá a pos­si­bi­li­da­de de ta­xar o seguro-​desemprego. Os se­na­do­res não que­rem, con­tu­do, ta­xar o be­ne­fí­cio e, por is­so, já ava­li­am al­ter­na­ti­vas à pro­pos­ta. Lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-​PE) ad­mi­tiu que, di­an­te des­sa re­a­ção, se­rá pre­ci­so ajus­tar es­se pon­to do pro­gra­ma du­ran­te a vo­ta­ção do Con­gres­so.

Por­tal Bra­sil

“De fa­to, hou­ve uma re­a­ção mui­to for­te à ta­xa­ção so­bre o seguro-​desemprego den­tro do Se­na­do Fe­de­ral. En­tão, ago­ra, na apre­ci­a­ção da ma­té­ria na co­mis­são mis­ta, se ten­ta­rá iden­ti­fi­car ou­tras fon­tes pa­ra fi­nan­ci­ar a ge­ra­ção de em­pre­go, so­bre­tu­do pa­ra os jo­vens”, con­fir­mou Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho, mos­tran­do que o go­ver­no es­tá dis­pos­to a ne­go­ci­ar es­se pon­to do pro­gra­ma que foi anun­ci­a­do nes­sa segunda-​feira (12) pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e edi­ta­do por meio da me­di­da pro­vi­só­ria 905/​2019 nes­ta terça-​feira (12).

Be­zer­ra Co­e­lho já adi­an­tou até al­gu­mas das al­ter­na­ti­vas que fo­ram dis­cu­ti­das pe­los se­na­do­res ao lon­go des­ta terça-​feira. “Coloca-​se co­mo uma das op­ções re­ver al­gu­ma re­nún­cia tri­bu­tá­ria, in­cen­ti­vos ou sub­sí­di­os. E tam­bém iden­ti­fi­car a pos­si­bi­li­da­de de par­te dos re­cur­sos do Sis­te­ma S fi­nan­ci­ar a ge­ra­ção de em­pre­gos pa­ra a ju­ven­tu­de”, con­tou.

O se­na­dor ex­pli­cou que, quan­do pre­vê um au­men­to da des­pe­sa pú­bli­ca, o go­ver­no pre­ci­sa apre­sen­tar a fon­te de ar­re­ca­da­ção que vai com­pen­sar es­se gas­to. Foi o que acon­te­ceu nes­te ca­so. Afi­nal, pa­ra am­pli­ar a in­ser­ção dos jo­vens no mer­ca­do de tra­ba­lho, o Pro­gra­ma Ver­de e Ama­re­lo pro­me­te de­so­ne­rar a fo­lha de pa­ga­men­to das em­pre­sas que con­tra­ta­rem es­ses tra­ba­lha­do­res. Pa­ra com­pen­sar es­sa re­nún­cia na fo­lha de pa­ga­men­to, o go­ver­no propôs, en­tão, a co­bran­ça de 7,5% de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria so­bre o seguro-​desemprego - be­ne­fí­cio que é pa­go a quem foi de­mi­ti­do por jus­ta cau­sa por um pe­río­do má­xi­mo de cin­co me­ses e ho­je não é tri­bu­ta­do.

Pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) con­fir­mou que al­guns se­na­do­res fi­ze­ram res­sal­vas ao tex­to do go­ver­no. Um de­les foi Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE), que foi re­la­tor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e dis­cu­tiu as no­vas me­di­das econô­mi­cas do go­ver­no com Al­co­lum­bre na noi­te des­ta terça-​feira. “A me­di­da pro­vi­só­ria foi edi­ta­da ago­ra. A gen­te vai dis­cu­tir”, dis­se o pre­si­den­te do Se­na­do, que pre­fe­riu não ava­li­ar o mé­ri­to da pro­pos­ta. “Ain­da não con­se­gui in­ter­pre­tar, por­que ao mes­mo tem­po que ta­xa, ga­ran­te que a pes­soa es­te­ja se­gu­ra­da. En­tão, que­ro en­ten­der”, ex­pli­cou Al­co­lum­bre.

A me­di­da pro­vi­só­ria que ins­ti­tui o Con­tra­to de Tra­ba­lho Ver­de e Ama­re­lo va­le pa­ra jo­vens de 18 a 29 anos de ida­de que ga­nha­rão até um sa­lá­rio mí­ni­mo e meio por mês - o equi­va­len­te a R$ 1.497 nos di­as atu­ais - no seu pri­mei­ro em­pre­go. A me­di­da, anun­ci­a­da em uma ce­rimô­nia no Pla­nal­to, po­rém, ago­ra se­rá ava­li­a­da pe­lo Con­gres­so. Os par­la­men­ta­res po­dem al­te­rar e até re­jei­tar a me­di­da. A aná­li­se da ma­té­ria se­rá fei­ta por uma co­mis­são mis­ta, que se­rá pre­si­di­da por um se­na­dor e te­rá um de­pu­ta­do co­mo re­la­tor. O pa­re­cer que for apro­va­do na co­mis­são tam­bém se­rá ava­li­a­do pe­los ple­ná­ri­os da Câ­ma­ra e do Se­na­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,