Du­as me­di­das pro­vi­só­ri­as es­tão pa­ra­das no Con­gres­so há mais de 65 di­as es­pe­ran­do que o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), ins­ti­tua co­mis­sões es­pe­ci­ais pa­ra analisá-​las. Ca­so os tex­tos não se­jam vo­ta­dos pe­la Câ­ma­ra e pe­lo Se­na­do, eles per­dem o va­lor de lei.

Ro­que de Sá/​Agência Se­na­do


Brasília tem expectativa de dia tenso por causa da crise no partido do presidente da República e votações polêmicas

As du­as me­di­das pa­ra­li­sa­das são a MP 895, que cria a car­tei­ra de es­tu­dan­te di­gi­tal, e a MP 896, que dis­pen­sa a obri­ga­to­ri­e­da­de da pu­bli­ca­ção de li­ci­ta­ções de ór­gãos pú­bli­cos em jor​nais​.Na quinta-​feira pas­sa­da (7), o pra­zo de vi­gên­cia ini­ci­al das du­as me­di­das aca­bou. Nes­ses ca­sos, os tex­tos con­ti­nu­am em vo­ga e o tem­po de aná­li­se é du­pli­ca­do, so­man­do 120 di­as no to­tal. Ca­so não se­jam vo­ta­dos nes­se pe­río­do, as MPs ca­du­cam.

Em com­pa­ra­ção com as úl­ti­mas oi­to MPs, o tem­po pa­ra ins­ta­la­ção da co­mis­são – que é o pri­mei­ro pas­so na aná­li­se den­tro do Con­gres­so – mais que tri­pli­cou, pas­san­do de 22 di­as pa­ra, no mí­ni­mo, 67. Após a co­mis­são es­pe­ci­al, a MP pre­ci­sa pas­sar ain­da pe­la Câ­ma­ra e pe­lo Se­na­do, pa­ra ser apro­va­da.

Ape­sar dis­so, o lí­der do go­ver­no no Con­gres­so, se­na­dor Edu­ar­do Go­mes (MDB-​TO), não tem me­do que a me­di­da ca­du­que. Ele con­si­de­ra a de­mo­ra na­tu­ral, em as­sun­tos que “não têm mui­to en­cai­xe”. “Eu acho que é uma coi­sa que vai ser su­pe­ra­da ain­da den­tro do pra­zo”, dis­se.

Já a de­pu­ta­da Bia Ki­cis (PSL-​DF) acre­di­ta que “o tem­po ur­ge”. Se­gun­do a par­la­men­tar, as co­mis­sões es­pe­ci­ais de­vem ser ins­ta­la­das “em bre­ve”. “Va­mos tra­ba­lhar num es­for­ço con­cen­tra­do com o no­vo lí­der, Se­na­dor Edu­ar­do Go­mes, pa­ra que tu­do se­ja vo­ta­do em tem­po há­bil”, afir­mou ain­da na se­ma­na pas­sa­da.

Ca­so o tex­to não se­ja ana­li­sa­do a tem­po, es­sa não se­ria a pri­mei­ra vez no go­ver­no Bol­so­na­ro. Em ju­nho, a me­di­da pro­vi­só­ria 873 que proi­bia a co­bran­ça da con­tri­bui­ção sin­di­cal na fo­lha de pa­ga­men­to do tra­ba­lha­dor tam­bém ca­du­cou. Ao me­nos ou­tros 5 tex­tos do Exe­cu­ti­vo pas­sa­ram pe­lo mes­mo pro­ces­so nes­te ano.

Pa­ra o lí­der do PSB na Câ­ma­ra, Ta­deu Alen­car (PE), se as me­di­das fo­ram pro­to­co­la­das elas pre­ci­sam ser ana­li­sa­das. “Na me­di­da que elas fo­ram edi­ta­das, elas pre­ci­sam ser dis­cu­ti­das pe­lo Con­gres­so”, dis­se.

Ele acre­di­ta, no en­tan­to, que há um exa­ge­ro na ação do Exe­cu­ti­vo em re­la­ção à edi­ção de me­di­das pro­vi­só­ri­as. “Acho uma ano­ma­lia que o go­ver­no es­te­ja o tem­po to­do atra­ves­san­do as prer­ro­ga­ti­vas do Con­gres­so Na­ci­o­nal pro­to­co­lan­do me­di­das pro­vi­só­ri­as”, ex­pli­cou.

Pro­cu­ra­do, a as­ses­so­ria do pre­si­den­te do Se­na­do não res­pon­deu aos ques­ti­o­na­men­tos so­bre o as­sun­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,